Vereador ‘meio governo, meio oposição’ apoia a mobilização dos professores em Ferraz
O discurso em apoio à reivindicação dos educadores ocorreu na sessão ordinária da última terça-feira/ Foto: Divulgação
Campanha Tudo novo

As recentes manifestações dos professores municipais de Ferraz de Vasconcelos feitas nos dias 28 de abril e 4 de maio demonstraram que a categoria está, de fato, organizada na cidade e, portanto, preparada para lutar por seus direitos.

Essa é avaliação do vereador Antônio Carlos Alves Correia (Republicanos), o Tonho. O discurso em apoio à reivindicação dos educadores ocorreu na sessão ordinária, na terça-feira, 10.

A Associação dos Profissionais e Trabalhadores da Educação Pública de Ferraz de Vasconcelos (Aspef) mobiliza a categoria para exigir, por exemplo, o pagamento do piso nacional do magistério, respectivamente, correspondente às cargas horárias de 20, 30 e 40 horas semanais.

De acordo com a entidade de classe, no primeiro caso, o salário-base inicial deve ser de R$ 1.922,81, porém, apresenta uma defasagem de R$ 542,81.

No segundo aspecto, os educadores locais têm direito a ganhar um vencimento inicial de R$ 2.884,22, todavia, o atual valor possui uma diferença para baixo de R$296,72.

Já no caso dos professores que atuam 40h semanais, eles precisam receber o salário-base inicial de R$ 3.845,63, mas esses profissionais estão perdendo R$395,63 por mês. Em compensação, a prefeitura ferrazense prometeu corrigir essas defasagens.

Além disso, o órgão reivindica um reajuste de 21% para todos os servidores, isto é, a revisão anual geral que não foi dada em 2020 e 2021.

Ainda, para a entidade, apenas nos últimos dois anos, o achatamento salarial registra uma perda de 10,94%.

A Aspef quer também a realização de concurso público com mais regularidade e a distribuição de Equipamentos de Proteção Individual (EPIS) a todos os funcionários do setor de apoio.

Já o Palácio da Uva Itália assegurou que não tem dinheiro para repor as perdas salariais dos últimos dois anos como deseja os educadores, contudo, decidiu conceder 6%.

Aliás, essa recomposição salarial deverá ser votada em primeiro turno nesta sexta-feira, 13, às 9 horas.

Além disso, devido à pressão da categoria vai reajustar em 87%, o valor do vale-alimentação passando dos atuais R$ 160,00 para R$ 300,00.