Tucanos tremem por causa da saída do ‘picolé de chuchu’. Ex-governador indica a aliados que deixará o PSDB para concorrer ao governo de SP. Boa Alckmin
Tucanos que fazem parte do governo Doria e Rodrigo Garcia tremem igual a vara verde diante da possibilidade de Alckmin concorrer contra o vice-governador/ Foto: Divulgação
Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde

O PSDB de São Paulo decidiu na última segunda-feira fazer a prévia no Estado em um processo casado com a nacional, no mesmo dia e com as mesmas regras, para decidir quem será o candidato ao governo do Estado em 2022.

A definição do diretório irritou o ex-governador tucano, Geraldo Alckmin, que pretende se candidatar no próximo ano, mas não quer enfrentar a disputa interna.

Com a decisão do partido, aliados de Alckmin disseram nesta terça-feira, 20, que o ex-governador deve deixar o partido nas próximas semanas rumo ao PSD.

Trata-se de uma informação bastante relevante publicada na tarde desta terça-feira pelo Jornal Valor Econômico.

Sendo que o Jornal Oi vem tratando deste assunto nas últimas semanas, pois lideranças políticas de Suzano e Mogi das Cruzes poderão ser protagonistas na disputa do ano que vem ao governo do Estado de SP.

Alckmin avalia que esse modelo de prévia, com a divisão do peso dos votos em quatro, o desfavorece na disputa.

O ex-governador tem dito a aliados que a máquina estadual deve pesar fortemente contra ele e em favor do vice-governador Rodrigo Garcia, que conta com o apoio do governador João Doria e do presidente do PSDB paulista, Marco Vinholi.

No mês passado, Doria e Alckmin se reuniram para conversar sobre as eleições de 2022.

O ex-governador falou sobre sua intenção de concorrer ao governo paulista novamente depois de quatro mandatos no Estado, mas Doria disse que ele teria que participar da prévia contra Garcia. Alckmin disse que não disputará.

O governador paulista o incentivou a concorrer a um cargo no Legislativo, mas a oferta também foi negada.

“Ele [Alckmin] me disse, infelizmente, uma resposta diferente daquilo que eu imaginaria de um democrata. Ele falou: ‘das prévias, eu não participo’”, relatou ontem Doria em entrevista à “CNN Brasil”.

“Ele me respondeu: ‘Não quero disputar nem para deputado federal nem para o Senado’.

Neste cenário, então, Alckmin que não tem falado com a imprensa deverá aceitar o convite do PSD de Gilberto Kassab e Marco Bertaiolli.

Tucanos que fazem parte do governo Doria e Rodrigo Garcia tremem igual a vara verde diante da possibilidade de Alckmin concorrer contra o vice-governador.

Pois mesmo com a máquina e tudo ele teria enormes dificuldades para vencer a disputa.

Esta é uma disputa que promete e as lideranças políticas da região deveriam tirar proveito disso em vez de se postarem de joelhos para os pré-candidatos e seus padrinhos ou ‘padastros’. Fica a dica.