Silêncio de Candido, do PDT e de Carlos Lupi indica que o ex-prefeito segue ‘proibido’ de ser candidato
Marcelo Candido e o PDT poderão romper o silêncio e tirar as dúvidas dos eleitores de Suzano e região a partir desta segunda-feira/ Foto: Divulgação
Prefeitura de Guararema

Na semana passada, após uma reunião de integrantes do diretório do PDT em Suzano, surgiu a informação de que o ex-prefeito Marcelo Candido estaria apto a disputar as próximas eleições e que teria manifestado (aos integrantes do partido) a sua intenção de concorrer para deputado federal.

As duas informações (de que  o ex-prefeito teria recuperado a sua elegibilidade e que poderá concorrer  para deputado federal) agitaram os bastidores políticos de Suzano e da região.

O Jornal Oi destacou alguns dos efeitos que a participação de Marcelo Candido na eleição ao Congresso Nacional por Suzano poderia produzir no cenário político da cidade.

Marcelo Candido foi prefeito entre 2005 e 2012 pelo PT e em 2016 tomou a decisão de apoiar Rodrigo Ashiuchi que acabou sendo eleito pelo  PL, tendo com vice Walmir Pinto que é do PDT.

Existe (ou existiria) um acordo para que Walmir tenha o apoio de Ashiuchi na eleição para a Prefeitura em 2024.

Mas se Candido for candidato em 2022 esse acordo será mantido, fortalecido ou inviabilizado?

Em razão das implicações que uma eventual candidatura produzirá o Jornal Oi questionou o próprio Marcelo Candido sobre o assunto.

A reportagem perguntou para o ex-prefeito se ele já está elegível e se já tem o ok da Justiça Eleitoral para concorrer.

O Jornal Oi não perguntou se Candido pretende ser candidato e sim se apenas já recuperou seu direito de ser candidato.

O ex-prefeito não se manifestou e o silêncio de Candido já acendeu o sinal amarelo sobre a possibilidade de ele continuar inelegível.

Essa possibilidade ficou ainda mais evidente por conta do silêncio do PDT. O Jornal Oi, por meio do repórter Gabriel Souza, acionou o presidente nacional do partido, Carlos Lupi.

A liderança e sua assessoria não se manifestaram sobre a elegibilidade (ou não) de Candido e recomendou que o Jornal Oi procurasse o Diretório Estadual do PDT que também foi questionado.

O problema é que o Diretório Estadual do PDT também não se manifestou. Todo esse silêncio sinaliza que Candido segue sendo vítima de uma ‘espécie de maldição da inelegibilidade’ de que deixou o comando da Prefeitura há dez anos.

Marcelo Candido e o PDT poderão romper o silêncio e tirar as dúvidas dos eleitores de Suzano e região a partir desta segunda-feira, 17.