Prudência sempre em primeiro lugar; Não negligencie, o combate à pandemia continua!
Seguimos em pandemia: o uso de máscara é obrigatório; o distanciamento continua valendo e se puder ficar em casa, fique!/ Foto: Divulgação
Prefeitura de Guararema

Caminhamos para o quinto mês de pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no país e é importante fazer um balanço sobre o que realmente temos aprendido neste período de reclusão.

Enfrentamos muitas coisas e cada um vem lidando com a sua particular maneira de ‘reduzir’ os danos.

Passamos por um período crítico, que ainda está em enfrentamento, mas aos poucos tentamos (sobre) viver- sem colocar ninguém em risco.

Somos diariamente bombardeados por informação, de todos os lados. Mas neste último fim de semana me chamou atenção uma reportagem sobre o movimento nas praias.

As imagens de dezenas de banhistas se divertindo à beira-mar, sem máscaras ou qualquer distanciamento, em nada reflete o nosso atual contexto: mais de 87 mil vidas perdidas.

Não cabe a nós fazer o julgamento do outro, uma vez que cada um tem carregado seu próprio fardo nesses últimos meses. Sem dúvidas, não tem sido fácil para ninguém.

São 87 mil famílias brasileiras chorando a morte de um ente querido, que sequer tiveram oportunidade de despedida com um velório ou enterro. São milhares de desempregados em busca de colocar alimento na mesa.

Também são pessoas que há cinco meses estão em casa, seguindo as recomendações e encarando uma nova rotina, que inclui uma adaptação forçada juntos às crianças longe das escolas; uma avalanche de home office; o distanciamento de pessoas queridas; a perda quase que total de uma vida social saudável; a vivência real dos relacionamentos, com seus altos e baixos, e o verdadeiro enfrentamento próprio.

Olhar para si mesmo e realinhar seus plano e prioridades daqui pra frente requer grande esforço psicológico. Tudo isso frente a muitas incertezas, mas precisamos seguir.

Precisamos reunir forças e encontrar modos de caminhar e tocar o barco, sem colocar a vida de ninguém em risco.

Me choca ver que, mesmo com tudo isso que vivenciamos, o clima é de férias nas praias. É preciso compreender que viver 24 horas de tragédia e lamentos não é e nunca será a resposta para superarmos os desafios, mas a prudência precisar vir em primeiro lugar, seja na praia ou na cidade.

Seguimos em pandemia: o uso de máscara é obrigatório; o distanciamento continua valendo e se puder ficar em casa, fique!

Lembro que, nesta altura do campeonato, não cabe julgamentos à maneira como as pessoas se comportam- desde que essas atitudes não negligencie as medidas de combate à pandemia, que já fez tantas vítimas neste país.

Enquanto a ciência cumpre seu papel em busca de respostas, trabalhe maneiras de manter sua saúde física e mental, sem descuidar da prevenção à Covid-19.