Procon notifica os Correios por causa de filas. Resposta padrão deve ser fiscalizada
Em resposta, enviada ao Procon, os Correios elencaram as medidas adotadas para conter a disseminação do vírus/ Foto: Divulgação
Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde

O Procon de Itaquaquecetuba notificou os Correios na terça-feira, 27, após receber denúncias em seus canais de comunicação de que a fila de atendimento da unidade, localizada na praça Padre João Álvares, no centro, estaria concentrando pessoas na área externa e até invadindo o espaço dos imóveis vizinhos.

No local, o órgão constatou que não havia qualquer funcionário para orientar a população a manter o distanciamento social, em respeito às medidas sanitárias de contenção da Covid-19.

Havia apenas um funcionário no caixa convencional e outro no atendimento preferencial. Foi enviado um ofício à empresa cobrando um posicionamento e adequação em até 48 horas.

Em resposta, enviada ao Procon nessa quinta, 29, os Correios elencaram as medidas adotadas para conter a disseminação do vírus, como a instalação de barreiras de proteção, reforço na higienização, controle no acesso às unidades e distância delimitada entre o atendente e os clientes.

A empresa contou, ainda, que os empregados do grupo de risco não estão trabalhando presencialmente e isso afetou a capacidade de atendimento. Além disso, relatou que o fluxo de postagens e clientes aumentou com o isolamento social.

Durante o horário de funcionamento regular, a agência em questão disse que mantém três guichês ativos e que a situação apontada pelo Procon de Itaquá ocorreu no horário de almoço, em que os empregados se revezam no atendimento.

Por fim, alegou que “está trabalhando com o compromisso de minimizar possíveis transtornos no menor prazo e reduzir os impactos da pandemia em suas atividades” e que as “normalizações virão gradativamente”.

O secretário de Governo, Marcello Barbosa, reforçou a importância da população denunciar, saber seus direitos e que o papel do Procon é cobrar a melhoria na qualidade do serviço prestado.

“Estamos atentos e seguimos cobrando as empresas para que respeitem as medidas sanitárias, dando agilidade ao atendimento para não causar aglomerações”.