Oito imigrantes são libertos de trabalho análogo ao escravo; eles dormiam ao lado das máquinas de costura
Durante a ação, oito imigrantes bolivianos foram libertados em uma confecção no Bom Retiro, na região central da capital/ Foto: Governo do Estado de SP
Campanha Tudo novo

O governador João Doria acompanhou, nesta sexta-feira, 18, a Operação Andrápodon na cidade de São Paulo, que resgatou oito vítimas de trabalho análogo ao escravo.

Durante a ação, oito imigrantes bolivianos foram libertados em uma confecção no Bom Retiro, na região central da capital.

Além disso, foram presas duas pessoas responsáveis pelo local, por tráfico de pessoas e organização criminosa.

As vítimas trabalhavam até 14 horas por dia e ficavam 24 horas no mesmo local – dormiam ao lado da máquina de costurar.

“Hoje eu quis acompanhar esse movimento que tem sido feito de resgate de pessoas, que infelizmente vivem em condição subumana, condições sem dignidade. São verdadeiros escravos. Fiquei com muita pena, muito sensibilizado, porque essas pessoas estão lutando pela sua sobrevivência, mas em uma condição absolutamente subumana”, disse Doria.

A operação foi realizada pela Secretaria de Justiça e Cidadania, por meio do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas de São Paulo (NETP), e da Polícia Civil, com agentes do Departamento de Operações Policiais Estratégicas (Dope) e da 1ª Delegacia Seccional da Capital.

“São três etapas: a primeira inicia hoje, que é a etapa do acolhimento. A segunda é um trabalho já relacionado à capacitação. Essas pessoas farão cursos de português, profissionalizantes, que é um trabalho de inclusão social e profissional. E vem junto o trabalho de regularização, através do Centro de Integração da Cidadania do Imigrante (CIC) e do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas”, afirmou o Secretário de Justiça e Cidadania, Fernando José da Costa.

Segundo o NETP, desde 2019, foram recebidas 37 denúncias de possíveis casos de tráfico de pessoas, trabalho análogo à escravidão, adoção ilegal, exploração laboral da prostituição e exploração sexual e de desaparecimento.

Destas, 12 denúncias resultaram em forças-tarefas. As denúncias já contribuíram para o resgate de 206 vítimas.