O guerreiro voltou. Ingresso no PSOL ressuscita o Marcelo Candido combativo: “Bolsonaro (do PL) é miliciano”
Candido se comprometeu em denunciar os riscos que a candidatura do ex-ministro do governo federal Tarcísio de Freitas (Republicanos) representa para o Estado de São Paulo/ Foto: Divulgação
Campanha Tudo novo

A participação do ex-prefeito de Suzano, Marcelo Candido (agora no PSOL), no “Vai Encarar?” dessa quarta-feira, 11, revelou um novo político em comparação aquela liderança apática e quase irreconhecível em que (provavelmente) a passagem pelo PDT (de Ciro Gomes) transformou o ex-prefeito suzanense.

Candido fez história na política de Suzano e região ao ser eleito prefeito em 2004 derrotando o até então imbatível Estevam Galvão de Oliveira que hoje é deputado estadual e foi prefeito da cidade em quatro oportunidades.

A falta de estratégia e a letargia do PDT, comandado pelo ‘coronel’ Carlos Luppi, fizeram muito mal ao ex-prefeito de Suzano.

E isso ficou muito claro na primeira entrevista concedida por Candido (justamente para o ‘Vai Encarar? ’ na quarta-feira) após o seu ingresso no PSOL, partido que apoia a eleição do ex-presidente Lula e que, segundo Candido, é o partido com as ideias e propostas mais modernas e sintonizadas com as necessidades da sociedade neste momento e também para o futuro.

Marcelo Candido, que foi decisivo em 2016 para a vitória eleitoral do atual prefeito Rodrigo Ashiuchi (PL) e por tabela pela derrota do então candidato Israel Lacerda (que estava com a eleição praticamente ganha), revelou sua identidade com o PSOL e demonstrou estar totalmente a vontade no novo partido.

No sentido de construir e liderar uma coalização de esquerda (que já teria sete partidos) para a disputa eleitoral de 2024.

Candido já deixou bem claro que voltar ao comando da Prefeitura é uma das prioridades de sua vida neste momento.

O ex-prefeito, na quarta-feira, mostrou-se afiado como nunca e disparou críticas pesadas (já destacadas pelo Jornal Oi) contra uma possível falta de reconhecimento dos chefes do Executivo e do Legislativo ao seu papel (no caso o apoio que Candido deu ao PL) decisivo em 2016.

Mas não foi só em cobrar ‘vergonha na cara’ das principais lideranças políticas da cidade que o guerreiro do início dos anos 2000 se revelou.

Candido se comprometeu, por exemplo, em denunciar os riscos que a candidatura do ex-ministro do governo federal Tarcísio de Freitas (Republicanos) representa para o Estado de São Paulo.

“Nós vamos alertar fortemente a população do Estado para as origens e ligações desse Tarcísio com a família Bolsonaro e com as milícias do Rio de Janeiro. Não podemos deixar que as milícias avancem sobre São Paulo por meio dessa candidatura”, afirmou.

Candido fez questão de frisar que o atual presidente do Brasil seria ligado às milícias do Rio de Janeiro, sendo, portanto um ‘MILICIANO’, enfatizou o ex-prefeito suzanense.

Bolsonaro e Tarcísio poderão se manifestar nas próximas horas a respeito das declarações de Candido.