Maior parque do mundo seria nas margens do Tietê. ‘Sem água’, sem parques, sujo, ignorado e desrespeitado, rio Tietê tem em 2021 um de seus piores dias
Chega dar dó do pobre, seco e sujo rio/ Foto: Divulgação
Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde

Olhem só (entre aspas) o que escreve a Sabesp sobre  um certo rio que corta a nossa região.

“Em 22 de setembro é celebrado o Dia do Rio Tietê, um dos mais  importantes do Estado de São Paulo e que corta todo o interior paulista,  na direção de leste a oeste. O Tietê tem 1.136 quilômetros de extensão a  partir de sua nascente em Salesópolis. Em seu trajeto, banha 62 municípios paulistas, entre eles, Mogi das Cruzes, São Paulo, Barueri, Santana de  Parnaíba, Pirapora de Bom Jesus, Cabreúva, Itu, Salto, Porto Feliz e Tietê até desaguar no rio Paraná, na divisa entre São Paulo e Mato Grosso do Sul. Em comemoração desse rio tão importante para o Estado, a Sabesp vai realizar nesta semana programação especial nas redes sociais, com lives que abordam o Programa Córrego Limpo, com destaque para as obras de despoluição do Córrego Ipiranga, e o Projeto Rio Tietê, que tem como objetivo contribuir para a revitalização progressiva do rio Tietê por meio  da ampliação do sistema de coleta, transporte e tratamento de esgotos.  Além disso, posts vão enfatizar a importância da conscientização e preservação dos rios que cortam a grande metrópole e o Estado de São Paulo”.

Quem lê o informe da Sabesp sobre as comemorações do Dia do Tietê pode até ficar com a impressão de que vai tudo bem com o velho rio, mas não.

Neste ano de 2021 o Tietê está tendo seus piores dias de sua história secular ou milenar que seja.

O fato é que o rio está ‘uma draga só’, a começar pelo fato de que faz muitos anos ele praticamente não tem mais água, uma vez que grande parte da água que começa a correr em seu curso em Salesópolis é retida das represas exploradas pela Sabesp.

Mas esse é apenas um dos problemas do rio que parece ser vítima de alguma ‘maldição’ no Alto Tietê a começar pelo museu em sua nascente que ‘nunca fica pronto’ em Salesópolis.

Em Mogi das Cruzes o rio já começa a ficar poluído e podre, sendo que neste ano o novo prefeito da cidade trocou de nome um projeto importante que levava o nome do Tietê.

E o maior parque do mundo que seria construído nas margens do rio Tietê?

O projeto foi anunciado em 2010 ou 2011 e antes mesmo de chegar em Itaquá foi completamente abandonado pelo governo do Estado que agora ‘trabalha para despoluir o rio Pinheiros’, obviamente por motivos políticos e por privilegiar a Capital em detrimento do Tietê.

Chega dar dó do pobre, seco e sujo rio. Mais dó ainda precisamos sentir de quem dispensa tal tratamento para um rio tão importante quanto o Tietê.