Prefeitura de Guararema

Durante o início desta semana, o governo Bolsonaro obteve uma vitória no congresso nacional, com a vitória de Arthur Lira (PP) na câmara dos deputados e a de, Rodrigo Pacheco (Dem) no Senado, o presidente pôde ganhar alguns dias em paz a frente no governo, haja vista que apoiou ambos na eleições do legislativo e deve receber em troca, votações em projetos e seus pedidos de impeachment arquivados.

Mesmo com a vitória no congresso, o presidente Jair Bolsonaro tem enfrentado uma oposição ferrenha e crítica perante seus últimos atos como presidente, principalmente a postura errônea que tem adotado no combate a pandemia do novo coronavírus.

O Jornal Oi entrevistou duas lideranças regionais do PT aqui na região para realizar uma análise do governo Bolsonaro, são eles, Derli Dourado que foi candidato a prefeito de Suzano na última eleição e Rodrigo Valverde, que também foi candidato a prefeito, só que por Mogi das Cruzes. Ambas lideranças realizaram uma análise crítica sobre o atual executivo federal que governa o país.

Jornal Oi: O governo Bolsonaro tem enfrentado diversas manifestações da esquerda e direita do país. Podemos afirmar que o Brasil está vivendo uma polarização política novamente?

Derli Dourado: Não creio que haja Polarização entre esquerda e direita. O que há é um governo Federal inconsequente, irresponsável e sem compromisso com o bem estar do povo brasileiro. Isso não é pura e simplesmente ser de direita. O que Bolsonaro quer é implantar uma ditadura sob o comando militar. Até a direita briga com ele.

Ex: MbL, Vem Pra Rua e outros movimentos de direita. Ou seja, Bolsonaro é incompetente, irresponsável, e sem compromisso. Isso é pior que ser de direita. Bolsonaro deve sofrer impeachment.

Rodrigo Valverde: Eu não acho que seja uma polarização, pois a direita está protestando contra o governo, o centro está protestando contra, a esquerda, a imprensa e o judiciário também não concordando com os mandos e desmandos desse governo. Não se trata de uma polarização, pois são todos brigando contra esse governo. É uma galera racional descordando desse governo genocida e outra que ainda defende esse governo e acredita que não estão os deixando governar.

Jornal Oi: Na sua opinião, o presidente Bolsonaro deve sofrer um processo de impeachment até o final de seu mandato?

Derli: Ninguém elege um presidente para cassar o seu mandato na primeira dificuldade. Porém, Bolsonaro já passou da conta e se tornou uma pessoa perigosa , inclusive para a vida das pessoas.

Rodrigo Valverde: Ele já cometeu vários fatos e crimes que justificariam o impeachment, só que infelizmente isso não é um processo jurídico e sim político. O Bolsonaro tem vários deputados do centrão, com cargos e etc.

Aqui na região, o PL do Valdemar Costa Neto tem o Banco do Nordeste e isso gera uma governabilidade segura para o presidente Bolsonaro e rejeitar o impeachment. Esse impeachment não se deu muito mais pelas negociatas que o Bolsonaro afirmou que não faria, do que pela democracia.

Jornal Oi: Quais argumentos podem ser utilizados para analisar a postura do presidente da república durante a pandemia?

Derli: Quantas pessoas já morreram por conta de suas decisões comprometedoras, tais como a cloroquina, demora na tomada de decisões pela vacina, não adesão ao distanciamento, etc. Portanto, Bolsonaro deve sim ser afastado do cargo.

Rodrigo Valverde: O Bolsonaro sabe da gravidade da pandemia, só que o discurso dele é que não considera a gravidade para não atrapalhar a economia, o que não é inteligente. O desespero de ter Lockdown, isolamento social, ele muito preocupado com a pressão dos financiadores de sua campanha, ele precisou adotar uma campanha de que não teria que ter feito nada para não prejudicar a economia. O Bolsonaro priorizou os lucros e deu de ombros para as vidas.

Jornal Oi: Atualmente, a esquerda oferece um nome de oposição ao governo Jair Bolsonaro?

Derli: Acredito que mais importante que um nome, é fundamental unidade entre os partidos de esquerda. Mesmo que for para o segundo turno caso não seja possível unidade plena no primeiro. Portanto, nome é o menos importante.

Rodrigo Valverde: Tem vários quadros em nível nacional. Temos o Lula, que foi o melhor presidente da história e está na ativa, e mesmo inelegível, quem ele indicar é um candidato muito forte, o PT ainda é uma quadro forte. Ainda temos Flávio Dino do PCdoB, Marina Silva da Rede, Ciro Gomes do PDT e inclusive, o Guilherme Boulos do PSOL.

Jornal Oi: Na troca de farpas “Doria x Bolsonaro”, há um correto na sua visão? O que pensa sobre a gestão de João Doria e acredita na possibilidade do mesmo se tornar presidente da república?

Derli: A partir do momento que Bolsonaro se posicionou como candidato a reeleição, Dória rompeu com ele se cacifando como também pré-candidato a presidente, ambos com objetivos claros de obtenção de votos da centro direita. Portanto vejo Dória como verdadeiro oportunista, matreiro. Trabalha o tempo todo para enfraquecer Bolsonaro pelo simples fato de querer ocupar o seu lugar como candidato da centro direita. Ambos ocupam o mesmo espaço político.

Rodrigo Valverde: É obvio que o Doria é um oportunista de plantão e deu sorte de pegar um imbecil na presidência da república. Ao fazer contraponto do Bolsonaro, João Doria se torna uma liderança nacional e é muito fácil fazer uma oposição. Os dois estão errados, o Bolsonaro por não se importar com a vida e somente com os lucros dos financiadores de sua campanha e o Doria, por fazer populismo e não analisar a real situação do momento. Quando o João Doria fecha os comércios, ele precisa ver modos de apoiar o comerciante, não somente fechar, ou seja, os dois erraram.

Jornal Oi: Como acreditam que será o posicionamento do PT em 2022?

Derli: Ninguém na esquerda ganha a eleição na esquerda sem o apoio do PT. Tentar ignorar, descartar o PT simplesmente é impossível. O PT tem quatro governadores, o maior número de deputados Federais, apoio da sociedade civil organizada através da cut, mst, central de movimentos populares, etc. No Brasil, algum partido chega ao poder sem o PT? Acho muito difícil, o que não quer dizer que o candidato a presidente tenha que ser necessariamente do PT.

Rodrigo Valverde: Bom, eu acredito que o STF vai anular os processos contra o Lula e ele será candidato. Hoje, várias pessoas que apoiaram a prisão do Lula se arrependeram, as conversas vazadas pelo The Intercept deixaram claro que o juiz era um opositor ao Lula. Não dá, para nenhum jurista do mundo considerar que o Moro era um juiz imparcial.

Se o golpe continuar, pois a prisão do Lula foi um golpe, mesmo quem não goste dele é impossível sustentar o processo contra o ex-presidente, o PT lançara um candidato a presidente, que deve ser Fernando Haddad, que teve 45 milhões, mesmo com diversas dificuldades em 2018 e também, com muitas fake news. Eu acredito em Lula ou Fernando Haddad.

Pessoalmente, eu prefiro que o PT não seja cabeça de chapa, e sim vice de qualquer nome que tenha compromisso com o país, geração de emprego e desenvolvimento social.