Joyce Moreira, coordenadora da Saúde da Família do INTS em Suzano, é uma líder que inspira
Joyce Moreira, coordenadora da ESF do INTS em Suzano, é a Líder que Inspira da semana/ Foto: Divulgação
Tenda Atacado

A Líder que Inspira desta sexta-feira, 21, é a coordenadora da Estratégia Saúde da Família (ESF) do INTS (Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde) em Suzano, Joyce Moreira da Silva, 43 anos.

A profissional destaca em uma entrevista inspiradora a importância da enfermagem e dos profissionais de saúde no combate a Covid-19.

Com detalhes, Joyce revela que inicialmente, no começo da pandemia, o clima era de medo e insegurança, pois os profissionais não possuíam a dimensão do que poderia vir pela frente.

Mas destacou a capacidade de resolutividade que o INTS possuiu em ceder os equipamentos de segurança necessários para proteção dos servidores, além de atendimento psicológico e treinamentos.

Confira a entrevista da coordenadora abaixo e observe os desafios enfrentados pelos profissionais da saúde durante a pandemia da Covid-19.

Jornal Oi – Joyce, nos últimos dias comemorou-se a data especial em homenagem aos enfermeiros. Em um momento, de pandemia, na qual estamos vivendo, como você define a importância desta profissão atualmente?

Joyce: A equipe de enfermagem ela é essencial dentro de um sistema de saúde. Os enfermeiros estão presentes em todas as ações dentro de um estabelecimento de saúde. Eles que prestam assistência desde a porta de entrada até a cura, todos passam pela enfermagem.

A enfermagem tem um papel imprescindível dentro de uma unidade hospitalar. Os enfermeiros são um elo.

Com essa pandemia, muitos deixaram de tirar férias e de folgar para prestar uma assistência de qualidade a todos àqueles que precisavam mesmo com todos os riscos e medo que cada um teve dessa doença.

Quem trabalha na enfermagem trabalha por amor no que faz e principalmente em saber que a presença dos enfermeiros é de extrema importância na vida de um ser humano.

Jornal Oi – Quais têm sido os principais desafios enfrentados por esses profissionais?

Joyce: Os desafios foram o medo da contaminação. Isso logo no início. E lidar com isso é algo desafiador. Outro, que pode ser citado, é o distanciamento com os familiares também, pois existe um medo de contaminar pessoas queridas.

O uso prolongado dos EPI´s também foi um desafio no início. Agora é um pouco menos, mas o EPI chegou a machucar, mas era necessário.

Outro desafio é a motivação, pois para o enfermeiro responsável por uma equipe foi um momento crítico para estar capacitando, treinando o tempo todo para não haver contaminação e motivá-los contra o medo. Isso foi um desafio.

Jornal Oi – Como se manter motivado a salvar vidas em um momento crítico de pandemia?

Joyce: A condição adequada de trabalho nós tivemos em todos os momentos. Os EPI´s necessários para trabalhar, apoio psicológico, uma rede de apoio em relação ao atendimento, ou seja, tivemos condições para trabalhar dentro das unidades para motivar a continuarmos.

Tivemos que adequar os atendimentos, mas afirmo novamente. Tivemos as condições necessárias para trabalhar.

Jornal Oi – Na sua visão, como você acredita que os profissionais da saúde vão se sentir após o fim desta pandemia?

Joyce: Um misto de sentimentos, mas todos que passaram por essa pandemia e chegaram até o final se sentem mais fortalecidos, pois foram dias bem difíceis inclusive para esse pessoal da saúde e da enfermagem que viveram momentos bem difíceis, de stress, medo, angústia e de se sentirem impotentes, pois faziam de tudo e não viam os resultados esperados.

Acredito que todos vão sair fortalecidos e com um olhar diferenciado sobre saúde, com um apoio psicológico.

Outro sentimento será agradecer por estar vivo e se sentir fortalecido por conseguir passar por tudo isso.

Jornal Oi – Como tem sido a atuação do INTS e de seus profissionais nesse momento de pandemia?

Joyce: A INTS tem oferecido todo suporte para os profissionais da saúde e na realidade não tivemos muitas baixas por contaminação, graças a Deus.

Então conseguimos trabalhar com maior tranquilidade até pelo fato de ser em Unidades de Estratégia da Família.

Não tivemos falta de EPI´s e isso nos passou a sensação de segurança para exercer nossa profissão.

Tivemos suporte para os atendimentos, além dos diversos treinamentos e do apoio psicológico e isso também foi de extrema importância.

Jornal Oi – Qual mensagem você gostaria de destacar e repassar aos profissionais de saúde neste momento?

Joyce: Estamos vivendo momentos difíceis, mas agente consegue enfrentar isso juntos e eu creio que o INTS é uma família e estamos enfrentando essa pandemia com união e fazendo tudo que é preciso e necessário para atender com qualidade e dignidade.

Sempre visando também o colaborador, cuidando dele desde a questão de proteção com EPI´s, até a questão psicológica, pois o INTS sempre olhou para isso e quis cuidar de seus colaboradores.

A mensagem é: tem que estar bem para prestar um serviço de qualidade. Somos mais fortes se estamos juntos.