Jornal Oi mergulha no emprego e no desemprego da região e revela o mercado de trabalho precário em Ferraz
O levantamento mostra que nos primeiros cinco meses deste ano o saldo positivo entre as contratações e demissões foi de apenas 485 postos de trabalho em Ferraz/ Foto: Divulgação
Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde

A partir desta semana o Jornal Oi começa a monitorar com lupa a geração de empregos nas cidades do Alto Tietê.

A primeira cidade pesquisada e analisada pelo Jornal Oi, a partir dos dados do Caged, é Ferraz de Vasconcelos.

A cidade tem cerca de 200 mil habitantes e um grande número de pessoas desempregadas ou subempregadas.

O levantamento, realizado pelo repórter Gabriel Souza, mostra que nos primeiros cinco meses deste ano o saldo positivo entre as contratações e demissões foi de apenas 485 postos de trabalho.

Diante da realidade do mercado de trabalho em Ferraz e dos números revelados com exclusividade nesta reportagem, o Jornal Oi questionou o governo da prefeita Priscila Gambale (PSD) e do vice-prefeito e ex-presidente da Associação Comercial e Industrial de Ferraz, Daniel Balke, sobre os projetos e ações que foram ou serão colocadas em prática com a finalidade de acelerar a abertura de vagas de trabalho na cidade.

A ausência de resposta do governo de Ferraz revela que a falta de estratégias da prefeitura é um problema ainda maior que o número reduzido de vagas de trabalho abertas na cidade.

A Associação Comercial e Industrial de Ferraz, que respondeu aos questionamentos do Jornal Oi para a elaboração desta reportagem especial, chamou a atenção para os efeitos negativos da pandemia na geração de postos de trabalho e manifestou otimismo em uma melhoria na abertura de vagas de emprego na cidade.

No caso de Ferraz os dados coletados representam dois diferentes períodos de tempo.

O primeiro período informa sobre a geração de empregos no segundo semestre do ano passado, quando Zé Biruta governava a cidade.

Já o segundo período é o primeiro semestre deste ano, com informações até o mês de maio, no início da gestão Priscila Gambale.

Confira na imagem abaixo os dados da geração de emprego do primeiro período avaliado pela reportagem (Jul/2020 até Dez/2020).

Conforme os dados da tabela acima, durante o segundo semestre de 2020, na gestão do ex-prefeito Zé Biruta, ocorreram mais de três mil admissões no município em um momento de pandemia.

Um dado relevante e expressivo. No mesmo período, Ferraz de Vasconcelos registrou 2,5 mil demissões.

Fato é que segundo os dados levantados pela reportagem, os mesmos demonstram que o segundo semestre de 2020 foi positivo para Ferraz, haja vista que o saldo de admissão foi maior que o número registrado de demissões.

Dezembro foi o único mês que registrou um saldo negativo com 600 demissões e somente 367 admissões.

Em outubro foi o período em que Ferraz de Vasconcelos gerou o maior número de contratações.

Confira na imagem abaixo os dados da geração de empregos do primeiro segundo período avaliado pela reportagem (Jan/2021 até Maio/2021).

No seguinte período demonstrado acima, Ferraz de Vasconcelos registrou cerca de três mil admissões.

Aproximadamente o mesmo número registrado no segundo semestre de 2020, em um período de tempo menor, haja vista que os dados não correspondem a um semestre completo.

O número de demissões na obtenção dos dados gerais também é praticamente o mesmo registrado no segundo semestre de 2020, cerca de duas mil e quinhentas demissões registradas neste ano.

O saldo é positivo, pois o número de admissões no período é maior que o de demissões.

Janeiro é o mês que gerou o maior número de admissões. Pelo contrário de fevereiro, mês que gerou o maior número de demissões neste ano.

Todos os meses de 2021 registram saldo positivo quando o número de admissões é maior que o número de demissões.

Jornal Oi consultou a Associação Comercial de Ferraz 

Para levantamento neste especial, a reportagem do Jornal Oi questionou a Associação Comercial de Ferraz de Vasconcelos para saber a análise da organização sobre o quesito Geração de Emprego.

Acompanhe abaixo os questionamentos enviados pela reportagem e as respostas emitidas pela Associação Comercial.

Jornal Oi – Qual é a avaliação que a Associação Comercial faz dos números de empregos e desemprego no primeiro semestre de 2021 em Ferraz?

Associação Comercial: O primeiro trimestre foi muito instável para todos nós. Com alta nos casos de internação por Covid-19 e restrições para a abertura do comércio esse cenário deixou muitas empresas com receio de contratar e não poder manter os seus negócios funcionando.

Já no segundo trimestre, com o avanço na vacina e a flexibilização do Plano São Paulo, podemos notar que houve um leve crescimento no número de vagas de empregos.

Jornal Oi – O que é fundamental a ser feito pelo poder público, comércio e iniciativa privada em geral para que Ferraz acelere a geração de empregos nos próximos anos?

Associação Comercial: É fundamental que a comunicação entre as partes acorram com mais efetividade.

O poder público tem o poder de propiciar um ambiente de negócios mais atraente ao empresário para negociar a vinda de novas empresas para a cidade.

Já os empresários precisam apontar a demanda de mão de obra e qualificação técnica necessária para a inclusão de novos profissionais.

Sem o incentivo às compras no comércio, o público-alvo migra para outros municípios, por isso a chave é a comunicação e o planejamento de ações conjuntas.

Jornal Oi – O que a Associação Comercial está fazendo e pretende fazer neste segundo semestre para acelerar a geração de empregos no comércio e em outros setores da economia da cidade?

Associação Comercial: A Associação desenvolve um papel importantíssimo que muitas vezes fica nos bastidores do dia a dia, provendo a integração entre o comércio, a indústria e o serviço.

Atualmente, mantemos programas de qualificação técnica, através de cursos e parcerias com o Sebrae.

Além disso, colocamos no mercado de trabalho muitos profissionais através do programa de estágio, por exemplo.

Hoje, são mais de 100 estagiários trabalhando na cidade. Mas não para por aí, pois estamos iniciando o Programa Jovem Aprendiz e, para os próximos meses, teremos a Faculdade do Comércio – uma instituição de ensino sediada dentro da Associação Comercial de Ferraz de Vasconcelos.

A prefeitura de Ferraz de Vasconcelos foi questionada, entretanto, até o fechamento desta reportagem não houve respostas aos questionamentos.

Confira abaixo as perguntas enviadas na última semana:

Jornal Oi – Quais são os números de Ferraz referentes à geração de empregos formais e não formais nos primeiros cinco meses deste ano?

Jornal Oi – Qual é a avaliação do novo governo para a abertura de postos de trabalho na cidade no primeiro semestre?

Jornal Oi – Atualmente, qual é o número da população econômica ativa na cidade?

Jornal Oi – Qual é o número de pessoas desempregadas em Ferraz hoje?

Jornal Oi – Quais ações estão sendo colocadas em prática para a ampliação da abertura de vagas de trabalho na cidade?

Jornal Oi – Quais são as áreas da economia que a cidade tem, na avaliação do novo governo, com o maior potencial de crescimento e geração de empregos nos próximos quatro anos?

Jornal Oi – Quais são as vocações da cidade para a geração de empregos em Ferraz?

Jornal Oi – Qual é a meta do novo governo de Ferraz para a abertura de vagas de empregos, seja na iniciativa privada ou no Poder Público até 2024?