Instituto Butantan não responde aos questionamentos do Jornal Oi e Alto Tietê segue sem receber nenhuma vacina da Covid
Na segunda-feira, 18, o Jornal Oi acionou o Instituto Butantan (comandado pelo médico Dimas Covas) sobre o assunto, mas a direção não se manifestou até o fechamento dessa reportagem/ Foto: Divulgação
Tenda Atacado

As cidades do Alto Tietê seguem na expectativa de receber as primeiras doses da vacina contra a Covid-19 para a imunização dos chamados grupos prioritários e o Jornal Oi segue cobrando do governo do Estado e do Instituto Butantan informações sobre o envio das primeiras doses para a região.

No caso do Instituto Butantan, os questionamentos do Jornal Oi são referentes a uma carta assinada por todos os prefeitos do Alto Tietê com a intenção de compra de 300 mil doses da vacina.

Caso a compra se concretize, as doses serão usadas pelas prefeituras da região para imunizar servidores da educação e agentes de segurança.

Na segunda-feira, 18, o Jornal Oi acionou o Instituto Butantan  (comandado pelo médico Dimas Covas) sobre o assunto, mas a direção não se manifestou até o fechamento dessa reportagem.

Confira mais abaixo as perguntas feitas pelo Jornal Oi ao Instituto e que foram novamente enviadas para a direção e a assessoria do Butantan nesta manhã.

O Jornal Oi também questionou a Secretaria Estadual de Saúde (nesta terça-feira) sobre a previsão de envio das vacinas para Mogi, Suzano e outras cidades da região. Assim que a pasta se manifestar a informação será destacada.

Confira também nesta reportagem a postura reativa do Condemat e saiba quais cidades/hospitais no Estado já receberam doses da vacina.

As perguntas do Jornal Oi ao Instituto Butantan

Jornal Oi – Na primeira semana de 2021 o Condemat (consórcio que representa 12 cidades do Alto Tietê) elaborou uma carta de intenção de compra de 300 mil doses da vacina contra a Covid que está sendo produzida pelo Butantan.

Jornal Oi – A direção do Butantan já recebeu esse pedido de compra de vacinas feito pela direção do Condemat?

Jornal Oi – Qual foi a resposta do Butantan ao Condemat em relação a esse pedido?

Jornal Oi – Juridicamente é possível ser feita a venda pelo Butantan ao Condemat?

Jornal Oi – Caso seja possível, em quanto tempo as vacinas poderão chegar para o Condemat?

Condemat e municípios decidiram esperar por vacinas e insumos 

No final da tarde da segunda-feira, 18, a direção do Condemat informou que as cidades que integram o consórcio aguardam o envio das doses de vacina e insumos para iniciar a imunização dos grupos prioritários contra o coronavírus.

Apesar do Estado de São Paulo ter antecipado para domingo, 17, a campanha em alguns hospitais, ainda não foi divulgada a data oficial de quando os municípios terão o material necessário para começar a vacinação.

A expectativa é de que as doses da vacina cheguem nesta semana e os municípios já estão preparados para dar início à campanha.

Na primeira etapa, porém, deverão ser priorizados os profissionais de saúde e idosos que vivem em asilos, conforme previsto no Plano Nacional de Imunização.

Por isso, a direção do Condemat faz um apelo para que a população do Alto Tietê aguarde a divulgação oficial de cada cidade sobre a chegada dos imunizantes, bem como os públicos prioritários, locais e horários de vacinação.

“Recomendamos para a população que aguarde a divulgação oficial e não procure as unidades de saúde neste momento em que precisamos reforçar o distanciamento social, o uso de máscaras, bem como a higienização constante das mãos”, ressalta Adriana Martins, coordenadora da Câmara Técnica de Saúde do Condemat.

Saiba as cidades e hospitais onde a vacinação já começou 

A Secretaria Estadual de Saúde iniciou na segunda-feira, 18, a distribuição das vacinas e insumos para imunização contra a Covid-19 nos cinco hospitais-escola do interior: os Hospitais das Clínicas de Campinas, Botucatu, Ribeirão Preto, Marília e o Hospital de Base de São José do Rio Preto.

No total, cerca de 60 mil profissionais que atuam nesses hospitais serão imunizados contra a Covid-19 com a vacina do Butantan.

Às 8 horas da manhã (de segunda-feira), dois caminhões saíram do Centro de Distribuição e Logística (CDL) da capital: um com 4,4 mil doses em direção ao HC de Botucatu (Unesp), que inicia a imunização às 15 horas; e outro com 4 mil vacinas rumo ao HC da Unicamp, que começa a vacinar seus trabalhadores de saúde às 16h.

No período da tarde, outros três caminhões saem em direção aos HCs de Ribeirão Preto (USP) e Marília (Famema), bem como ao HB de Rio Preto (Funfarme).

Além disso, desde as 7 horas, já estão sendo aplicadas trabalhadores do Complexo do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, da capital.