Instituto Butantan diz que as cidades do Condemat e nenhum outro município poderão comprar vacinas da Covid
A assessoria do Butantan explicou que nos primeiros dias de 2021 centenas de cidades do Estado de SP e do Brasil manifestaram a intenção de comprar, diretamente do instituto, doses da vacina da Covid/ Foto: Divulgação
Tenda Atacado

Na manhã desta terça-feira, 19, o Instituto Butantan, por meio de sua assessoria de imprensa, informou ao Jornal Oi que não existe mais nenhuma possibilidade de as cidades/prefeituras do Condemat comprarem doses da vacina contra o Covid-19.

E acrescentou que em razão do Ministério da Saúde ter requisitado todas as doses que o governo do Estado e o Butantan adquiriram/produziram, nenhum município do Brasil conseguirá comprar a vacina.

Os esclarecimentos do Butantan, por meio de sua assessoria, ocorreram por meio de um contato telefônico depois de o jornal ter encaminhado pela segunda vez ao instituto um pedido de informações sobre uma carta de intenções de compra de 300 mil doses da vacina que o Condemat teria enviado na primeira semana deste ano.

A decisão de manifestar a intenção de comprar essas 300 mil doses (para vacinar educadores e agentes de segurança na região do Alto Tietê) foi revelada no dia 5 pela nova diretoria do Condemat, que naquele dia passou a ser presidida pelo prefeito de Suzano,  Rodrigo Ashiuchi(PL).

Nesta terça-feira, 19, a assessoria do Butantan explicou que nos primeiros dias de 2021 centenas de cidades do Estado de SP e do Brasil manifestaram a intenção de comprar, diretamente do instituto, doses da vacina da Covid.

E o Butantan tinha o interesse em negociar e vender as vacinas para todos esses municípios incluindo os que fazem parte do Condemat.

“Essa manifestação de interesse dos municípios não era vinculante (isso quer dizer que o Butantan não se colocou na obrigação de vender o produto por ter aceito os pedidos de informações das prefeituras sobre como adquirir as doses) e a partir do momento em que o Ministério da Saúde requisitou as vacinas, elas foram enviadas ao Ministério que agora está enviando para os Estados e municípios”, detalhou a assessoria.

O Butantan acrescentou não ter ainda a informação se as cidades/prefeituras e consórcios que manifestaram interesse de comprar a vacina (mesmo antes da requisição das doses pelo governo) serão administrativamente informados de que as compras não serão mais possíveis.

Dessa forma as cidades do Alto Tietê seguem na dependência do envio da vacina pela Secretaria Estadual de Saúde para o início da campanha de imunização com os grupos de risco.

Até o fechamento desta reportagem a Secretaria Estadual não respondeu as perguntas enviadas pelo Jornal Oi sobre a data em que as vacinas chegarão a Suzano, Mogi e demais cidades do Alto Tietê.