Governo de Arujá se manifesta sobre desempenho desastroso na geração de empregos e diz que “faz tudo que está no alcance”
Os esclarecimentos foram feitos pela secretária de Desenvolvimento Econômico, Vanessa Bachur Garofani/ Foto: Divulgação
Tenda Atacado

O governo de Arujá respondeu nesta sexta-feira, 31, os questionamentos do Jornal Oi sobre o desempenho pífio da cidade na geração de empregos no primeiro semestre.

De acordo com dados do Caged, a cidade de Arujá tem o pior desempenho na geração de empregos na região com um saldo negativo de 309 demissões em junho e 1.088 no acumulado de janeiro a junho desse ano.

Os esclarecimentos foram feitos pela secretária de Desenvolvimento Econômico, Vanessa Bachur Garofani.

Jornal Oi – Por que, na avaliação do governo da cidade, o desempenho de Arujá na geração de empregos foi mais negativo que o registrado nas outras cidades da região no 1º semestre?

Governo de Arujá: A questão é mais complexa do que parece, pois os elementos e conjunturas de hoje são de um cenário inesperado, no qual não se trata de uma crise econômica e sim de algo novo para todo o mundo.

As avaliações apresentadas por quaisquer órgãos não podem ser tomadas como um todo, mas sim, considerando item a item de forma individualizada e respeitando o cenário atual, uma vez que todos os dados devem acompanhar o momento ‘mutante’ que vivemos.

Temos que levar em consideração todas baixas que estamos sofrendo do empresariado e dos fornecedores de mão de obra que crescem em outros setores.

Isto é, enquanto temos baixa de um lado, temos de outro uma crescente de aumentos ao exemplo de Microempresa, registrados perante os órgãos públicos.

No mais, temos entendimento que existem comparações que são desleais, pois ao exemplo disso, é “comparar o que é incomparável”, ou seja, colocar na mesma balança os índices de cidades maiores que cercam a região, tal como Mogi das Cruzes ou Itaquaquecetuba com Arujá, que são mais loteadas por empresas com dimensões maiores e, que com clareza afetam diretamente tais índices.

Em relação aos apontamentos sobre o CAJED, o PAT (Posto de Atendimento ao Trabalhador) está fechado por determinação do Governo do Estado, sendo que não houve envio de dados esse semestre.

Em 2019 tivemos um saldo positivo de 509 vagas, bem como nos últimos 18 anos, Arujá só foi negativo em 2008, 2015, 2016. Fonte (CAJED).

Jornal Oi – O que o governo da cidade pode e vai fazer neste segundo semestre para que o saldo mensal seja positivo até dezembro?

Governo de Arujá: A Secretaria de Desenvolvimento Econômico enxerga o cenário futuro com otimismo, vez que em todo período pós-crise temos um efetivo crescimento.

A Prefeitura de Arujá, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, está trabalhando com o Governo do Estado para captação de vagas para região.

A Pasta acaba de inscrever o município no INVEST-SP como uma cidade para possíveis investimentos.

A expectativa gira em torno de R$ 17 bilhões em capital que o Governo de São Paulo está buscando na China e os Emirados Árabes para criação de fábricas e centro de logísticos, favorecidos por estarmos perto do rodoanel.

Jornal Oi – O que o próximo governo terá de fazer a partir de janeiro para que o saldo de contratações seja positivo no primeiro semestre de 2021, levando-se em conta os efeitos da pandemia e da crise econômica?

Governo de Arujá: Como dito, cremos que a vontade de melhora não é só de Arujá, mas de todos, é uma vontade da nação.

Neste sentido, estamos acompanhando de perto os trabalhos do Governo do Estado e, como dito, tudo que encontra-se ao alcance do município para vinda de empresas, investimentos, fábricas, empresários e, fomentar o cenário local, está sendo feito.

Estamos trabalhando na regulamentação da legislação dos ambulantes assim como na regulamentação da criação do espaço Multiempresarial o que vai permitir a instalação de escritórios e regulamentar os escritórios virtuais, coworking e bussines center, todas as atividades que direta e indiretamente movimentam o município.