Sete cidades da região (62 em todo Estado) serão alertadas nesta terça, pelo governador, sobre aumento em indicadores de Covid
Adoção de novas medidas restritivas ocorre após aumento no número de casos e de internações por Covid-19; governador João Doria também pediu que o governo federal e o Ministério da Saúde apresentem detalhes sobre o plano nacional de imunização/ Foto: Governo do Estado de SP
Tenda Atacado

O governador João Doria confirmou uma videoconferência nesta terça-feira, dia 1º, com prefeitos de 62 cidades que apresentaram maiores taxas de aumento de internação e ocupação de leitos por pacientes contaminados pelo coronavírus.

Autoridades estaduais e municipais vão discutir medidas adicionais e conjuntas de controle da pandemia.

“Faremos essa reunião com os 62 prefeitos com o objetivo de melhorar o controle da pandemia nesses municípios e oferecer a eles, se necessário, apoio para que possam proceder com as orientações do Governo de São Paulo”, afirmou Doria.

Os municípios destacados possuem mais de 70 mil habitantes e apresentam, segundo última atualização realizada em 28 de novembro, ocupação média de leitos acima de 75% ou aumento de internações em mais de 10%, na comparação dos últimos sete dias com o mesmo período anterior.

As cidades em alerta para reforço no controle da pandemia são na região do Alto Tietê são: Arujá; Ferraz de Vasconcelos; Guarulhos; Itaquaquecetuba; Mogi das Cruzes; Poá e Suzano.

No meio da tarde desta segunda-feira, 30, a reportagem do Jornal Oi questionou a direção do Condemat e os governos de Suzano e de Mogi das Cruzes  sobre o que a região e as duas maiores cidades do Alto Tietê vão pedir/cobrar do Estado na reunião virtual para conter a 2ª onda da Covid-19.

As manifestações dos prefeitos e da direção do Condemat serão destacadas nas próximas horas aqui no Jornal Oi.

Volta para a fase amarela do Plano SP  

O governo do Estado determinou nesta segunda-feira, 30 o reforço em ações de enfrentamento da pandemia em São Paulo.

Para reduzir o contágio e evitar pressão sobre o sistema de saúde, todas as regiões do estado retornam à fase amarela do Plano São Paulo de controle sanitário e flexibilização econômica até o dia 4 de janeiro.

Com o regresso geral para a terceira das cinco fases do Plano SP, atividades como bares, restaurantes, academias, salões de beleza, shoppings, escritórios, concessionárias e comércios de rua voltam a ter limitações de horário e capacidade de público.

O atendimento presencial em todos os setores fica restrito a dez horas diárias, sequenciais ou fracionadas, e 40% de capacidade.

Os estabelecimentos terão que fechar o atendimento local até as 22h. Todos os eventos com público em pé estão proibidos na fase amarela.

Outra medida de prudência decidida pelo Estado é a redução do prazo de análise dos dados da pandemia e capacidade de atendimento hospitalar por região.

A medição de médias móveis de casos, mortes e taxas de internação de pacientes com Covid-19 passa a ser considerada em intervalos de sete dias, e não mais a cada quatro semanas.