Haja emoção! Lideranças abrem o coração e respondem ao Oi se são ou não bons pais. Falam também das alegrias e preocupações da paternidade
Neste domingo, 9, comemora-se o Dia dos Pais e as lideranças convidadas pelo Oi não economizaram sentimentos e emoção em suas respostas/ Foto: Divulgação
Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde

Você se considera um bom pai? Por quê? A partir dessa pergunta tão simples quanto complexa a reportagem do Jornal Oi conversou com lideranças políticas da região do Alto Tietê sobre a importância e o significado de ser pai.

Neste domingo, 9, comemora-se o Dia dos Pais e as lideranças convidadas pelo Oi não economizaram sentimentos e emoção em suas respostas.

Com essa reportagem especial, pois lideranças (sejam elas políticas ou de outras áreas) sempre são referências. O Jornal Oi homenageia pais, filhos e avôs.

Ao produzir essa reportagem este jornalista (Bras Santos) também homenageia o seu saudoso pai, o senhor Brasilino José de Oliveira, que faleceu aos 77 anos em 2006. Pais de verdade sejam felizes todos os dias.

Marcus Melo, prefeito de Mogi, fala dos filhos e se declara: “Meu pai é meu melhor amigo e sem medo do clichê, é o meu herói!” 

O pai dos jovens, Guilherme Ciocchi de Almeida e Melo, 25 anos, Fernando Henrique Ciocchi de Almeida e Melo, 21 anos, e filho do senhor Silvino Melo, 74 anos, abriu o seu coração na conversa com a reportagem do Jornal Oi sobre o que pensa e sente a respeito do Dia dos Pais.

Marcus Melo, atual prefeito de Mogi das Cruzes, é o pai de Guilherme e de Henrique e é o filho do Silvino.

“Eu me considero sim um bom pai. Porque quando se trata de criar bem os filhos, não basta educar, cuidar, orientar, proteger e zelar pela segurança e bem-estar. É preciso ensinar o tempo todo a agir com correção, sob valores éticos e morais”, argumenta Marcus Melo antes de destacar a verdadeira paixão que sente pelo pai.

Jornal Oi – O senhor se considera um bom pai? Por quê?

Marcus Melo: Eu me considero sim um bom pai. Porque quando se trata de criar bem os filhos, não basta educar, cuidar, orientar, proteger e zelar pela segurança e bem-estar.

É preciso ensinar o tempo todo a agir com correção, sob valores éticos e morais. Também é necessário inspirar para o trabalho com amor, a solidariedade, a empatia e todas as qualidades que fazem do ser humano um cidadão íntegro.

Jornal Oi – No dia a dia o que mais lhe traz alegria e o que mais lhe preocupa na missão de criar e educar os filhos?

Marcus Melo: Acho importante destacar que ser pai não é apenas criar e educar os filhos. É também aprender com eles a cada dia. Eles nos ensinam, desde crianças, o que é o amor incondicional.

Hoje, eles são adultos, bem encaminhados, e também nos chamam a atenção, nos orientam, nos motivam quando acham que é necessário.

E o que mais traz alegria e felicidade é o fato de eles existirem! É dar e receber todo amor e aconchego. Só quem tem filhos entende e sente isso!

Acho que a preocupação é maior com fatores externos ao ambiente familiar. Preocupa o caminho que estão trilhando na busca de realização pessoal e profissional; as reações frente às mazelas sociais; o comportamento com os outros; a conduta geral.

Não dá para eleger uma preocupação única, que possa ser caracterizada como maior. Tudo que envolve aqueles a quem se ama afeta a gente. São as alegrias e dores de amar.

Jornal Oi – Como espera que seus filhos assimilem/entendam o trabalho que o senhor desenvolve como prefeito da maior cidade da região do Alto Tietê?

Marcus Melo: Espero que eles entendam e se inspirem naquilo que tenho feito como ser humano.

Estou prefeito, mas minhas ações como gestor público são um braço do conjunto de condutas que me definem como ser humano.

Em resumo, espero que se espelhem no meu trabalho e na minha dedicação pela melhora na qualidade de vida da população, assim como sempre agi em relação a todos que me rodeiam.

Seja como empresário, seja como prefeito, espero que me vejam como cidadão íntegro, batalhador e cheio de fé em dias sempre melhores.

Jornal Oi – Qual é a maior lição que o seu pai ensinou que o senhor carrega pela vida?

Marcus Melo: Meu pai é meu melhor amigo e sem medo do clichê, é o meu herói! Me deu lições valiosas de moral, caráter e honestidade.

Para dizer o mínimo, com ele, aprendi a nunca desistir frente às dificuldades, independente do seu tamanho.

Sempre falar a verdade. Encarar os desafios com coragem e planejamento. E que sempre devemos agradecer pelas graças alcançadas.

Deputado Estevam destaca a felicidade de poder conviver intensamente com as filhas e netos: “É o que vou fazer neste Dia dos Pais” 

O ex-prefeito de Suzano, deputado estadual, pai e avô, Estevam Galvão de Oliveira, afirmou ao Jornal Oi que apesar do tempo que a carreira política lhe tomou ao longo dos últimos 50 anos, sempre conseguiu de estar próximo das filhas Dani, 44, e Carol, 36, respectivamente.

“Com a carreira política e os compromissos constantes que o cargo trazia, nem sempre eu podia estar presente, mas sempre fiz questão dos momentos que passamos juntos terem muita qualidade. Sempre aproveitei demais cada oportunidade que tive de estar juntos das minhas filhas. Dos meus netos então, nem se fala”, argumenta Estevam que não faria nada de diferente na educação e criação das filhas caso tivesse a oportunidade de voltar no tempo.

José Galvão de Oliveira, pai de Estevam, faleceu aos 80 anos em 1981.

Jornal Oi – O senhor se considera um bom pai e avô? Por quê?

Estevam Galvão: Me considero. Com a carreira política e os compromissos constantes que o cargo trazia, nem sempre eu podia estar presente, mas sempre fiz questão dos momentos que passamos juntos terem muita qualidade.

Sempre aproveitei demais cada oportunidade que tive de estar juntos das minhas filhas. Dos meus netos então, nem se fala.

Jornal Oi – No dia a dia o que mais lhe traz alegria e o que mais lhe preocupa na missão de criar e educar os filhos?

Estevam Galvão: Minha grande alegria é sempre poder estar reunido com as minhas filhas e netos, como agora, no Dia dos Pais. Minha maior preocupação sempre foi com a saúde e a formação profissional, com o estudo, de cada um deles.

Jornal Oi – Se pudesse voltar no tempo o que faria de diferente/melhor na criação/educação dos filhos?

Estevam Galvão: Não faria nada diferente, faria tudo exatamente igual.

Jornal Oi – Quais foram os principais ensinamentos que o senhor recebeu do seu pai e que carrega pela vida?

Estevam Galvão: Dignidade, honestidade e gratidão.

“Tenho certeza que meus filhos têm orgulho do meu trabalho político, pois sempre me apoiaram”, revela Sadao Sakai 

Na conversa com a reportagem do Jornal Oi, o vereador e presidente da Câmara de Mogi das Cruzes, Rinaldo Sadao Sakai, avalia ser um bom pai para os filhos Vinícius Sadao Sakai, 23, e Willian Takashi Sakai, 20.

“Participo ativamente da formação dos meus filhos, principalmente para que cresçam com ética, disciplina e respeito pelas pessoas”, argumenta Sadao que também fala da importância dos ensinos do pai, Tadao Sakai, que faleceu em 1983, quando tinha apenas 42 anos.

“Os maiores ensinamentos que recebi do meu pai foram: disciplina, respeito, hierarquia e estudo. Tudo que tenho é fruto da educação que recebi”, afirma Sadao referindo-se ao saudoso pai.

Jornal Oi – O senhor se considera um bom pai? Por quê?

Sadao Sakai: Eu me considero um bom pai porque participo ativamente da formação dos meus filhos, principalmente para que cresçam com ética, disciplina e respeito pelas pessoas.

Jornal Oi – No dia a dia o que mais lhe traz alegria e o que mais lhe preocupa na missão de criar e educar os filhos?

Sadao Sakai: O que me deixa alegre é ver que eles estão conquistando o espaço deles. A maior preocupação é com o futuro deles, que não se envolvam em problemas, mas sabendo da conduta deles fico mais tranquilo.

Jornal Oi – O senhor espera qual reconhecimento dos seus filhos por dedicar grande parte do seu tempo à vida política, a serviço do povo de Mogi?

Sadao Sakai: Tenho certeza que eles têm orgulho do meu trabalho político, pois sempre me apoiaram.

Jornal Oi – Quais foram os principais ensinamentos que o senhor recebeu do seu pai e que carrega pela vida?

Sadao Sakai: Os maiores ensinamentos que recebi do meu pai foram: disciplina, respeito, hierarquia e estudo. Tudo que tenho é fruto da educação que recebi.

Juliano Abe revela ao Oi: “Infelizmente ainda não criaram o curso de pai. Aprendo com meus filhos todos os dias” 

O advogado especialista em Direito Ambiental e vice-prefeito de Mogi das Cruzes, Juliano Abe, destaca os ensinamentos recebidos do seu pai, o ex-deputado e ex-vereador Junji Abe que completará completa 80 anos em 15 de dezembro deste ano.

Na conversa com o Jornal Oi, Juliano Abe também destaca os esforços que faz para ser um pai cada vez melhor para Matheus, 21, (enteado, filho da esposa Renata, que considera filho), Bebel, 20, Enzo, 20 (é sobrinho, filho da sua irmã, Daniela, mas considero filho), Gael, 8 e Anna, 4.

Jornal Oi – O senhor se considera um bom pai? Por quê?

Juliano Abe: Eu me considero um pai em constante evolução e aprendizado. Jamais conseguirei ser o pai ideal, embora me esforce pra isso.

Estudei tanto durante toda a minha vida para que me preparasse adequadamente para os meus desafios profissionais, mas infelizmente ainda não criaram o curso de pai.

Aprendo com meus filhos todos os dias. Com a diferença grande de idade entre eles, de personalidade, de objetivos.

Jornal Oi – No dia a dia o que mais lhe traz alegria e o que mais lhe preocupa na missão de criar e educar os filhos?

Juliano Abe: O simples sorriso. Quando nos tornamos pais, passamos a valorizar pequenas vitórias.

As primeiras palavras, o primeiro caminhar, a primeira pedalada, o primeiro namoro, ou quando passam a morar fora sozinhos, o primeiro emprego.

E a minha maior preocupação é a educação. Não apenas a formal, mas a educação ética e moral. A formação de um cidadão justo, honesto e participativo.

Jornal Oi – Quais foram os principais ensinamentos que o senhor Junji Abe lhe passou para a vida, para o exercício da paternidade e para a atividade política?

Juliano Abe: Amor. Fazer tudo com amor. Não importa a atividade. Se dedique a ela como se fosse à coisa mais importante da sua vida. Comprometimento. Comece e termine as coisas. Humildade. Tem sempre alguém ao seu lado que pode lhe ensinar. Saiba ouvir e dar atenção às pessoas.

“Amo ser pai”, afirma o secretário Comunicação do governo de Suzano, Marcelo Prado ao Jornal Oi    

Marcelo Prado de Almeida Júnior, 37 anos, Mayra Pereira de Almeida Pradenas, 33 anos, e Marcos Luan Prado de Almeida, 29 anos, são os filhos do secretário de Comunicação Pública da Prefeitura de Suzano,  Marcelo Prado, que conversou com a reportagem do Jornal Oi sobre os seus sentimentos em relação ao Dia dos Pais.

Avô do pequeno Matheus Antônio, Prado também falou sobre a importância do seu pai, o senhor Roberto Pinto de Almeida: “Falecido em 2017, infelizmente, meu pai me ensinou a andar de cabeça erguida em qualquer lugar do mundo, ou seja, tentar fazer sempre o mais correto possível”.

Jornal Oi – O senhor se considera um bom pai? Por quê?

Marcelo Prado: Quando lhe é dada uma missão de orientar, educar dar caminhos para um filho, pode se considerar que já ganhou um prêmio, e o tornar mais responsável no decorrer do crescimento contínuo e compartilhado da vida, amo ser pai.

Jornal Oi – No dia a dia o que mais lhe traz alegria e o que mais lhe preocupa na missão de criar e educar os filhos?

Marcelo Prado: Conseguir mostrar a cada um a percepção do seu caráter. A maior alegria de um pai e ver o sorriso estampado no rosto com suas conquistas. A maior preocupação, algo que não tive em minha casa, é perdê-los para o vício.

Jornal Oi – Se pudesse voltar no tempo o que faria de diferente/melhor na criação/educação dos filhos?

Marcelo Prado: Acho que teria sido um pouco mais bonzinho, apesar de não ter sequelas.

Jornal Oi – Quais foram os principais ensinamentos que o senhor recebeu do seu pai e que carrega pela vida?

Marcelo Prado: Poder andar de cabeça erguida em qualquer lugar do mundo, ou seja, tentar fazer sempre o mais correto possível. Se errou, conserte.

Deputado Lucena destaca a alegria de ver os filhos com saúde e revela o que faria de diferente se pudesse voltar no tempo

O pastor e deputado federal pela região do Alto Tietê, Roberto de Lucena (Podemos), também conversou com a reportagem do Jornal Oi sobre o Dia dos Pais.

Ele que é pai da Melissa de 33 anos e do Renan de 30 anos e também já é avô revela o que faria de diferente caso tivesse a oportunidade de voltar no tempo em relação à criação dos filhos.

O deputado também homenageia o pai Antônio Vieira de Lucena que faleceu aos 73 anos em outubro de 2010, destacando os ensinamentos que o senhor Antônio de Lucena lhe deu para a vida.

Jornal Oi – O senhor se considera um bom pai e avô? Por quê?

Roberto de Lucena: Me considero um bom pai e um bom avô e exerço o papel de abençoador e facilitador na vida dos meus dois filhos e dos meus três netos.

Jornal Oi – No dia a dia o que mais lhe traz alegria e o que mais lhe preocupa na missão de criar e educar os filhos?

Deputado Lucena: A alegria de vê-los bem, em paz e com saúde. A preocupação com o mundo que os meus netos viverão.

Jornal Oi – Como espera ser reconhecido/avaliado por seus filhos e netos pelo fato de ser uma liderança política e trabalhar pela população desta região?

Deputado Lucena: Como alguém que fez tudo o que pode e que foi relevante e íntegro.

Jornal Oi – Se pudesse voltar no tempo o que faria de diferente/melhor na criação/educação dos filhos?

Deputado Lucena: Reduziria o açúcar na alimentação deles e nunca deixaria eles tomarem refrigerante, por exemplo. Tentaria ficar mais tempo com eles.

Jornal Oi – Quais foram os principais ensinamentos que o senhor recebeu do seu pai e que carrega pela vida?

Deputado Lucena: A fé, o amor, o respeito por todos, e o temor a Deus, fundamentos da vida.