Eles são muito malandros ou nós somos idiotas? Brasil precisará de “período educativo de racionamento” de energia, diz o presidente do Congresso. Aqui é Brasil
O presidente da Câmara disse ainda que o MME tem perspectivas de implantar alguma medida para conter o problema da escassez hídrica/ Foto: Divulgação
Centerpex Cinemas Suzano Shopping

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse nesta 3ª feira, 22, que esteve com o ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia) na última semana e que falaram sobre crise hídrica.

De acordo com reportagem publicada no site Poder 360 ele afirmou a jornalistas, no Palácio do Planalto, que o país precisará passar por um período de racionamento, sem dar mais detalhes.

“O ministro Bento esteve comigo para fazer uma análise do cenário, garantindo que não vamos ter nenhum tipo de problema de apagão, mas vamos ter que ter um período educativo aí de racionamento para não termos nenhum tipo de crise maior”, declarou.

Lira participou de cerimônia de lançamento do Plano Safra 2021/2022. O MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) anunciou que o governo destinará R$ 251,22 bilhões ao programa e escolheu o slogan “Cada vez mais verde” para o novo ciclo.

O presidente da Câmara disse ainda que o MME tem perspectivas de implantar alguma medida para conter o problema da escassez hídrica.

“Conversei com Bento na residência oficial semana passada, nada específico sobre o tema, sobre o texto, mas com perspectiva de que estava tratando de alguma medida para isso, negociando inclusive dentro do Supremo [Tribunal Federal] para garantir segurança jurídica”, declarou, ao ser perguntado se haverá alguma MP (Medida Provisória) para mitigar a crise hídrica.

Apurou que o governo estuda criar um comitê de crise sob gestão do Ministério de Minas e Energia nos próximos dias por meio de uma MP. O nome sugerido é Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hídrica (CREG).

Duas coisas importantes sobre o deboche desse presidente do Congresso. No tempo do governo liberal de FHC criou-se o tucanês, onde o governo federal usava frases de efeito para falar que os brasileiros estavam na ‘m.’ por causa das falhas do governo comandado pelo sociólogo FHC.

Parece que Lira decidiu resgatar o linguajar tucano.

A outra questão: imaginem se o governo federal estivesse sob o comando do PT, como é que esse racionamento educativo seria recebido?

Como o governo Bolsonaro banca o centrão do qual faz parte o PP de Lira, deixa escurecer que aqui é Brasil.