Ecofuturo lança vídeo sobre o Parque das Neblinas. Filme mostra mudanças na área ao longo de duas décadas
Filme mostra as transformações promovidas pelo Instituto e pela Suzano na área – e também nas pessoas – ao longo de duas décadas/ Foto: Reprodução
Tenda Atacado

O Parque das Neblinas, reserva ambiental da Suzano gerida pelo Instituto Ecofuturo, localizada em Mogi das Cruzes e Bertioga, agora têm sua história contada em formato audiovisual.

O vídeo revela a história de transformação da área, que já foi muito degradada pela siderurgia, mas que hoje é uma das referências em restauração e conservação da Mata Atlântica.

Oficialmente inaugurado em 2004 – a partir da decisão da Suzano em transformar antigas fazendas de produção de eucalipto em uma Unidade de Conservação –, o Parque conserva 7 mil hectares de Mata Atlântica em diversos estágios de regeneração, mais de 1.200 espécies da biodiversidade já registradas, incluindo três novas descobertas para a ciência e mais de 20 ameaçadas, e 477 nascentes.

A reserva desempenha, ainda, importante papel para proteção dos recursos hídricos da região e do maior remanescente contínuo de Mata Atlântica do País, o Parque Estadual da Serra do Mar de São Paulo (PESM) e a Serra de Paranapiacaba.

A paisagem, no entanto, nem sempre foi assim. Na primeira metade do século XX, entre os anos de 1940 e 1950, boa parta da Mata Atlântica que existia na área foi transformada em carvão pela indústria siderúrgica.

Com o mesmo fim, tiveram início as plantações de eucalipto no local. Em 1966, a Suzano, pioneira na produção de celulose exclusivamente de eucalipto, adquiriu a fazenda para compor sua base florestal.

Com a criação de sua área de “Meio Ambiente” – precursora à atual Sustentabilidade – e inclusão de conceitos ambientais na produção, a empresa identificou, na década de 1990, a vocação da área para ser uma reserva ambiental e, com esse desafio, fundou o Ecofuturo: o primeiro passo para mais uma mudança, desta vez positiva, no território.

O Instituto fez a implantação e é responsável pela gestão do Parque das Neblinas, coordenando estratégias de restauração e conservação desenvolvidas no local, que é reconhecido, desde 2006, como Posto Avançado da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, pelo Programa Homem e Biosfera, da UNESCO.

No interior do Parque, foi implantada também a RPPN Ecofuturo, formada por 518 hectares de Mata Atlântica bem preservada.

Assim, Suzano e Ecofuturo oferecem formal contribuição ao Sistema Estadual de Unidades de Conservação, em especial no contexto da Mata Atlântica da Serra do Mar.

“As transformações que promovemos na área vão muito além de mudanças no uso e ocupação do território: mais do que uma Unidade de Conservação, entendemos o Parque como uma ‘Unidade de Transformação’. Transformação da paisagem, sim, mas também das pessoas que o visitam e que interagem com os projetos que desenvolvemos ao longo de duas décadas”, afirma Paulo Groke, diretor superintendente do Ecofuturo.

O Parque das Neblinas foi reaberto para visitação, seguindo protocolos de segurança e prevenção à Covid-19, e com número limitado de visitantes por dia.

Todas as atividades precisam ser agendadas com antecedência. Para mais informações, acesse ecofuturo.org.br.

Sobre o Parque das Neblinas

Reconhecido pelo Programa Homem e Biosfera da UNESCO como Posto Avançado da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, o Parque das Neblinas é uma reserva ambiental da Suzano, gerida pelo Ecofuturo, com 7 mil hectares.

No local, são desenvolvidas atividades de ecoturismo, pesquisa científica, educação ambiental, manejo e restauração florestal e participação comunitária.

Quer saber mais sobre a fauna e a flora presentes na área? Acesse a publicação A biodiversidade no Parque das Neblinas, disponível para download no site do Instituto.