É a volta da normalidade? Shoppings, comércios e serviços poderão funcionar 14 horas seguidas a partir deste sábado
O governo, entretanto, manteve o toque de recolher das 20 às 5 horas e a recomendação de que os estabelecimentos operem com até 25% da capacidade máxima/ Foto: Governo do Estado de SP
Colégio Eduki

O governo de São Paulo anunciou nesta quarta-feira, 28, uma flexibilização ‘nervosa’ da quarentena em todas as regiões do Estado.

A partir deste sábado, dia 1º, lojas, shoppings, restaurantes, salões de beleza, academias e outros estabelecimentos comerciais poderão funcionar das 6 às 20 horas. As novas regras valem até 9 de maio.

Antes da mudança, a fase de transição, em vigor em todo o estado, permitia o funcionamento apenas das 11 às 19 horas para a maior parte dos setores.

Com os novos horários que começam a valer neste sábado, é como se as atividades comerciais saíssem da fase de transição ou fase vermelha e subissem para a fase amarela, pulando a laranja.

Em alguns setores os horários liberados correspondem ao que seria a chamada fase verde do Plano SP.

O governo, entretanto, manteve o toque de recolher das 20 às 5 horas e a recomendação de que os estabelecimentos operem com até 25% da capacidade máxima.

No entanto, não há lei, multa ou fiscalização para verificar o percentual de 25% do público na prática.

A atual etapa da quarentena, chamada de “fase de transição”, foi criada pelo governo estadual em 16 de abril e desenvolvida como um estágio transitório entre as fases vermelha e laranja.

No entanto, com a flexibilização anunciada nesta quarta, a fase de transição passa a permitir que os estabelecimentos funcionem em horários mais amplos do que os da fase laranja e até mesmo da fase amarela: serão liberadas 14 horas diárias a partir deste sábado, contra 8 horas diárias na fase laranja e 10 horas diárias na amarela.

Desde 18 de abril já está permitido o funcionamento, com restrições de horário, de shoppings, lojas de rua e atividades religiosas. Restaurantes, parques, academias e salões de beleza estão liberados desde o último sábado, 24.

O que muda a partir de 1º de maio

Shoppings e lojas de rua podem ampliar o funcionamento das 11h às 19h para o período das 6h às 20h, com recomendação de limitar o público a até 25% da capacidade total.

Cultos, missas e outras atividades religiosas coletivas podem ampliar o funcionamento das 11 às 19 horas para o período das 6 às 20 horas, com recomendação de limitar o público a até 25% da capacidade total, com distanciamento e controle de acesso.

Restaurantes e lanchonetes podem ter atendimento presencial e ampliar o funcionamento das 11 às 19 horas para o período das 6 às 20 horas, com recomendação de limitar o público a até 25% da capacidade total.

Salões de beleza e cabeleireiros podem ampliar o funcionamento das 11 às 19 horas para o período das 6 às 20 horas, com recomendação de limitar o público a até 25% da capacidade total.

Cinemas, teatros, museus, eventos e convenções podem ampliar o funcionamento das 11 às 19 horas para o período das 6 às 20 horas, com recomendação de limitar o público a até 25% da capacidade total.

Academias, clubes e centros esportivos podem ampliar o funcionamento para operar initerruptamente das 6 às 20 horas, com recomendação de limitar o público a até 25% da capacidade total, e apenas para atividades físicas individuais agendadas.

Parques mantêm o horário de funcionamento das 6 às 18 horas.

Bares não estão liberados para ter atendimento presencial, mas podem operar como restaurantes (público sentado, com serviço de alimentos para acompanhar bebidas) – neste caso, devem seguir as regras de restaurantes, com recomendação de 25% da capacidade.

Governo justifica mudanças que começarão neste sábado

Segundo a gestão de João Doria, a ampliação dos horários da fase de transição é um voto de confiança para prefeitos e empresários.

“Nós estamos novamente dando um voto de confiança para todos os setores econômicos e contando com todos os prefeitos neste processo. A expansão do horário é significativa”, disse a secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen.

A secretária destacou ainda a recomendação estadual de que os horários de entrada e saída dos funcionários de comércio, serviços e indústria sejam escalonados para que não haja aglomerações, especialmente no transporte público.

“Como agora há a possibilidade de funcionamento durante todo o dia, fora do horário de toque de recolher, é muito importante que os prefeitos façam essa pactuação do escalonamento de horários. Nós fizemos um trabalho com várias associações de setores, e elas estão muito conscientes de suas responsabilidades”, declarou.