Deu ruim: iniciativa privada ignora leilão da CPTM e governo de Mogi terá de correr atrás de melhorias para as velhas estações
As estações da CPTM na cidade de Mogi das Cruzes se comparadas, por exemplo, com a de Suzano podem ser consideradas como velhas, ultrapassadas e sucateadas/ Foto: Divulgação
Tenda Atacado

Questionada na tarde dessa quinta-feira, 4, sobre o resultado do leilão de concessão de três das quatro estações de passageiros em Mogi das Cruzes, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) revelou que o leilão foi realizado, mas que não apareceram interessados da iniciativa privada em assumir a concessão das três estações sob o compromisso de investir R$ 140 milhões para a modernização dos espaços que recebem milhares de pessoas todos os dias.

As estações da CPTM em Mogi das Cruzes se comparadas, por exemplo, com a de Suzano podem ser consideradas como velhas, ultrapassadas e sucateadas.

A falta de interesse da iniciativa privada representa uma péssima notícia para os usuários dos trens, para  a cidade e também para o novo prefeito (Caio Cunha – Pode) que terá de retomar os pedidos feitos pelos ex-prefeitos Marco Bertaiolli (PSD) e Marcus Melo (PSDB) à CPTM e ao governo do Estado para que as estações sejam revitalizadas.

Faz pelo menos uma década que os pedidos de Mogi são totalmente ignorados pela CPTM e o governo paulista.

Resta verificar qual será a inovação que o novo prefeito colocará em prática para resolver o problema.

Jornal Oi – A concessão de três estações da CPTM em Mogi das Cruzes, em lote único, marcada para esse dia 4 de março de 2021 aconteceu efetivamente ou ainda vai acontecer hoje?

Jornal Oi – Se já aconteceu qual o resultado?

Jornal Oi – Quais serão os próximos passos desse processo?

Os esclarecimentos da CPTM   

O leilão de concessão das estações Mogi das Cruzes, Jundiapeba e Estudantes, na Linha 11-Coral da CPTM, ocorreu nesta quinta-feira (04/03), conforme previsto em edital, e não recebeu propostas.

A CPTM reafirma seu desejo em buscar parceria com a iniciativa privada para que eles participem investindo nas estações e ambientes que são viáveis. A companhia irá reavaliar se licita novamente, inclusive com a possibilidade de reavaliar o edital.

A concessão das três estações, em lote único, daria ao vencedor o direito de exploração comercial de áreas, compreendendo a ampliação, construção, administração e manutenção destes locais.