Delegado e pré-candidato Boigues revela no Jornal Oi ao Vivo que está pronto para revolucionar a prefeitura e levar Itaquá para outro patamar
O delegado, afastado de suas funções por causa da eleição, e pré-candidato a prefeito de Itaquá escancarou coragem, independência e preparo para promover uma revolução na gestão da prefeitura/ Foto: Divulgação
Tenda Atacado

Na entrevista que concedeu ao Jornal Oi ao Vivo na quarta-feira, 26, o delegado (afastado de suas funções por causa da eleição) e pré-candidato à prefeitura de Itaquá, Eduardo Boigues, escancarou coragem, independência e preparo para promover uma revolução na gestão da prefeitura, bem como elevar a prestação de serviços públicos e da qualidade de vida na cidade, caso seja eleito na disputa eleitoral marcada para novembro deste ano.

Boigues respondeu com clareza e conhecimento de causa a todas as perguntas que recebeu e foi muito além ao revelar as primeiras informações de ações e estratégias que serão detalhadas em seu plano de governo.

No início da entrevista, ao vivo, exclusiva Boigues explicou que está afastado de suas funções na Polícia Civil e 100% focado na pré-campanha por meio de visitas e reuniões com moradores e lideranças políticas de todas as regiões da cidade.

Em diversos momentos o pré-candidato do PP chegou a surpreender positivamente, especialmente por aquelas pessoas que se habituaram nos discursos vazios  e ‘em cima do muro’ praticado por muitos pré-candidatos e candidatos.

Eduardo Boigues revelou, por exemplo, que pretende extinguir e fundir secretários municipais e acabar com o cargo de secretário-adjunto.

“Teremos secretários executivos que terão metas a cumprir e terão de estar à altura das metas do nosso governo. Nosso governo, no caso de o povo de Itaquá nos dar essa oportunidade, será integrado por pessoas com capacidade de resolver problemas. E o que mais tem em Itaquá são problemas e vamos buscar solução para todos eles”, assegurou o pré-candidato que garantiu estar determinado a colocar fim em certos monopólios que causam prejuízos ao povo e à cidade.

“Vamos acabar com o monopólio do serviço funerário. Em Itaquá, desde o século passado, uma única empresa explora esse serviço cobrando valores absurdos (na venda de caixões) para pessoas que muitas vezes não tem condições de arcar com os preços abusivos”.

“Também vamos enfrentar o monopólio do transporte. O atual governo deu para uma única empresa (a Expresso Planalto) explorar o transporte de passageiros, sem levar em consideração nas necessidades da população”.

“Quando a gente chegar ao governo o contrato do transporte será revisto e a empresa terá de construir, por exemplo, 200 novos pontos (coberturas) de ônibus. Será feita uma auditoria neste contrato e ao final (da auditoria) teremos condições jurídicas, se for preciso, rescindir o contrato”.

“Quero ressaltar que vamos auditar todos os contratos da prefeitura, com o objetivo de promover a melhoria na prestação dos serviços, eliminar eventuais abusos e garantir economia para a prefeitura”, afirmou.

“Quem quiser atacar (a pessoa do Eduardo Boigues) terá de entrar na fila. Não tenho medo de cara feia”

Nesta altura da entrevista, quando garantiu que irá rever contratos e promover auditorias, o pré-candidato do PP foi questionado se não será ‘obrigado a andar com colete a prova de balas’ em razão de possíveis retaliações violentas da parte de empresários/grupos que se sentirem prejudicados pelo novo modelo de gestão que Boigues quer colocar para funcionar na prefeitura de Itaquá.

“Quem quiser praticar algum tipo de violência vai ter de entrar na fila. Sou policial e sei lidar com situações mais graves caso isso venha a acontecer. Importante deixar bem claro que o nosso governo (no caso de o atual pré-candidato ser eleito) será totalmente transparente e legalista, mas não vamos abrir mão de atender as necessidades da população e da cidade e para isso vamos fazer o que precisa ser feito”.

Boigues também falou sobre uma meta inicial de regularizar em quatro anos até 46 mil imóveis em toda a cidade

“Estou revelando aqui metas e objetivos para diversas áreas, tudo isso vai ficar gravado  e anotado e as pessoas poderão me cobrar depois”.

“Tem projetos e ações que dependerão de parcerias da prefeitura com o governo do Estado e essas parcerias vão acontecer em razão das alianças (partidárias) que estamos construindo que já estão nos abrindo as portas das secretarias e do governo estadual”, disse o pré-candidato que ainda antecipou ideias para ampliar a segurança pública em toda a cidade, ampliar e qualificar o Parque Ecológico e zerar o déficit de vagas em creches na cidade.

Vagas para todas as crianças em creches e recado para ‘deputados espertos’

Ao ser alertado que o atual prefeito Mamoru Nakashima também prometeu (diversas vezes) acabar com a falta de vagas em creches (e que não cumpriu), Boigues reforçou que será possível sim garantir vagas para todas as crianças que precisam.

“Não vamos construir prédios, vamos fazer com parcerias/convênios, com entidades e associações para a instalação de creches que serão apoiadas pelo nosso governo”.

“Vamos promover uma relação séria com as entidades comprometidas com a educação e o desenvolvimento da cidade”, completou Boigues que definiu a data de 16 de setembro para revelar o nome de seu vice e ainda deu um aviso aos deputados que ‘a cada quatro anos aparecem em Itaquá para entregar uma ambulância e buscar votos’.

“Vai acabar isso de chegar com uma ambulância a cada quatro anos e ganhar os votos do nosso povo. As portas da prefeitura estarão abertas para todos, mas será preciso um apoio maior para a nossa cidade”.

Em uma informação já destacada pelo Oi, Boigues avalia que desistência de Armando ampliou apoio à sua pré-candidatura

“A confirmação de que esse ex-prefeito (Armando da Farmácia) desistiu da pré-candidatura acabou ampliando ao apoio do povo de Itaquá para o nosso projeto. Para mim não foi novidade a informação de que ele não poderia concorrer, nós trabalhamos sempre com a verdade e já sabíamos disso. Essa desistência não alterou em nada o nosso trabalho no dia a dia, mas garantiu mais apoio popular para a nossa pré-candidatura”.