Oi exclusivo: levantamento inédito revela as cidades que mais avançaram no meio ambiente, proteção às mulheres, bem-estar animal e geração de empregos
Levantamento inédito revela as cidades que mais avançaram no meio ambiente, proteção às mulheres, bem-estar animal e geração de empregos / Foto: Divulgação
Prefeitura de Guararema

Quais as cidades que mais trabalharam (e se destacaram) na região do Alto Tietê desde 2017 e em especial no primeiro semestre de 2020 (em razão da pandemia de Covid-19) no desenvolvimento de políticas públicas para as mulheres, na preservação do Meio Ambiente, na geração de empregos e no bem-estar animal?

Reportagem exclusiva do Jornal Oi com base em um levantamento inédito do Instituto Bras Santos e do Movimento Desenvolve Suzano e Alto Tietê revela as cidades que mais avançaram nestas quatro áreas.

A meta é ampliar esse estudo para dez áreas a partir de 2021 em reconhecimento ao trabalho de lideranças políticas e dos técnicos que trabalham efetivamente para melhorar a qualidade de vida dos habitantes das cidades do Alto Tietê.

  • GERAÇÃO DE EMPREGOS

Nos últimos três anos Suzano foi campeã na geração de empregos na região do Alto Tietê. Até na pandemia cidade teve sucesso

Na área de geração de empregos, os números de Suzano são inquestionáveis. O município governado desde janeiro de 2017 pelo prefeito Rodrigo Ashiuchi (PL) superou as demais cidades do Alto Tietê com surpreendente folga especialmente nos anos de 2017 e 2019, sendo que mesmo nesta pandemia de Covid-19 quando o desemprego fustigou toda a região e todo o Brasil, a cidade de Suzano (em junho) teve um resultado positivo com mais de 300 contratações de trabalhadores com carteira assinada, conforme informações divulgadas no final de julho pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) que é vinculado ao Ministério da Economia.

No caso da geração de empregos, o Instituto Bras Santos e o Movimento Desenvolve Suzano e Alto Tietê basearam-se somente nos números do Caged para colocar Suzano no topo do ranking.

Sendo que nenhuma outra cidade da região obteve os mesmos resultados de Suzano no período que compreende o início de 2017 e junho de 2020.

Importante ressaltar que no acumulado entre janeiro e junho desse ano o saldo de Suzano foi negativo em mais de 1,3 mil postos, numero que, no entanto, é melhor que os números de outras cidades grandes da região como são os casos de Itaquá e Mogi que registrou a perda de mais de 4 mil postos de trabalho no primeiro semestre.

Na semana passada Oi questionou o governo de Suzano sobre os resultados da cidade na geração de empregos.

O governo Ashiuchi, por meio do secretário de Desenvolvimento Econômico e Geração de Emprego, André Loducca, respondeu na última quarta-feira, 29, aos questionamentos do Jornal Oi sobre no balanço do (Caged) e os números do emprego (contratações e demissões) em junho e no primeiro semestre deste ano.

Governo diz que sucesso se deve as políticas públicas aplicadas na cidade

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Geração de Emprego, André Loducca destacou que:

“O resultado (positivo em junho e nos últimos anos) se deve à atuação de políticas públicas de fomento a diversos setores da economia, por meio de apoio a iniciativas empreendedoras, compartilhamento de informações, fortalecimento da cadeia produtiva, estímulo ao consumo local, treinamentos, palestras, cursos e trabalho em conjunto com instituições, associações e sindicatos”.

“Temos ações efetivas e está mais do que demonstrado que Suzano tem feito a lição de casa para que possamos gerar cada vez mais emprego e renda. Somos responsáveis por aproximadamente 60% de todos os postos de trabalho formais de 2017 a 2019 e de 90% de todo o saldo positivo do ano passado entre as cidades da nossa região”.

“Além disso, neste mês de julho, o projeto Suzano Mais Emprego voltou a divulgar vagas colocadas à disposição pelas empresas e a acolher currículos de candidatos. Estamos em meio à pandemia da Covid-19, que gerou uma grande recessão em todo o País, e ainda assim Suzano gerou 384 novos postos de trabalho em junho, sendo novamente destaque em toda a região”.

  • BEM-ESTAR ANIMAL

Mogi tem a melhor estrutura e os melhores números da região quando o assunto é garantir o bem-estar aos animais   

Mogi das Cruzes fica com o primeiro lugar por diversos aspectos, mas o fator decisivo em comparação com as demais cidades do Alto Tietê é a existência do Centro de Bem Estar Animal.

De acordo com informações publicadas em reportagem especial no Jornal Oi esse Centro de Bem-Estar já realizou 256.604 procedimentos entre consultas, cirurgias de castração, além de outras cirurgias, exames diagnósticos, aplicações de medicamentos ou soro, procedimentos variados como curativos, transfusões, oxigenoterapia, sondagem e atendimentos oncológicos.

Há, ainda, vacinação, castração, passeio animal, chipagem adoção e outros cuidados realizados pelo Centro de Controle de Zoonoses.

No que se refere à castração nos últimos 42 meses foram operados 9.177 caninos e 7.178 felinos, o que perfaz um total de 16.355 animais cadastrados.

O atendimento na pandemia de Covid-19, segundo as informações do governo de Mogi, exigiu mudanças nas formas de atendimento para prevenir aglomerações e possíveis contágios, período em que os atendimento foram restritos aos casos de urgência e emergência.

A retomada já está ocorrendo de forma gradual. Em junho, as castrações gratuitas de cães e gatos, por exemplo, foram reiniciadas nova forma de agendamento e maior distribuição de horários.

Ainda no que se refere a estrutura para a causa animal, o governo do prefeito Marcus Melo (PSDB) garantiu ao Jornal Oi não estar medindo esforços para manter e ampliar serviços de atenção, cuidado e respeito.

“Contamos com o Petmóvel, que realiza castrações e ações educativas itinerantes e mantém contrato com a empresa BMQR Clínica Veterinária, na Vila Cintra, para ampliar o fortalecimento das estratégias para o controle da população animal na cidade, oferecendo uma opção para castrações de cães e gatos em outra região da cidade. Há castrações, ainda, no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ)”, informou o governo mogiano.

Um médico veterinário que desenvolve campanhas de castração em várias cidades da região respondeu aos questionamentos do Jornal Oi sobre quais são os critérios que devem ser avaliados na definição da cidade que tem o melhor serviço aos animais.

“Controle populacional, microchipagem, recolhimentos dos animais de rua, trabalho efeito de doação, educação continuada nas escolas primária (educação bem estar animal) e tratamento das doenças zoonótica são os itens mais importantes quando avaliamos o trabalho desenvolvido pelo poder publico para garantir o bem-estar dos animais”, disse o especialista que pediu para não ter no nome revelado.

Ele observou que Mogi pode ser considerada a cidade que possui hoje a melhor estrutura para cuidar dos animais.

Guararema e os animais silvestres 

Uma das especialistas consultadas pelo Instituto Bras Santos, o Movimento Desenvolve Suzano e Alto Tietê e o Jornal Oi chamou a atenção para as ações desenvolvidas pelo governo de Guararema.

“Em minha avaliação pelo bom tratamento que a prefeitura e a cidade dispensam aos animais silvestres, Guararema pode até ser considerada como a primeira colocada na região. Digo isso levando em consideração também os resultados do ranking do Programa Município Verde Azul, onde Guararema tem uma ótima avaliação. Pelos números de atendimento e estrutura Mogi é a cidade que mais se destaca”, afirma a especialista que conversou com a reportagem do Jornal Oi sobre esse levantamento.

“Tirando essas duas cidades, infelizmente, não consigo apontar nenhuma outra cidade (da região) que tenha políticas públicas eficientes para o bem-estar da causa animal”, acrescentou ela. Guararema não revelou (ao Jornal Oi) as ações que desenvolve para os animais na cidade.

  • MEIO AMBIENTE

Guararema é o maior destaque da região nos cuidados com o Meio Ambiente. Mogi avança em fica com a segunda colocação 

O levantamento do Instituto Bras Santos e do Movimento Desenvolve Suzano e Alto Tietê em parceria com o Jornal Oi baseou-se em uma reportagem especial publicada pelo Oi destacando os resultados das cidades do Alto Tietê no programa Verde e Azul.

Por meio desse ranking a Secretaria Estadual do Meio Ambiente destaca as cidades do Estado que estão cuidando melhor da natureza.

Os dados do ranking Verde e Azul e as informações do Jornal Oi revelam que em 2018 Guararema, cidade administrada pelo prefeito Adriano Leite (PL), ficou com a 12ª colocação entre as mais de 560 do Estado que participam do projeto.

Essa foi a melhor colocação de uma cidade do Alto Tietê na história desse ranking que mede e estabelece notas às ações de preservação ambiental das prefeituras no Estado de São Paulo.

Questionado a época sobre o assunto, o governo de Guararema destacou que em 2017 a prefeitura/cidade ficou com a 38ª posição.

Já em 2018 o município ficou com 12º lugar. “A meta para os próximos anos é estar entre os dez municípios mais bem classificados”, afirmou o governo de Guararema que com os resultados dos últimos anos consolidou-se com a cidade, justamente, mais bem avaliada do Alto Tietê.

Dez ações que garantem a Guararema o 1º lugar em preservação ambiental na região

1 – Criação do Refúgio de Vida Silvestre do Putim, uma Unidade de Conservação para a proteção do Bicudinho-do-brejo-paulista, ave criticamente ameaçada de extinção, de toda a fauna da região e principalmente dos recursos hídricos da Bacia do Putim (em fase de documentação para as audiências públicas);

2 – Criação e manutenção do Programa ECO-Sexta de Atividades Ambientais;

3 – Envolvimento de toda a prefeitura no Programa Município Verde Azul, colocando Guararema na 12ª colocação dentre 645 cidades de SP, por meio de atendimento de diversas diretivas, melhorando a qualidade ambiental do município;

4 – Incentivo e fortalecimento do Conselho Municipal de Meio Ambiente nas questões pertinentes;

5 – Implantação e expansão da Coleta Seletiva e Eco-Pontos;

6 – Ampliação do programa de Bem-Estar Animal, com programa de castração gratuita de cães e gatos;

7 – Manutenção de atividades de Educação Ambiental na criação e manutenção de seminários e eventos sobre Resíduos Sólidos, Áreas Protegidas e Turismo Ecológico (de menor impacto ambiental, como o de observação de aves);

8 – Adaptação de prédios públicos para torná-los mais “verdes” com implantação de cisternas, placas de energia solar e eficiência energética;

9 – Criação da Escola da Natureza em parceria com a Secretaria de Educação e ações que envolvem as escolas municipais;

10 – Implantação da Nascente Modelo, o Projeto Piloto de Floresta Urbana e o Espaço Árvore dos prédios públicos, além da coleta de pilhas e baterias e o Eco-ponto de coleta de lâmpadas fluorescentes.

Mogi avança ano após ano na preservação ambiental e serve de exemplo para outras grandes cidades da região 

Neste ano Mogi das Cruzes conquistou, pela segunda vez, o Certificado de Qualificação Município Verde Azul e, pela terceira, o Prêmio André Franco Montoro.

O anúncio foi feito em março deste ano. Lançado em 2007 pelo Governo do Estado de São Paulo, o Programa Município VerdeAzul tem o propósito de medir e apoiar a eficiência da gestão ambiental com a descentralização e valorização da agenda ambiental nos municípios.

Este ano, a cidade ficou na 54ª posição entre as 92 certificadas com o Selo Município Verde Azul.

“É uma conquista importante e que mostra o compromisso da Administração Municipal e da cidade com o meio ambiente. Em três anos de trabalho, esta é a segunda vez que asseguramos o Selo Verde Azul para Mogi das Cruzes. Criamos um grupo de trabalho atuante, integrado por todas as secretarias, e estamos cumprindo todas as diretrizes do programa, o que se reflete em qualidade de vida para a população. Nosso compromisso é equilibrar o progresso econômico com o respeito à natureza, e uma premiação como essa mostra que estamos no caminho certo”, afirmou o prefeito Marcus Melo na data da premiação.

A cidade obteve sua primeira e inédita Certificação do Programa em 2018, ficando na 58ª colocação entre 73 municípios paulistas que foram premiados.

Da 341ª colocação em 2011, a cidade evoluiu em 2012 (299º lugar), em 2013 (252º lugar), em 2014 (202º lugar), em 2015 (172º lugar), em 2016 (134º lugar) e em 2017 (63º lugar, o que garantiu a conquista do Prêmio Franco Montoro).

No ano passado, a 58ª colocação assegurou a certificação inédita ao município, além de mais um Prêmio Franco Montoro.

Os números e resultados de Guararema e Mogi das Cruzes no ranking VerdeAzul facilitaram o trabalho do parceria entre o Instituto Bras Santos, o Movimento Desenvolve Suzano e Alto Tietê o Jornal Oi.

O fato é que as demais cidades terão de correr muito para alcançar, nos próximos levantamentos, Guararema e Mogi na corrida pela preservação do Meio Ambiente.

  • MULHERES

Levantamento revela que Mogi oferece os melhores cuidados às mulheres na região. Suzano e Poá também se destacam  

O primeiro estudo desenvolvido pelo Instituto Bras Santos (criado com a finalidade de ampliar o debate junto à sociedade civil de ações e políticas públicas que promovam justiça, inclusão social e oportunidades a todos) e o Movimento Desenvolve Suzano e Alto Tietê (criado com a finalidade de cobrar e ajudar as lideranças políticas a ampliarem os investimentos nas cidades da região) em parceria com o Jornal Oi teve a finalidade de apontar, em março deste ano, quais as cidades que estão mais avançadas em ações em defesa da saúde, da segurança, da empregabilidade e qualidade de vida das mulheres.

Na reportagem publicada em março pelo Jornal Oi,  destacamos que Mogi das Cruzes aparecia em primeiro lugar, seguida por Suzano.

Essa classificação foi feita com base em informações divulgadas pelos governos das duas cidades sobre o trabalho desenvolvido desde 2017 no combate a violência contra as mulheres e também nos projetos efetivamente desenvolvidos pelas respectivas prefeituras para garantir saúde e qualidade de vida às mulheres.

Nesta nova reportagem incluímos também o município de Poá (na terceira colocação) na lista dos municípios da região que melhor cuidam de suas mulheres.

Uma especialista no assunto (e ex-secretária da Mulher na região) participou da avaliação e classificação dessas três cidades em 1º, 2º, e 3º lugar. Itaquá ficou na 4ª posição.

Ferraz ficou com o último lugar na avaliação feita pelo Instituto, o Movimento e a especialista no assunto que pediu a reportagem do Jornal Oi para não ter o nome revelado.

“A estrutura oferecida às mulheres na cidade de Mogi é bem superior a oferecida pelas outras cidades da região. Suzano e Poá vem em seguida”.

Os equipamentos e serviços que garantem à Mogi a posição de cidade que melhor cuida das mulheres no Alto Tietê

Maternidade Municipal: Está em construção no Distrito de Braz Cubas e terá capacidade para realizar até 500 partos por mês, dobrando a capacidade atual do município na rede pública.

Maternidade da Santa Casa: Realiza uma média mensal de 450 partos, dos quais 350 são pacientes mogianas e as demais são moradoras em outros municípios da região.

Pró-Mulher: Presta atendimento médico e de enfermagem nas áreas de ginecologia e obstetrícia, pré-natal, exames de ultrassonografia, mamografia, densitometria óssea, Papanicolau, planejamento familiar. Realiza uma média de 3 mil atendimentos/mês.

Ambulatório de Saúde da Mulher do Hospital Municipal: Realiza cirurgias ginecológicas até então inexistentes no serviço público de Mogi das Cruzes. Desde março/2017, realiza também laqueaduras.

Programa Mãe Mogiana: Implantado em 2009 em parceria com a Santa Casa, realiza consultas e exames de pré-natal a partir da 29ª semana de gestação, garantindo contato direto com a equipe que realiza o parto.

Serviços ofertados: Ultrassonografia Obstétrica, Ultrassonografia com Doppler, Cardiotocografia Fetal, Amnioscopia, Consultas de Pré-Natal, Pré-Natal de Alto Risco, Puerpério, Programa de Segmento da Criança de Alto Risco (primeira consulta), Psicoterapia. Maternidade Municipal contará com unidade II do Mãe Mogiana.

Alô Mãe Mogiana: Implantado em 2014 com objetivo de monitorar gestantes de baixo e alto risco. Enfermeiras especializadas em obstetrícia realizam acompanhamento telefônico das gestantes.

Todas as gestantes são automaticamente cadastradas a partir da confirmação da gravidez pela unidade de saúde onde realizam o pré-natal. Fazem ligações periódicas às gestantes e atendem pelo telefone 0800-770-2555.

Banco de Leite Humano: Implantado em 2013 no prédio do Pró-Mulher. Incentiva e orienta sobre o aleitamento materno, além de realizar o cadastro e a coleta de leite para doação aos bebês que não podem ser amamentados.

Mamografia: Em 2010, a prefeitura de Mogi das Cruzes passou a oferecer exames de média complexidade, entre eles o exame de mamografia, até então ofertado apenas pelo Governo do Estado.

Atualmente são quatro aparelhos de mamografia na cidade, além dos mutirões realizados pela Carreta Mulheres de Peito (foram duas edições em 2019).

Campanha Outubro Rosa: Implantada em 2011 por meio de uma parceria firmada entre o Fundo Social e a Secretaria Municipal de Saúde para divulgar e facilitar o acesso das mulheres ao exame de mamografia para prevenção ao câncer de mama.

Comitê Municipal de Combate às Violências Domésticas: Em 2011, a prefeitura criou o Comitê Municipal de Prevenção e Combate às Violências Domésticas.

O grupo investiga e propõem ações para casos de violência praticados contra crianças, mulheres e idosos. É formado por representantes de diversas áreas e órgãos da cidade.

Comitê Municipal de Investigação da Mortalidade Materna e Infantil: O grupo investiga possíveis causas e propõem ações para redução dos índices na cidade, como qualificação do pré-natal, incentivo ao aleitamento materno.

Conselho Municipal da Mulher: Promove debates e ações voltadas para valorização e defesa dos direitos da mulher, propondo novas políticas públicas.

Patrulha Maria da Penha: Implantada em abril/2018 por meio de uma parceria entre Prefeitura, Ministério Público, Delegacia da Mulher e Poder Judiciário.

A unidade atua no apoio às mulheres vítimas de violência e na garantia da execução de medidas protetivas determinadas pela Justiça. Balanço: dois anos de atendimento – 50 detidos; 471 medidas protetivas acompanhadas.

  • DESTAQUE: Em Mogi das Cruzes, a Guarda Municipal é comandada por uma mulher Thais Nascimento, responsável por 218 guardas municipais (incluindo os 40 novos formandos).

As ações e serviços que garantem a Suzano posição de destaque na região no cuidado com as mulheres 

A Prefeitura de Suzano, por meio do Serviço de Ação Social e Projetos Especiais (Saspe), promove o curso “Promotoras Legais Populares”.

A capacitação visa orientar as suzanenses sobre cidadania e conceitos de igualdade de gênero e respeito, além de enaltecer o seu valor humano, social, político e econômico.

O Saspe, com apoio da Pepsico, também oferece o programa “Mulheres com Propósito” com o objetivo de enfatizar o empreendedorismo e as possibilidades de independência econômica a todas as mulheres (cisgênero e transgênero).

Além disso, em paralelo, Suzano tem um grupo de pessoas que participam do Grupo Reflexivo “Homens Pelo Fim da Violência Contra a Mulher” e que buscam acabar com o machismo.

Rede de Atenção à Pessoa em Situação de Violência  

Quanto à Rede de Atenção à Pessoa em Situação de Violência Doméstica e/ou Sexual, coordenada pela Secretaria Municipal de Saúde, pode ser aciona pelo telefone 4745-2092.

Já o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (CMDM) pode ser acionado pelo 4742-7100 e o Conselho Tutelar de Suzano fica na rua Barão do Rio Branco, 249 – Centro – telefone 4748-5940.

Patrulha Maria da Penha

Suzano foi a primeira cidade da região a contar com a Patrulha Maria da Penha. O serviço é acionado diretamente pelo Poder Judiciário, já que as mulheres beneficiadas são aquelas com medidas protetivas.

Desde a criação da Patrulha Maria da Penha em Suzano, além das 39 detenções motivadas por desobediência, mais de 48 mil visitas em domicílio. Quase 2 mil vítimas atendidas.

Delegacia da Mulher  

Suzano conta com a Delegacia de Defesa da Mulher (DDM). Funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas. Na sede da DDM também há a ‘Sala Rosa’, serviço de acolhimento da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

Serviços de Atendimento e Orientação a Mulheres Vítimas de Violência

O sistema de Garantia de Direitos à Mulher em Suzano é composto pela Comissão da Mulher Advogada – Anexo de Violência Doméstica Contra a Mulher; pelo Conselho Municipal dos Direitos da Mulher; pelo Centro Especializado de Assistência Social (Creas); pela Casa de Acolhimento; e pela Patrulha Maria da Penha, braço da Secretaria de Segurança Cidadã.

Casa Abrigo  

Casa Abrigo é um local sigiloso com infraestrutura para o acolhimento de até 20 pessoas, por meio de Termo de Colaboração entre Organização Social e a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social.

O acolhimento é a primeira medida protetiva tomada em caso de eminente risco de morte, as vítimas são acolhidas com seus filhos menores, obtendo proteção, segurança, alimentação e necessidades básicas, sempre após acolhida inicial e atendimento técnico realizado pelo Creas.