Campanha Tudo novo

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que não teria “nenhum problema” em compor uma chapa com o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (sem partido) nas eleições presidenciais deste ano. Em coletiva nesta quarta-feira, Lula defendeu Alckmin e disse que o ex-tucano já se definiu como oposição ao presidente Jair Bolsonaro e ao governador João Doria, pré-candidato pelo PSDB à Presidência.

Alckmin foi convidado pelo PSB em dezembro a se filiar à sigla, mas ainda não respondeu. Ele também mantém conversas com o Solidariedade. A aliados, o ex-governador já afirmou que desistiu de concorrer novamente ao Palácio dos Bandeirantes e sinalizou que seu projeto para 2022 é o embarque na chapa do petista.

“Não terei nenhum problema em fazer chapa com o Alckmin para ganhar as eleições e governar esse país. Só não posso dizer ainda porque falta definir para qual partido ele vai, ver se o partido vai fazer aliança com o PT”, disse Lula, que no início da entrevista afirmou ainda não ter definido a própria candidatura.  “Espero que o Alckmin esteja junto, sendo vice ou não, porque me parece que ele já se definiu como oposição não só a Bolsonaro como ao “dorismo” aqui em São Paulo”. Questionado sobre a viabilidade de aliança com Alckmin, Lula disse que nunca teve problemas na relação com ele nem com o senador José Serra (PSDB), quando governaram São Paulo.

“Temos divergências, temos. Por isso pertencemos a partidos diferentes. Temos visões de mundo diferentes, temos. Mas isso não impede a possibilidade de que as divergências sejam colocadas em um canto e as convergências de outras para poder governar”afirmou.

Ao ser perguntado sobre críticas feitas no passado pela esquerda a episódios e medidas ocorridas durante as gestões de Alckmin no governo de São Paulo, Lula defendeu o ex-adversário.  Para muitos eleitores e também para especialistas em politica, a confirmação da chapa Lula e Alckmin garantirá a vitória de uma chapa de centro esquerda e progressista contra a raivosa chapa de Bolsonaro e seus fanáticos liberais. Então e para o bem do Brasil, que assim seja.