Bolsonaro afirma ao deputado Geninho Zuliani de SP que vai adquirir todas as vacinas aprovadas contra Covid-19
Anúncio ocorreu na terça-feira após reunião com o deputado federal Geninho Zuliani, que emitiu parecer sobre a MP 1.003/ Foto: Divulgação
Hospital Santa Maria

O Jornal Oi recebeu no início da tarde desta terça-feira, 15, informações do deputado federal  Geninho Zuliani (DEM/SP).

O deputado, que é relator da Medida Provisória que prevê um plano global para a aquisição de vacinas contra o novo coronavírus, revelou por meio de sua assessoria de imprensa os detalhes de uma reunião que manteve na manhã de terça-feira com o presidente da República, Jair Bolsonaro.

Na pauta, o parecer à MP apresentada à Câmara na última semana e a aquisição de vacinas contra a Covid pelo Ministério da Saúde.

“Foi um encontro muito importante em que o presidente afirmou que vai comprar todas as vacinas disponíveis no mercado, desde que estejam autorizadas pela Anvisa”, frisou Geninho.

O parlamentar também apresentou ao presidente o parecer emitido, referente à MP 1.003 que permitirá a adesão do Brasil à Aliança Covax Facility, consórcio internacional formado por 168 países com o objetivo de promover acordos multilaterais para acelerar a compra e distribuição de uma vacina contra a Covid-19, sob a coordenação da OMS (Organização Mundial da Saúde).

O documento protocolado na semana passada na Câmara dos Deputados seria votado na sessão de hoje, em plenário.

“Bolsonaro viu o relatório, acatou o parecer e sugestões relacionadas à aquisição de vacinas e plano nacional de imunização”, afirmou Geninho.

No parecer, o deputado recomenda ainda ao Ministério da Saúde que toda a população brasileira seja imunizada contra Covid-19 no prazo de um ano e que o plano nacional de imunização, a ser implementado em todo o País pelo Ministério da Saúde, precisará garantir a incorporação de todas as vacinas contra a doença, com reconhecida eficácia e segurança, especialmente as que já estão sendo testadas no Brasil, como é o caso da vacina de Oxford, criada e desenvolvida em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, Coronavac, da Sinovac e da Pfizer, desenvolvida pela empresa alemã BioNTech e a farmacêutica chinesa Fosun Pharma.

O documento também recomenda que a Anvisa autorize o uso emergencial e temporário de vacinas, desde que já tenham sido aprovadas por outros órgãos regulatórios internacionais, como o Food and Drug Administration (FDA), European Medicines Agency (EMA), Pharmaceuticals and Medical Devices Agency (PMDA) e National Medical Products Administration (NMPA).