04 de dezembro de 2020
Publicidade
Fale com o OI no WhatsApp
Início Autores Posts por Karin Melo

Karin Melo

Karin Melo
92 POSTS 0 COMENTÁRIOS

Meu novo normal

Meu novo normal
Mas o meu novo normal tem se resumido a esse misto de saudade, com aprendizado e com a consolidação do que tenho como pilares para a felicidade. Tenho muita sorte, pois tudo na verdade já está aqui/ Foto: Divulgação

Nesses últimos dias, ando pensando muito sobre as mudanças que essa nova realidade nos trouxe e sobre o tão falado novo normal.

Confesso que a minha vontade é que tudo volte efetivamente ao normal, pois tenho muita saudade de estar próxima das pessoas, de poder conversar sem medo e de poder abraçar entes queridos.

Por outro lado, admito que essa situação me fez refletir a respeito de valores, prioridades e o que importa de fato na vida.

Passei 33 dias em casa e isso serviu para uma ressignificação sobre a relevância da família, do estar junto e de poder celebrar os momentos bons, bem como poder receber e dar apoio nos momentos difíceis. O distanciamento social afeta naturalmente essa dinâmica, porém também reforça convicções.

No campo profissional, entendi a falta que faz poder andar os quatro cantos da cidade, levando uma roupa, um cobertor, visitando turmas de cursos itinerantes ou simplesmente levando um pouco de afeto e uma palavra amiga a quem se dedica todos os dias a ajudar o próximo. Concluí principalmente que nada, absolutamente nada, funciona, se não for feito com amor.

A quarentena e todas as medidas de segurança são sim lições valiosas, que levaremos para o nosso futuro.

Mas o meu novo normal tem se resumido a esse misto de saudade, com aprendizado e com a consolidação do que tenho como pilares para a felicidade. Tenho muita sorte, pois tudo na verdade já está aqui.

O Tampinha continua

O Tampinha continua
Desde que foi lançado, o Tampinha Solidária foi muito bem acolhido por toda a população. Tivemos um grande engajamento, que se reverteu em diversas demonstrações de solidariedade, somadas a muitas doações/ Foto: Divulgação

Nesta semana, gostaria de aproveitar para trazer uma importante mensagem referente a uma de nossas mais queridas e conhecidas ações, que é o programa Tampinha Solidária.

Em função da pandemia, tivemos de cancelar eventos presenciais, porém as nossas ações de arrecadação não tiveram pausa.

Para cumprir as medidas de segurança, suspendemos temporariamente a logística de compra e distribuição de ração entre protetores de animais, mas agora, mais do que nunca, precisamos da ajuda de todos com a doação de tampinhas plásticas, que mais tarde serão revertidas em alimento para cães e gatos da nossa cidade.

Continuamos armazenando as tampinhas na sala do programa, no prédio do Pró-Hiper e, em breve, retomaremos o processo de separação, a princípio com a atuação da própria equipe do Fundo Social.

Desde que foi lançado, o Tampinha Solidária foi muito bem acolhido por toda a população. Tivemos um grande engajamento, que se reverteu em diversas demonstrações de solidariedade, somadas a muitas doações.

Sabemos que agora o momento é diferente, mas precisamos nos lembrar que os protetores independentes da cidade seguem precisando da nossa ajuda.

Fica aqui o convite, portanto, para que todos voltem a separar as tampinhas plásticas de produtos utilizados no dia a dia e depois destinem esse material ao programa. Nós do Fundo Social e em especial os bichinhos da nossa cidade agradecem.

 

Garra fortalecida

Garra fortalecida
Contamos com a incansável atuação dos voluntários do programa Família Solidária, empenhados na montagem de kits de alimentação para famílias que enfrentam dificuldades/ Foto: Divulgação

Já se vão quatro meses que entramos na quarentena e começamos a readequar toda a nossa vida e agenda às restrições trazidas pela pandemia.

Nos últimos dias, parei para me lembrar de como teriam sido esses últimos mais de 100 dias não fosse tudo isso. É triste não poder seguir com algumas de nossas ações, que sempre preparamos com tanto carinho.

Por outro lado, rememorei todos os esforços que fizemos, em assuntos que até então passavam longe de ser nossa especialidade.

Decidi ficar com a sensação mais positiva, que me foi trazida por essa última reflexão.

Só de máscaras, confeccionadas pelas professoras dos cursos de corte e costura do Fundo Social, foram mais de 60 mil unidades, distribuídas entre profissionais da área da Saúde e também para a população. Tivemos bolos e flores, que foram entregues sob a forma de presentes aos guerreiros da linha de frente.

Ajudamos idosos assistidos por equipamentos e entidades sociais com atividades básicas, como compras em supermercados e farmácias.

Contamos com a incansável atuação dos voluntários do programa Família Solidária, empenhados na montagem de kits de alimentação para famílias que enfrentam dificuldades.

Além disso, lançamos a Campanha do Agasalho e já recebemos mais de 3 mil peças no Drive Thru Solidário, instalado na sede da Secretaria do Verde e Meio Ambiente.

Em resumo, tudo mudou. Mas a nossa garra de seguir ajudando ao próximo segue inabalável. Na verdade, até se fortaleceu.

Distribuindo carinho

Distribuindo carinho
A Campanha do Agasalho é e sempre foi uma grande demonstração de afeto, união e solidariedade da população para com aqueles que enfrentam desafios financeiros, sociais e muitas vezes se veem desamparados/ Foto: Divulgação

Iniciamos nesta semana as entregas de cobertores da Campanha do Agasalho 2020. A ação se estende até o dia 22 de setembro, mas sempre começamos as distribuições o quanto antes, pois o frio não espera.

Para atender às orientações das autoridades da Saúde e evitar aglomerações, as famílias não participam das entregas. Deixamos as peças com as entidades e lideranças de bairros e essas, em um segundo momento, cuidam da distribuição.

É diferente não poder olhar nos olhos daqueles que serão efetivamente beneficiados e precisam daquela doação, mas temos a convicção de que estamos fazendo a coisa certa e zelando pela saúde de todos, que é a prioridade máxima neste momento.

Por isso, gostaria de transmitir às famílias o empenho e o carinho envolvido nesta ação. A Campanha do Agasalho é e sempre foi uma grande demonstração de afeto, união e solidariedade da população para com aqueles que enfrentam desafios financeiros, sociais e muitas vezes se veem desamparados.

Esta é a alma da campanha e o motivo pelo qual decidimos lançá-la, mesmo em meio a este momento tão complicado que ainda vivemos.

Peço, portanto, a quem pode para que contribua e faça sua doação, na sede da Secretaria do Verde e Meio Ambiente ou então em supermercados e farmácias, onde caixas de coleta da campanha estão sendo instaladas. Precisamos da ajuda de todos para que possamos continuar distribuindo carinho entre aqueles que mais precisam.

 

Defenda a infância e a juventude

Defenda a infância e a juventude
Em Mogi das Cruzes, recebemos recentemente e pela primeira vez o reconhecimento da Fundação Abrinq, com o Selo Prefeito Amigo da Criança/ Foto: Divulgação

Nesta semana, o Brasil inteiro lembrou e celebrou os 30 anos da criação do Estatuto da Criança e do Adolescente.

O documento é balizador no âmbito da defesa dos direitos de meninos e meninas com menos de 18 anos, uma vez que colocou esse público como prioridade absoluta e regrou temas importantíssimos referentes à vida e à saúde dos mais jovens.

Em Mogi das Cruzes, recebemos recentemente e pela primeira vez o reconhecimento da Fundação Abrinq, com o Selo Prefeito Amigo da Criança.

Isso foi fruto dos esforços feitos pela atual administração desde 2017, na adoção de políticas e mecanismos que visam sempre a proteção desse grupo tão vulnerável.

Ainda assim, não podemos dar a luta como vencida. Especialmente agora, em tempos de quarentena, muitos são os relatos de aumento no número de violações, em função principalmente do isolamento e das dificuldades financeiras trazidas pela pandemia.

Por isso, precisamos continuar batalhando para que denúncias sejam feitas. Só a partir do registro da ocorrência, é possível trabalhar em torno do restabelecimento de um ambiente íntegro e seguro, que permita aos mais jovens o desenvolvimento de suas capacidades e a efetiva formação de cidadãos.

Se tomar conhecimento de qualquer caso dessa natureza, não hesite. Entre em contato com o Disque 100 ou ligue para uma unidade do Conselho Tutelar. Defender a infância e a juventude é missão de todos nós.

 

Contornando momentos difíceis 

Contornando momentos difíceis
Enfrentei a Covid-19 e posso afirmar que ela não é simples ou corriqueira. Ela debilita, preocupa, persiste e precisa ser tratada de forma rigorosa/ Foto: Divulgação

Aos poucos, caminhamos rumo à superação desse grande desafio que tanto nos impactou. Fizemos nosso dever de casa e estamos evoluindo dentro do processo de retomada, sempre respeitando as orientações das autoridades da Saúde e colocando a vida como prioridade máxima.

Mas é fundamental lembrar que, apesar dos avanços, a pandemia e a quarentena ainda não chegaram ao fim.

Muitos estão ansiosos para restabelecer as atividades normais, o que é totalmente compreensível.

Porém, como nos comprovam as notícias, o vírus continua circulando e infectando muitos brasileiros.

Infelizmente, ainda não há uma solução definitiva para esta, que é a maior crise de saúde pública dos últimos 100 anos.

Enfrentei a Covid-19 e posso afirmar que ela não é simples ou corriqueira. Ela debilita, preocupa, persiste e precisa ser tratada de forma rigorosa.

Logo, peço mais uma vez para que os cuidados não sejam abandonados. Precisamos abraçar esse novo normal, no qual isolamento, distanciamento, máscaras e higiene são peças-chave.

Como disse desde o princípio, não é apenas uma questão de cuidar de si próprio. É preciso pensar na família, nos nossos amigos, vizinhos e na comunidade de uma maneira geral.

A pandemia, na verdade, serve como mais uma prova da força que tem a união de pensamentos e ações. Somente por meio dela, alcançamos vitórias e somos capazes de contornar até nossos momentos mais difíceis.

Mais leve e mais humano

Mais leve e mais humano
Em nome do cantor mogiano Raffa Augusto, gostaria de agradecer a todos os músicos e artistas da cidade que vêm dedicando seu tempo à prática de fazer o bem/ Foto: Divulgação

No último final de semana, o Fundo Social foi beneficiado por mais uma live musical, realizada com o intuito de angariar doações para famílias vulneráveis da cidade.

Por isso, em nome do cantor mogiano Raffa Augusto, gostaria de agradecer a todos os músicos e artistas da cidade que vêm dedicando seu tempo à prática de fazer o bem.

Desde o início da pandemia, vários profissionais da arte vêm se reinventando e descobrindo nos meios digitais uma nova forma de seguir com suas atividades e engajar público.

Além de provar como são versáteis e apaixonados pelo que fazem, eles têm sido essenciais para quem está em casa, cumprindo quarentena.

Quando falei sobre a prática de fazer o bem, não me referi apenas àqueles que pediram doações durante suas apresentações virtuais.

O bem, aqui, é um conceito mais amplo, pois trata da manutenção do acesso à cultura, que é essencial para garantir entretenimento, aguçar nosso senso crítico, ampliar repertórios e moldar muitas das visões que temos sobre a vida.

Deixo aqui, portanto, em nome do Fundo Social e também de todas as famílias que estão em isolamento, meu agradecimento a todos os trabalhadores do ramo artístico, por darem essa contribuição tão relevante neste difícil momento que atravessamos.

São atos assim que revelam uma outra face da complicada situação que estamos vivendo e acabam tornando tudo um pouco mais brando, mais leve e mais humano.

 

Jamais deixaremos de tentar

Jamais deixaremos de tentar
A Campanha do Agasalho sempre se propôs a levar um pouco de carinho e calor às famílias mais necessitadas da nossa cidade/ Foto: Divulgação

Apesar de todos os desafios impostos pela pandemia do novo coronavírus, fizemos, no último sábado, o lançamento oficial da Campanha do Agasalho 2020.

Entendemos que era importante relembrar o fato de que muitos seguem precisando de nossa ajuda, portanto promovemos algo simples, cumprindo rigorosamente as regras de distanciamento e os cuidados necessários, mas passando de forma eficiente a nossa mensagem.

A Campanha do Agasalho sempre se propôs a levar um pouco de carinho e calor às famílias mais necessitadas da nossa cidade.

Com tudo o que vivemos recentemente, é normal que as atenções tenham sido um pouco desviadas, porém precisamos nos lembrar que agora, mais do que nunca, muitos mogianos enfrentam dificuldades e carecem de auxílio.

Estenderemos a campanha deste ano até o dia 22 de setembro e as doações podem ser feitas na sede da Secretaria do Verde e Meio Ambiente, por meio da ação que apelidamos de Drive Thru Solidário ou então em supermercados e farmácias, onde caixas de arrecadação foram instaladas.

Como sempre, estamos recebendo roupas, agasalhos e cobertores, que estejam em bom estado e possam ser reaproveitados por outras famílias.

E, mais uma vez, contamos com a solidariedade e o apoio de todos aqueles que têm condições de ajudar.

Sabemos que, dificilmente, atingiremos as marcas de anos anteriores, mas em se tratando de uma causa tão nobre e a nós já tão familiar, jamais deixaremos de tentar. Ajudem! Participem!

 

Uma dose de carinho

Uma dose de carinho
Após um período de pouco mais de um mês isolada, em função da Covid-19, é muito bom ter a oportunidade de rever meus parceiros de ofício/ Foto: Divulgação

Mal consigo expressar a alegria que é poder enfim retomar minhas atividades profissionais. Após um período de pouco mais de um mês isolada, em função da Covid-19, é muito bom ter a oportunidade de rever meus parceiros de ofício e voltar a fazer o que eu mais gosto.

Nossa cidade, como a maioria já sabe, foi reclassificada para a fase laranja. Isso significa que alguns estabelecimentos podem voltar a funcionar, com uma série de restrições e novas regras, porém de forma alguma significa que a quarentena acabou.

Por isso, vale o reforço: se você ainda pode, continue em casa. Não saia, a não ser que seja para algo essencial.

Tão logo voltei, já tive o prazer de receber doações, que vão ajudar diversas frentes neste momento de pandemia.

Recebemos cestas básicas, destinadas a profissionais autônomos que tiveram suas atividades paralisadas durante a quarentena; cobertores, que vão para famílias em situação de vulnerabilidade e também máscaras, que foram entregues à Santa Casa de Mogi das Cruzes, para apoio aos profissionais, pacientes e colaboradores.

É emocionante voltar a presenciar diariamente esses atos, advindos de toda a parte. As doações já são tantas, que fica difícil numerar e nomear uma a uma, porém, a cada um que ajudou, deixo aqui meu agradecimento e minha admiração.

Para quem ainda puder e quiser contribuir, não hesite. Dê a sua dose de carinho, que nós, do Fundo Social, faremos questão que ela chegue àqueles que mais precisam.

Uma batalha vencida

Uma batalha vencida
Fico emocionada em dizer que superei um dos maiores desafios da minha vida/ Foto: Divulgação

Após um mês de isolamento e cinco exames realizados, finalmente testei negativo para o novo coronavírus.

Por isso, gostaria de aproveitar este espaço para falar um pouco sobre a minha experiência, sobre o alívio que é ter superado esse momento e sobre o poder de infecção desse novo vírus.

Fui diagnosticada no início de maio e os primeiros dias, em que os sintomas se manifestaram de forma mais intensa, foram de muita apreensão.

Perdi o olfato, paladar e tive muita falta de ar. Cheguei a pensar em me internar, mas acabei optando por continuar isolada em casa, seguindo todas as orientações passadas pelo médico.

Tive muito medo. Medo especialmente de como seria o dia seguinte, tanto para mim como para meus filhos e familiares, que também contraíram a doença.

Fiz isolamento dentro de minha própria casa, uma situação pela qual jamais imaginei que passaria. Após o quarto exame com resultado positivo, cheguei a sair de casa, já exausta com a situação.

Finalmente, na última segunda-feira, saiu o resultado de meu quinto e último exame, com resultado negativo.

Após quatro semanas, meu organismo se viu, enfim, livre desse vírus, mas observem o tempo que levou. Portanto, deixo aqui meu alerta para todos: não subestimem a Covid-19.

Fico emocionada em dizer que superei um dos maiores desafios da minha vida, mas o que eu quero de verdade é que, em breve, todos possamos nos reunir e celebrar juntos a vitória sobre essa grande batalha.