Prefeitura de Guararema

Priscila Yamagami (Podemos) se tornou vice-prefeita de Mogi das Cruzes ao lado de Caio Cunha (Podemos), em uma eleição desafiadora e complexa, haja vista, os inúmeros desafios impostos pela covid-19 durante o pleito. Caio Cunha e seus apoiadores mencionavam muito o termo co-prefeita, na qual sempre afirmaram que Priscila participaria assiduamente na gestão, e não seria somente um cargo figurativo.

O governo de Caio teve início em Janeiro e neste primeiro mês, de fato Priscila tem se mostrado uma vice-prefeita ativa e presente ao lado de Caio Cunha, principalmente no quesito educação, na qual ela tem auxiliado diretamente a secretaria na tomada de decisão para o retorno das aulas.

Priscila Yamagami concedeu uma entrevista exclusiva ao Jornal Oi e comentou sobre os desafios iniciais a frente da prefeitura nos primeiros trinta dias, além de comentar sobre a educação da cidade.

Jornal Oi: A senhora e o prefeito Caio Cunha completaram um mês à frente da prefeitura de Mogi das Cruzes, como a senhora pode descrever esses primeiros dias desafiadores de trabalho?

Priscila Yamagami: Como o tempo para nossa transição foi muito escasso (tivemos 20 dias úteis para o processo de transição) estamos nestes dias entendendo a situação de cada secretaria, processos e projetos. E em especial estamos muito empenhados nas providências do atual momento pandêmico com o Comitê Gestor da Retomada Gradativa de Atividades Econômicas, nossa agenda prioritária neste cenário em que enfrentamos tantos dilemas e tantas dificuldades.

Jornal Oi: Por ser professora, a senhora tem auxiliado diretamente o trabalho na secretaria de educação. A senhora avalia que a educação no país enfrenta o momento mais desafiador de sua recente história no século XXI? E quais são suas principais metas para auxiliar no crescimento da pasta na cidade de Mogi das Cruzes?

Priscila Yamagami: Sim, acredito que seja o momento mais desafiador e mais triste que já vivemos, porém ele nos abre uma janela de oportunidade incrível para o momento de transição que a educação já vem há tempos exigindo  e com isso o momento é de realizar a imersão para entender com profundidade as demandas da educação municipal e como implementar novas práticas e políticas da educação mogiana. Dentro da meta dos 100 dias gostaríamos muito de inserir o Pacto Municipal da Educação baseado em 7 dimensões sistêmicas da educação: Políticas públicas da educação; Valorização e capacitação dos professores; as Melhores práticas pedagógicas; a Administração dos ambientes educativos; as Comunidades de aprendizagem; a Articulação de parcerias intersetoriais e os Sistemas de Monitoramento e avaliação de indicadores. Por meio deste Pacto sem dúvida nenhuma elevaremos o patamar de educação de nossa cidade objetivando ser uma referência nacional.

Jornal Oi: O termo Co-prefeita foi utilizado em diversos momentos durante a campanha do prefeito Caio Cunha. A senhora avalia que esse termo tem sido de fato aplicado durante este início de mandato?

Priscila Yamagami: Sim. Com tantas demandas neste momento e num cenário tão complexo se apresentando numa cidade tão grande, é muito importante para o projeto de cidade que desejamos a multiplicação da atuação do prefeito e neste sentido eu atuo para somar forças com o prefeito  Caio Cunha e complementando as nossas expertises e nosso network para  possibilitar ampliar todas as oportunidades de melhoria na qualidade de vida dos mogianos aproveitando ao máximo todo o potencial de nossa cidade.

Jornal Oi: Na sua visão, quais devem ser os desafios neste primeiro ano de mandato à frente da prefeitura além da pandemia?

Priscila Yamagami: Adequar a cultura da gestão pública para além de uma cultura política de mandato, mas para um cultura do “servir verdadeiramente e efetivamente” o projeto de cidade que inserimos em nosso plano de governo. Elevar o patamar deste governo com um “choque” positivo de gestão, gestão de pessoas e talentos, maximizar os recursos com mais entregáveis para a cidade e resultados que denotem o valor percebido de um serviço público de excelência, transparência e participação colaborativa. Implementar ainda uma cultura de inovação no sentido de fazer as “mesmas coisas” de formas diferentes e com mais agilidade também será desafiador, mas muito empolgante.

Jornal Oi: Qual sentimento pode descrever a vice-prefeita ou co-prefeita de Mogi das Cruzes Priscila Yamagami Kähler neste primeiro mês?

Priscila Yamagami: Nestes primeiros dias o sentimento é dúbio: de ser resiliente, para fortemente enfrentarmos este desafio que é a pandemia e as suas tão severas e tristes consequências, assim como a vontade imensurável de realizar, de criar e cooperar também para soluções neste momento de crise antevendo o “novo normal” com muitas ações efetivas, sustentáveis e de impacto positivo na vida de todos que vivem em Mogi das Cruzes.