Antes tarde que nunca: Ginásio Municipal de Mogi servirá como abrigo para pessoas em situação de rua
A acolhida no Ginásio terá início às 19 horas e o serviço será encerrado na manhã do dia seguinte, após a oferta do café da manhã/ Foto: Divulgação
Prefeitura de Suzano

Em função das baixíssimas temperaturas que vêm sendo registradas ao longo dos últimos dias, a prefeitura de Mogi das Cruzes decidiu providenciar mais uma medida de acolhimento para pessoas em situação de rua: a partir desta sexta-feira, 30, o Ginásio Municipal Professor Hugo Ramos ficará aberto durante a noite e a madrugada, para receber e abrigar a população de rua.

A acolhida no Ginásio terá início às 19 horas e o serviço será encerrado na manhã do dia seguinte, após a oferta do café da manhã.

O foco é atender uma eventual demanda reprimida, que não possa ser contemplada pelas cinco unidades de acolhimento institucional já existentes na cidade.

O atendimento é espontâneo, portanto, para quem busca o abrigo, basta ir direto ao local. Munícipes que queiram ajudar também podem encaminhar ao local pessoas em situação de rua, bem como doar lanches e roupas.

“Se você conhece ou se deparar com alguém em situação de rua, oriente e ajude essa pessoa a ir para o acolhimento. A abertura do Ginásio é uma medida adicional que tomamos, para reforçar o atendimento a esse público, que é o mais vulnerável e mais exposto realmente às condições do tempo”, destaca o prefeito, Caio Cunha.

Além de camas, colchões e cobertores, para garantir o pernoite, a prefeitura também providenciou estrutura para a higienização e alimentação dos abrigados.

A preparação foi feita a partir de uma grande mobilização, que envolveu diversas Secretarias Municipais. Tudo obedece ainda aos protocolos sanitários, para evitar a contaminação pela Covid-19.

O acolhimento é de caráter excepcional, portanto funcionará apenas no período da noite e madrugada, que são os momentos mais críticos de frio e somente nos dias com temperaturas mais baixas.

A abertura do Ginásio é uma alternativa ao serviço já ofertado diariamente pela Assistência Social, que faz as abordagens, das 8 às 23 horas, distribui cobertores àqueles que não aceitam a oferta do acolhimento institucional e encaminha os que aceitam para as cinco unidades já existentes na cidade. Não há registro de superlotação nessas unidades.

Após as 23 horas, o serviço é feito pela Guarda Municipal, que está treinada e orientada para tal e deve ser acionada pelo telefone 153.

Nos últimos dias, em função do frio, a Guarda também tem atuado de forma reforçada, tanto com a abordagem quanto com a distribuição de cobertores.