Alckmin e Haddad lideram a disputa ao governo de SP. ‘Virada vai custar caro’ para os tucanos e mais ainda para o Estado
A pesquisa foi realizada de segunda (13) a quarta-feira (15) da semana passada e ouviu 2.034 pessoas de 16 anos ou mais em 70 cidades do estado/ Foto: Divulgação
Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde

Os dados de uma pesquisa publicada originalmente pelo jornal Folha de SP nesse domingo, 19, e reproduzida por diversos veículos de imprensa apontam que o ex-governador Geraldo Alckmin, que deve sair do PSDB e ingressar no PSD, lidera a corrida eleitoral para o governo do Estado de São Paulo em 2022 com 26% das intenções de voto.

Fernando Haddad (PT) vem numericamente em segundo, com 17%, e lidera com 23% em um cenário sem Alckmin.

Confira a seguir os mais diversos cenários pesquisados pelo Datafolha. Todos indicam que o pré-candidato do atual governador João Doria (o vice-governador Rodrigo Garcia – PSDB) terá de reverter um quadro muito negativo.

Os números abaixo, que podem ser conferidos e comparados, são importantes para as cidades e as lideranças políticas do Alto Tietê, principalmente porque o PL dos deputados André do Prado e Marcio Alvino e do prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi, é o partido que apoia de forma mais intensa a pré-candidatura de Rodrigo Garcia.

Veja o resultado do primeiro cenário (Intenção de voto – situação A):

Resposta estimulada e única, em %:

Geraldo Alckmin (PSDB): 26%

Fernando Haddad (PT): 17%

Márcio França (PSB): 15%

Guilherme Boulos (PSOL): 11%

Tarcísio de Freitas (sem partido): 4%

Arthur do Val (Patriota): 4%

Abraham Weintraub (sem partido): 1%

Vinicius Poit (Novo): 1%

Em branco/nulo/nenhum: 17%

Não sabe: 3%

No primeiro cenário estimulado pelo instituto, após Alckmin aparecem Haddad (17%), o ex-governador Márcio França (PSB, com 15%, empatado tecnicamente com o petista) e, em seguida, Guilherme Boulos (PSOL, com 11%), líder de movimentos de habitação.

Na sequência vêm o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas (sem partido, com 4%) —tido hoje como o pré-candidato apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido)— e o deputado estadual Arthur do Val, o Mamãe Falei (Patriota, com 4%).

Por fim, com 1% cada, o ex-ministro da Educação Abraham Weintraub (sem partido) e o deputado federal Vinicius Poit (Novo). Nulo ou branco somam 17% dos entrevistados; 3% responderam que não sabem.

A pesquisa foi realizada de segunda (13) a quarta-feira (15) da semana passada e ouviu 2.034 pessoas de 16 anos ou mais em 70 cidades do estado. A margem de erro do levantamento é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Veja o resultado do segundo cenário (Intenção de voto – situação B):

Resposta estimulada e única, em %:

Fernando Haddad (PT): 23%

Márcio França (PSB): 19%

Guilherme Boulos (PSOL): 13%

Tarcísio de Freitas (sem partido): 6%

Rodrigo Garcia (PSDB): 5%

Arthur do Val (Patriota): 5%

Abraham Weintraub (sem partido): 2%

Vinicius Poit (Novo): 1%

Em branco/nulo/nenhum: 22%

Não sabe: 4%

O segundo cenário estimulado pelo Datafolha não tem Alckmin e inclui o atual vice-governador do estado, Rodrigo Garcia (PSDB).

O nome dele tem o apoio do atual governador, João Doria (PSDB), que tenta se viabilizar como candidato tucano para a Presidência.

Garcia, que deixou recentemente o DEM, aparece em quinto lugar, com 5%, atrás de Haddad (23%), França (19%), Boulos (13%) e Tarcísio (6%). Arthur também tem 5%, Weintraub possui 2% e Poit, 1%.

Segundo o Datafolha, a diferença entre Haddad e França, de quatro pontos percentuais, está no limite máximo da margem de erro, portanto uma situação improvável de empate técnico. Votos brancos e nulos chegam a 22%; 4% das pessoas ouvidas disseram não saber em quem votar.

Rejeição eleitoral

O Datafolha também perguntou aos entrevistados em quem eles não votariam de jeito nenhum.

Geraldo Alckmin e Fernando Haddad, que aparecem à frente na corrida eleitoral para o governo de São Paulo, também são só que têm as maiores taxas de rejeição no eleitorado.

Veja o resultado para rejeição

Resposta estimulada e múltipla, em %:

Geraldo Alckmin (PSDB): 36%

Fernando Haddad (PT): 34%

Guilherme Boulos (PSOL): 27%

Arthur do Val (Patriota): 20%

Márcio França (PSB): 20%

Rodrigo Garcia (PSDB): 17%

Abraham Weintraub (sem partido): 17%

Tarcísio de Freitas (sem partido): 16%

Vinicius Poit (Novo): 16%

Rejeita todos/não votaria em nenhum: 7%

Votaria em qualquer um/não rejeita nenhum: 3%

Não sabe: 4%