A Secretaria de Saúde de Suzano, por meio do Departamento de Vigilância Sanitária, vistoriou na tarde desta última quarta-feira (13 de setembro) o prédio localizado no número 200 da rua Antônio Marques Figueira, no centro, que vai abrigar uma unidade hospitalar da Clínica Saint Nicholas. O reconhecimento físico da área por parte das autoridades sanitárias teve como objetivo sinalizar possíveis adequações em toda a estrutura. Hoje, o secretário municipal de Saúde, o médico Luis Cláudio Rocha Guillaumon, fará pessoalmente a segunda parte da inspeção.

Com início às 14h30, a vistoria do prédio, que por anos abrigou o Hospital e Maternidade Campos Salles, teve à frente o chefe da Vigilância Sanitária de Suzano, Mauro Vaz, bem como técnicos do órgão vinculado à Secretaria Municipal de Saúde, além do proprietário da Saint Nicholas, Marcelo Godofredo, e dos arquitetos Kleber Hideki Hagio e Ana Rosa Ciochi da Silva, que ficarão responsáveis pelas futuras intervenções da unidade.

A primeira parte da inspeção teve a premissa de identificar possíveis adequações da área, considerando as estruturas física, elétrica e hidráulica. Durante a checagem, observações foram anotadas pelos servidores da Vigilância Sanitária, para serem, posteriormente, compiladas num documento, que será disponibilizado à empresa hospitalar. O relatório também vai abarcar informações por parte do titular da Secretaria de Saúde de Suzano, que fará pessoalmente uma visita técnica ao prédio amanhã:

“O local é antigo e está fechado há um tempo. Por isso, fizemos essa vistoria hoje (13 de setembro), para checarmos quais pontos deverão passar por adequações. Foi analisado, inclusive, todo o perímetro de área construída. Com todas as informações em mãos das duas vistorias, incluindo a que farei e a dos técnicos da Vigilância Sanitária, a municipalidade poderá emitir um laudo à Saint Nicholas, sinalizando, inclusive, possíveis melhorias”, afirmou Guillaumon.

Para o prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi, a cidade só tem a ganhar com um novo hospital, em razão de o município, nos últimos anos, ter perdido unidades médicas para a crise e para outras condições desfavoráveis ao segmento:

“A abertura de um novo hospital em Suzano não significa, tão somente, uma opção de atendimento ao cidadão, mas, também, a geração de mais empregos e a arrecadação de impostos para a cidade – aporte que, posteriormente, é aplicado em benefício para a população em diversas áreas, como Saúde, Educação, Infraestrutura Urbana, Segurança, Esporte e Cultura”, concluiu o chefe do Poder Executivo.

 

Cronologia

O Hospital Campos Salles encerrou suas atividades em dezembro de 2010. Na época, a Samcil anunciou que a estrutura seria submetida à reforma, visando reabertura. Contudo, os planos não tiveram prosseguimento.

Pouco tempo depois, a Santa Casa de Misericórdia de Suzano – que, até então, contava com duas unidades – deu início a uma reforma no local, alegando que, no prédio, iria funcionar uma terceira unidade. No entanto, posteriormente, o endereço foi arrematado em leilão pela clínica Poá D’or. No local, foi implantado um hospital particular, o Suzancor. A unidade foi aberta em 2016 e oferecia serviço de Pronto-Atendimento (PA). Pouco tempo depois, porém, também fechou às portas.

Em julho deste ano, a estrutura foi adquirida pela Saint Nicholas, que conta com duas clínicas e um PA funcionando em Suzano.