Vereadores querem que deputados federais ‘coloquem um fim’ aos cortes de verbas do governo Temer
Sem citar nomes, vários vereadores afirmaram que os deputados da região precisam impedir que o governo Temer continue preocupado apenas em se manter no poder em vez de buscar soluções para os problemas de Mogi e região / Foto: Divulgação

Vereadores de Mogi das Cruzes estão cobrando a atuação dos deputados federais eleitos pela região do Alto Tietê (e os deputados federais em geral) que atuem politicamente para que o governo do presidente Michel Temer (MDB) pare de cortar verbas destinadas ao custeio de serviços públicos essenciais como a saúde, educação e destinadas às obras de infraestrutura.

A cobrança dos vereadores mogianos aconteceu na sessão da Câmara de terça-feira após o vereador Chico Bezerra (PSD) apresentar uma moção contra a decisão do governo federal de cortar verbas destinadas ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Chico Bezerra denunciou que por meio da Medida Provisória de número 839, publicada no último dia 30 de maio o governo federal retirou cerca de R$ 179 milhões que seria destinado ao custeio da saúde e afirmou que o governo Temer estaria sendo irresponsável ao retirar dinheiro da saúde de outras áreas essenciais.

Ele lembrou que a Emenda Constitucional de 2016 que congelou os gastos do governo federal por 20 anos – irá retirar cerca de R$ 400 bilhões da área da saúde nas próximas duas décadas.

O assunto foi intensamente debatido pelos vereadores José Antônio Cuco Pereira (PSDB), Rodrigo Valverde (PT), Péricles Bauab (PR), Mauro Araújo (MDB) e Jean Lopes (PC do B).

Os vereadores ressaltaram que a iniciativa do governo Temer poderá causar estragos no sistema de saúde em Mogi.

Sem citar nomes, vários vereadores afirmaram que os deputados da região precisam impedir que o governo Temer continue preocupado apenas em se manter no poder em vez de buscar soluções para os problemas de Mogi e região.

Os vereadores não chegaram a citar nomes, mas obviamente eles ‘sonham’ com alguma ação política que  force o governo Temer a parar de congelar gastos e cortar recursos para áreas essenciais.

Os deputados Junji Abe (MDB), Marcio Alvino (PR), Keiko Ota (PSB) e Guilherme Mussi (PP), além de outros que tiveram votos em cidades do Alto Tietê poderão se manifestar nas próximas horas.