Foto: Irineu Junior

A Prefeitura de Suzano realiza a ampliação do número de salas de aula em cinco escolas da rede municipal de ensino a partir de uma tecnologia inovadora. O tradicional modelo construtivo, de alvenaria, deu lugar ao método que utiliza painéis de Cross Laminated Timber (CLT) ou laminado de madeira cruzada e madeira laminada colada para edificação das estruturas.

O objetivo com a mudança é promover o incremento na quantidade de vagas, evitar o antigo terceiro turno nas unidades (das 15 às 19 horas) e garantir uma melhor qualidade do ambiente aos alunos, tudo no menor tempo possível. As obras começaram em fevereiro e deverão ser concluídas em maio.

Ao todo, serão nove salas de aula novas, para atendimento de mais de 200 alunos, nas escolas municipais Luiz Rodrigues de Oliveira, no Jardim Alterópolis; Edna Leite Lima, no Jardim Varan; Odário Ferreira da Silva, no Jardim Belém, distrito de Palmeiras; Carlos Ferreira de Aguiar, na Vila Amorim; e José Adelino Moreira de Azevedo, no Jardim Vitória.

A tecnologia é importada da Europa e está sendo aplicada nessas unidades pela empresa Crosslam, especializada nesse tipo de material e que foi contratada pela construtora Tenda, responsável pelas obras de ampliação como contrapartida estabelecida em Termo de Compromisso com a Prefeitura de Suzano, em razão da construção de empreendimentos residenciais que está prestes a iniciar na cidade.

Na manhã dessa quarta-feira, 18, foi realizada vistorias em duas unidades escolares que estão passando pelos serviços, na Vila Amorim e no Jardim Vitória, para apresentar esse modelo construtivo novo, explicar sobre os benefícios e dirimir as dúvidas a respeito.

Participaram os secretários municipais de Educação, Leandro Bassini; de Planejamento Urbano e Habitação, Elvis Vieira; de Comunicação Pública, Marcelo Prado; e de Governo, Rosenil Barros Orfão; o presidente da Câmara de Suzano, Leandro Alves de Faria; o parlamentar Edirlei Junio Reis, que preside a Comissão Permanente de Educação do Legislativo; e representantes dos vereadores Lisandro Frederico e Rogério Gomes do Nascimento. Servidores das pastas envolvidas e jornalistas também acompanharam a atividade. Leia mais ao lado.

Secretário Rosenil ataca boatos sobre a volta das escolas de madeirite

Os representantes da Prefeitura e da Câmara de Vereadores, puderam conhecer como as obras estão sendo executadas e receber as explicações técnicas do proprietário da empresa Crosslam, José Alberto Corrêa Gonçalves Filho.

Em seguida, também visitou a fábrica onde são produzidas as peças, na Vila São Pedro, em Palmeiras. As estruturas que estão sendo montadas abrigam uma ou duas salas de aula, com capacidade para 25 alunos de educação infantil cada, e têm até 49 metros quadrados de área. Os laminados de madeira são instalados sobre uma base de radier (laje de concreto armado) anexa aos prédios das escolas beneficiadas.

O material utilizado é mais ecológico, não acarreta em problemas de umidade, garante uma qualidade do ambiente superior às estruturas de alvenaria, tem uma durabilidade semelhante ao convencional e ainda permite manutenção de maneira mais fácil, principalmente porque os painéis de madeira laminada que formam as paredes vêm com espaços destinados à fiação elétrica e ao encanamento. Além disso, a utilização do material – feito a partir de Pinus reflorestado tratado – gasta menos água, emite pouco gás carbônico e evita os desperdícios tão comuns em uma obra tradicional, que chega a 35% do que é usado. Também é resistente a altas temperaturas que atingem até mil graus Celsius – a resistência em alvenaria é de até 600 graus.

O combate às fofocas e boatos recentes, de que essa iniciativa seria o retorno das antigas “escolas de madeirite”, foi destacado pelo secretário de Governo como uma das preocupações da administração municipal.

“Informações improcedentes sobre esta iniciativa eram propagadas em todo lugar e isso era muito ruim. Queremos recuperar o que foi perdido de políticas estruturantes, como é a Educação, pois elas precisam de continuidade”, comentou.