Sem provas para incriminar os procuradores, Biruta prorroga o afastamento dos ‘desafetos’. Advogados vão continuar recebendo sem trabalhar
Na semana passada o Oi Diário questionou a prefeitura sobre o desfecho da sindicância aberta pela gestão municipal para apurar possíveis irregularidades (crimes) praticadas pelos procuradores/ Foto: Divulgação
Prefeitura de Mogi

Apesar de o governo do prefeito Zé Biruta (PRB) estar fazendo um grande esforço para manter em absoluto sigilo todo o imbróglio que envolve o afastamento dos procuradores da prefeitura de Ferraz de Vasconcelos, a reportagem  do Jornal Oi não desiste de sua missão de arrebentar ‘mais essa caixa preta’ lacrada pelo governo Biruta em respeito ao direito que o povo de Ferraz tem de saber sobre as ações e/ou picaretagens do governo.

Na semana passada o Oi Diário questionou a prefeitura sobre o desfecho da sindicância aberta pela gestão municipal para apurar possíveis irregularidades (crimes) praticadas pelos procuradores que foram afastados por um prazo de dois meses.

Ocorre que esse prazo de 60 dias venceu na semana passada e por esse motivo a reportagem questionou o governo sobre o assunto.

O prefeito Biruta e sua assessoria não se manifestaram, mas nessa segunda-feira, 22, fontes ligadas ao gabinete do prefeito revelaram que a prefeitura decidiu estender por mais dois meses a sindicância aberta contra os procuradores.

“A sindicância aberta pela prefeitura da cidade contra os procuradores foi prorrogada por mais dois meses. Com isso, o desfecho final para o caso dos procuradores deverá acontecer até o dia 5 de dezembro. Importante dizer que se trata de um processo envolvendo pessoas conhecedoras da lei e, portanto, tudo precisa ser feito dentro da mais perfeita  legalidade, ou seja, dando direito a ampla defesa e ao contraditório sob pena de a sindicância ser anulada pela Justiça”, disse, sob a condição do anonimato, uma fonte ligada ao gabinete do prefeito que, no entanto, segue devendo esclarecimentos à sociedade.

Primeiro que até este momento o governo não explicou de forma clara e objetiva os motivos que levaram a (1ª) suspensão dos procuradores (advogados contratados por meio de concurso para defender os interesses da prefeitura).

O governo do prefeito Biruta também precisa revelar o que de irregular foi descoberto em relação aos procuradores nos primeiros 60 dias da sindicância e revelar, principalmente, porque a prefeitura segue pagando os salários dos procuradores que há mais de dois meses não trabalham por causa dos efeitos da suspensão administrativa imposta a eles pela prefeitura. Os procuradores também poderão se manifestar sobre o assunto nas próximas horas.