Secretários de Arujá apresentam prioridades de 2020 em audiência da LDO
Presente, o prefeito José Luiz Monteiro clamou por mais participação popular nas audiências públicas como forma de construção de um município mais equilibrado socialmente/ Foto: Divulgação
Prefeitura de Mogi das Cruzes

As prioridades e necessidades de cada área da administração municipal para o próximo ano foram pontuadas pelos secretários da prefeitura de Arujá em audiência pública da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), realizada no Paço Municipal, nesta segunda-feira, 25.

De acordo com o secretário de Finanças, Caio Araújo, a Prefeitura trabalha com uma projeção de crescimento de 4% para o Orçamento do ano que vem, em relação ao de 2019, o que consistiria em R$ 306 milhões de receita.

“Isso obviamente depende de muitas variáveis, dos momentos político e econômico do País ao longo do ano que teremos quando encaminharmos, no segundo semestre, a LOA (Lei Orçamentária Anual), até considerando que 70% do nosso Orçamento é composto de transferências estaduais e federais. Por isso que queremos ouvir a todos: este é o momento de pensarmos a cidade”, afirmou.

Presente, o prefeito José Luiz Monteiro clamou por mais participação popular nas audiências públicas como forma de construção de um município mais equilibrado socialmente.

“Isso aqui (LDO) não está fechado e se tiver algo definido que vocês discordem, iremos sentar e debater porque temos de discutir com a população o que vai ser feito com o dinheiro dela. É o morador, mais que ninguém, que sabe o que seu bairro precisa”, afirmou o prefeito.

Além de secretários municipais e representantes das Pastas (Juvenal Penteado, Maria Luzia Salles Couto, Eduardo Pinhel, Carlos Roberto Vissechi, Júlio Taikan Yokoyama, Leandro Larini, Vanderlúcia Oliveira, Bruno Prado e Elaine Mariano), a audiência foi acompanhada pelos vereadores Cristiane Araújo Pedro, a Cris do Barreto, Ana Poli, Luiz Fernando Alves de Almeida e Rafael Laranjeira e alguns moradores.

Laranjeira fez apontamentos sobre o planejamento da Secretaria de Educação quanto à melhoria de escolas. Presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Arujá (Sindismar), Miguel Latini falou sobre custos com folha de pagamento e sobre a necessidade do órgão estar junto da prefeitura na discussão de assuntos que envolvam diretamente o trabalho e o direito dos funcionários da administração municipal. Infraestrutura nos bairros e cobrança de impostos foram outros temas abordados.

Propostas

Apresentadas pelos representantes das Secretarias, as diretrizes para o próximo ano incluem a manutenção de serviços existentes, a aquisição de veículos e obras nas mais diversas áreas.

Na área da Assistência Social as prioridades são manter programas como Renda Mínima, Frente de Trabalho e Jovem Aprendiz, garantir os serviços de atenção social básica e especializada oferecidos por CRASs, CREAS, Centro Dia do Idoso, além de convênios com entidades e outros órgãos.

Para a Saúde foram pontuadas ações para otimizar o atendimento nas UBSs, a entrega do Centro de Atenção Psicossocial, o início da gestão partilhada do Canil Municipal com a Secretaria de Meio Ambiente, a mudança do administrativo da Pasta para um prédio próprio, além do funcionamento de unidades como o Centro de Especialidades Médicas (CEM), que será aberto no próximo mês.

Municipalização do sistema de iluminação pública a partir de janeiro, reforma do velório municipal, revitalização da sinalização viária e modernização de praças públicas foram apontamentos da Secretaria de Serviços e Governo.

A de Meio Ambiente destacou a implantação do Plano Municipal de Resíduos Sólidos e a necessidade de aquisição de caminhão gaiola para a coleta seletiva de lixo.

Obras aguardadas há anos na cidade, a construção de escolas municipais no Jordanópolis e Jardim Emília e a cobertura de quadras em unidades já existentes foram algumas das diretrizes da Secretaria de Educação.

Já na área da Segurança Pública as prioridades apontadas foram a implantação da Muralha Eletrônica via sistema de monitoramento, a renovação de uniformes e aquisição de armamento.

“Com o uso da tecnologia nós iremos buscar formas de aumentar a arrecadação da cidade para que a gente precise cada vez menos de recursos estaduais ou federais para investir na cidade”, explicou o secretário de Finanças.

Câmara

O projeto de lei da LDO 2020 será encaminhado para a Câmara até 15 de abril.