Procuradores de Ferraz seguem afastados e enfrentam parecer ‘negativo’ do MP em pedido de liminar para retomarem seus cargos
Na semana passada o Oi questionou a prefeitura sobre quando o impasse poderá ser superado, mas a administração ferrazense nada esclareceu/ Foto: Divulgação
Prefeitura de Mogi das Cruzes

Afastados do cargo no mês passado por determinação do prefeito Zé Biruta (PRB), os procuradores de Justiça de Ferraz de Vasconcelos seguem longe de seus cargos e, pior que isso, sem perspectivas de retomarem suas atividades como defensores dos interesses da prefeitura.

Nessa quarta-feira o Jornal Oi apurou que os procuradores acionaram a Justiça em Ferraz com o objetivo de derrubar a decisão do governo municipal de afastá-los do cargo.
Ocorre que o Ministério Público, chamado pelo juiz do caso a se manifestar sobre o pedido dos procuradores, teria dado um parecer nada favorável aos procuradores que são concursados e alegam (faz muito tempo) serem vítimas de perseguição implacável da parte do governo ferrazense.

O Oi apurou também que o processo em que os procuradores pedem liminarmente o fim da suspensão imposta a eles pelo prefeito segue em segredo de Justiça e, portanto, a decisão do juiz (após a manifestação do MP) só será conhecida pelas partes envolvidas.
Advogados ouvidos pelo Oi observaram que existe uma boa chance de o juiz seguir o parecer da promotoria e dessa forma a liminar deverá ser negada.

Para a promotoria, os procuradores estariam praticando irregularidades e ‘testando’ o tempo todo tanto o MP quanto o Poder Judiciário.

No atual cenário não se descarta, nos bastidores políticos e jurídicos de Ferraz, a possibilidade de ‘finalmente’ a prefeitura (no caso o governo do prefeito Zé Biruta) conseguir o afastamento dos procuradores que poderão se manifestar sobre o assunto nas próximas horas.

O prefeito Zé Biruta e sua assessoria também poderão se manifestar sobre mais essa guerra travada entre os procuradores e o governo nas próximas horas. Na semana passada o Oi questionou a prefeitura sobre quando o impasse poderá ser superado, mas a administração ferrazense nada esclareceu.