Presidente Bolsonaro diz que ataque na escola de Suzano foi uma covardia sem tamanho
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) não escondeu a sua indignação/ Foto: Divulgação
Prefeitura de Mogi das Cruzes

O massacre dessa quarta-feira na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, causou forte repercussão em todo o Brasil e também fora do País. O presidente Jair Bolsonaro (PSL) não escondeu a sua indignação. “Presto minhas condolências aos familiares das vítimas do desumano atentado ocorrido hoje na Escola Professor Raul Brasil, em Suzano, São Paulo.

Uma monstruosidade e covardia sem tamanho. Que Deus conforte o coração de todos!”.
O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) lamentou a tragédia. “Mais uma vez, nosso país é abalado por uma grande tragédia. O Governo Federal manifesta seu profundo pesar com os fatos ocorridos na cidade de Suzano, em São Paulo, apresentando suas condolências e sinceros sentimentos às famílias das vítimas de tão desumana ação”.

O governador João Doria (PSDB) manifestou-se inicialmente em sua rede social. “Acabo de receber a triste notícia de que crianças foram cruelmente assassinadas na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano. Cancelei toda agenda e estamos a caminho de Suzano p/ acompanhar o resgate e atendimento aos feridos”.

Quando chegou em Suzano o governador ficou chocado com o que viu. “Foi à cena mais triste que já assisti em toda a minha vida. Fico muito triste que um fato como este ocorra em São Paulo, ocorra no Brasil. Estou consternado, chocado”, afirmou o governador.

Damares Alves, ministra de Mulher, Família e Direitos Humanos ficou estarrecida. “Acordamos hoje com esta terrível notícia e estou estarrecida. Às famílias manifesto meu imenso pesar e coloco este Ministério à disposição para prestar todo o apoio necessário”.

Dias Toffoli, ministro do STF, abriu a sessão na corte lamentando o massacre. “É com profundo pesar e tristeza que recebemos a notícia que tirou a vida e feriu estudantes professores e funcionários. Em nome da corte manifestamos nosso sentimento de pesar e solidariedade às famílias e aos amigos das vítimas, e a toda sociedade, que também é vítima de tragédias como essa. Violências como essa não fazem parte da nossa cultura. Não podemos aceitar que o ódio entre em nossa sociedade”.

Guilherme Boulos, coordenador do MTST e da Frente Povo Sem Medo disse que é preciso colocar um fim ao culto da violência. “Tragédia em Suzano: ao menos 5 jovens mortos a tiros por 2 adolescentes, que depois se mataram. Nossa solidariedade aos familiares e a toda comunidade escolar neste momento tão doído. É preciso dar um basta ao culto da violência, que apresenta armas como ‘ideal de força’”.