Porque acontecem tragédias como Brumadinho
A gestão pública tem um vício que fez com que a tragédia de Brumadinho fosse possível: administrar responsabilidades em vez de administrar riscos/ Foto: Leo Corre/AP
Governo do Estado de São Paulo ( Detran )

A grande responsável pelo que aconteceu em Minas é a Vale. Mas o Estado também tem sua parcela de culpa. A gestão pública tem um vício que fez com que a tragédia de Brumadinho fosse possível: administrar responsabilidades em vez de administrar riscos.

E isso é determinante para os resultados que temos visto nas histórias das tragédias brasileiras. Ao administrar as responsabilidades, o gestor público prefere reagir.

Algo acontece, procuram-se os culpados e há uma caça as bruxas para mostrar serviço à opinião pública. Se administrasse riscos, o governo agiria baseado na prevenção para minimizar possíveis danos e maximizar a qualidade serviço público.

Não se administrou os riscos em Mariana. Nada daquilo precisaria acontecer para que os políticos entendessem a importância de discutir as características da exploração do mineiro brasileiro, quais as barragens que apresentam sustentabilidade em suas operações e quais as medidas de prevenção e gestão de acidentes.

Não houve nenhuma discussão sobre os riscos e os caminhos. Ninguém foi preso e a SAMARCO não pagou sequer 1 real de multa. Deu no que deu.

Agora procuram-se os culpados pela tragédia de Brumadinho.

Outro exemplo aconteceu na cidade de São Paulo. Há alguns dias vimos um viaduto ceder num das maiores vias da cidade de São Paulo, a Marginal Pinheiros.

Só aí que os gestores públicos descobriram a lei da gravidade e que viadutos não duram para sempre e foram fiscalizar com atenção outros locais na cidade.

Algumas semanas depois outra interdição, na Marginal Tietê um viaduto que da acesso à Dutra foi interditado por risco de cair.

A prefeitura jogou a responsabilidade para o DNIT e o DNIT para a prefeitura. Mais uma vez, procuram-se os culpados em vez de administrarem os riscos.

Quem não sem lembra do desabamento da ciclovia Tim Maia no Rio de janeiro, em 2016? Havia a chance de uma forte onda bater na ciclovia localizada a beira mar ao lado de uma encosta de pedra.

A prefeitura carioca não administrou esse risco e foi o que aconteceu, 2 pessoas morreram. Dois anos depois ninguém foi responsabilizado pela tragédia.

Quando se soma a opção por administrar responsabilidade com a corrupção e a incompetência o resultado é a impunidade.

O governo escolhe administrar responsabilidades e falha nisso. É a perpetuação do descaso e da injustiça como políticas de Estado. Triste.