Por 13 votos a zero, vereadores afastam o ‘prefeito aloprado’ de Biritiba do cargo. Esse não volta mais
O prefeito Jarbas aparece em um vídeo entregando maços de dinheiro a três vereadores de Biritiba/ Foto: Reprodução
Prefeitura de Suzano

Por 13 votos a zero (votação unanime) os vereadores de Biritiba Mirim afastaram do cargo, na tarde desta quinta-feira, 30, o prefeito Jarbas Ezequiel (PV).

Quando a decisão dos vereadores chegar ao Cartório Eleitoral, instalado em Mogi, o ‘prefeito aloprado’ será oficialmente afastado e o vice, Walter Tajiri (PTB), poderá assumir o comando do governo. A posse do novo prefeito deverá acontecer ainda nesta sexta-feira, 31.

Jarbas Ezequiel, que deverá entrar para a história da política de Biritiba e da região como trapalhão e sem noção, perdeu o cargo de prefeito (inicialmente por 30 dias) em razão do pedido feito à Câmara por um morador da cidade após a divulgação de um vídeo em que o prefeito aparece entregando maços de dinheiro a três vereadores do município.

Esses três vereadores foram afastados na semana passada e naquele momento ficou claro que a desastrosa passagem de Jarbas pela prefeitura tinha chegado, prematura e vergonhosamente, ao seu final.

O pedido de abertura da Comissão Processante e o afastamento do prefeito durante o processo de investigação foi apresentado por um morador. Ele justificou o pedido sob o argumento de que Jarbas agiu com falta de decoro parlamentar, de modo que compromete a integridade moral e os bons costumes.

Além disso, o morador lembrou que o prefeito responde na justiça pelo fato de nomear para integrar o quadro de secretários da cidade um ‘parceiro’ do ex-prefeito de Ferraz Acir Filló (que está preso), mesmo ciente de que este ‘parça’ de Filló respondia pelo crime de lavagem de dinheiro e ligação com o crime organizado. Neste caso, a justiça já decretou, em primeira instância o afastamento do prefeito de Biritiba.

Mesada para os vereadores governistas  

Após a divulgação do vídeo com o pagamento das mesadas, os vereadores que aparecem nas imagens, Eduardo Melo (DEM), José Rodrigues Lares conhecido como “Zé do Brejo” (PV) e Paulo Rogério dos Santos, o “Paulinho da Júlio” (PTB) ficaram sem ir à Câmara até o dia da sessão extraordinária, na última sexta-feira, quando foram afastados.

As cadeiras vagas foram ocupadas pelos suplentes Fábio Rogério Barbosa, conhecido como Fábio Mohammad (DEM); Juniel da Costa Camilo, conhecido como Júca Bar (PV); e Valter Antonio de Miranda, conhecido como Valter D’água (PTB).

Jarbas poderá, em breve, fazer companhia para Filló  

O vídeo em que envolve o prefeito dando dinheiro aos vereadores, segundo o Ministério Público, faz parte de uma investigação que começou em novembro de 2017 e apura o aumento no valor dos contratos da área da saúde que, de R$ 5 milhões no governo anterior, passaram para R$ 10 milhões na gestão de Jarbas.

No entanto, em abril deste ano, uma Comissão Especial de Inquérito na Câmara arquivou o caso, com a ajuda dos vereadores que aparecem no vídeo recebendo o dinheiro. Antes disso, o mandato do prefeito já havia sido investigado na Câmara.

A primeira foi em novembro, quando uma Comissão Especial foi aberta para apurar a conduta do prefeito devido à investigação do Ministério Público em relação à nomeação de pessoas para o alto escalão do governo que são ligadas a uma organização criminosa que age dentro e fora dos presídios.

Mas o assunto acabou arquivado talvez porque o prefeito e os três vereadores afastados (e talvez outros também) receberam/recebiam mesadas para encobertar/abafar as inacreditáveis lambanças praticadas por Jarbas Ezequiel, o aloprado.

Não será surpresa se em pouco tempo, Jarbas for fazer companhia ao ex-prefeito de Ferraz, Acir Filló, que desde o ano passado está preso em uma cadeia do Vale do Paraíba.