Paulistano domina o Mogi, em pleno “Hugão”, e abre 1 a 0 na decisão do NBB
Paulistano vence o Mogi e abre a 1 a 0 na final do NBB / Foto: João Pires/LNB
Vai Encarar ?

No primeiro duelo entre a experiência e a juventude, melhor para o jovem time do Paulistano que venceu o Mogi das Cruzes por 99 a 82, na tarde deste sábado, no ginásio Hugo Ramos, e abriu um 1 a 0 na final do NBB.

Nem mesmo o barulho dos quase 5.000 torcedores presentes foram capazes de parar o time comandado pelo técnico Gustavo De Conti, que foi superior durante os 40 minutos e saiu na frente da briga pelo título nacional.

O cestinha da partida foi ala-pivô Tyrone, do Mogi, com 24 pontos. Pelo lado vencedor, o armador Deryk, com 23 pontos, foi o maior pontuador ao lado do ala-armador norte-americano Kyle Fuller, com 20 pontos, e do ala-pivô Lucas Dias com 15 pontos.

As duas equipes voltam a se enfrentar na próxima quinta-feira, às 19h30, no ginásio Wlamir Marques, em São Paulo. O jogo 3 está marcado para sábado dia 26 de maio, às 12h35, novamente na capital paulista. Se necessário, o quarto jogo acontece em Mogi, e o quinto, também se necessário, em São Paulo.

Domínio do Paulistano

O Paulistano começou tomando as ações na partida e logo de cara abriu sete pontos de frente (9 a 2). Com pouco mais de dois minutos jogados, o técnico Guerrinha, do Mogi, pediu tempo para tentar por ordem no ataque mogiano, que desperdiçava muitas bolas. O ala Jimmy, com oito pontos, era a única saída no sistema ofensivo do Mogi.

As bolas de três, principal arma do Paulistano, começaram a cair, e, comandado pelo norte-americano Fuller, dono de 15 pontos na parcial, o time foi aproveitando para construir a vantagem no jogo. Desta forma, a equipe da capital venceu o primeiro período por 30 a 14.

A forte defesa montada pelo técnico Gustavo De Conti era o reflexo da superioridade da equipe da capital, que dificultava a vida do ataque do Mogi. Na base da individualidade de Shamell e Tyrone, os mogianos começaram a encontrar espaços no ataque adversário e passaram a pontuar mais. Porém, o Paulistano mostrava frieza dentro de quadra trabalhando bem a bola, e mantendo um ótimo aproveitamento da linha do três (62.5%), conseguiu segurar a diferença no placar e ir para os vestiários vencendo por 52 a 33 (22 a 19).

Mogi entra no jogo

Na volta do intervalo, o Mogi se mostrou mais ligado no jogo. Tyrone, com 10 pontos nos cinco primeiros minutos, começou a esboçar uma reação do Mogi na partida. Amparado pela vantagem construída no primeiro tempo, o Paulistano se mantinha na liderança do placar. Larry Taylor era outra peça dos mogianos que começou a funcionar dentro de quadra. Autor de 10 tentos no período, o armador ajudou seu time a diminuir a vantagem do adversário para nove pontos (70 a 61). Mesmo perdendo a parcial (32 a 24), o Paulistano foi para a última parte do duelo vencendo por 76 a 65.

Paulistano consolida a vitória

A última parcial começou mais disputada com duas equipes tendo dificuldades para pontuar. Na frente desde o início, o Paulistano ia administrando a diferença de 15 pontos no placar. A vantagem da equipe da capital só aumentava graças a mão certeira de Deyk, 10 pontos na parcial fundamental para garantir a vitória do Paulistano por 99 a 82.