O presidente Michel Temer (PMDB) se reuniu na noite desta quinta-feira, 8, no Palácio do Jaburu com o ex-deputado federal de Mogi das Cruzes, Valdemar Costa Neto, o Boy, um dos principais caciques do PR, preso no escândalo do mensalão do PT.

De acordo com os sites dos principais jornais do País, Valdemar estava acompanhado pelo ministro dos Transportes, Mauricio Quintella, que vai deixar o cargo até abril para disputar eleições.

A imprensa de Brasília apurou que um dos principais motivos da conversa foi o apoio do PR à reforma da Previdência. O partido quer manter o ministério, além de outros cargos de segundo escalão, como diretorias de bancos públicos, em troca da votação favorável às mudanças na aposentadoria.

O encontro entre Temer e Valdemar não constava na última atualização de agenda do presidente. A Secretaria de Comunicação Social do governo federal afirmou que o presidente Temer confirmou ter recebido Valdemar para discutir as trocas ministeriais, uma vez que Quintella deixará o posto nos Transportes em março. Mas a assessoria do presidente disse que nenhum martelo foi batido e são “conversas iniciais”.

Um dos nomes mais cotados para a vaga hoje ocupada por Quintella é o do senador Wellington Fagundes (PR-MT). Fagundes é uma das autoridades que a Polícia Federal intimou no inquérito contra o presidente Temer no Supremo Tribunal Federal – mas ele vem adiando sua fala aos investigadores.

O senador é apontado por executivos da empresa Rodrimar como um dos interlocutores do setor portuário, assim como Rodrigo Rocha Loures.

Intimado a depor, Fagundes disse à PF, por meio de sua defesa, que está fora do país, em missão oficial em Los Angeles, nos Estados Unidos, de 25 de janeiro a 17 de fevereiro. Diante desse fato, a PF afirma que tentará ouvi-lo no dia 19 ou 20 de fevereiro, “tendo em vista a expiração do prazo do inquérito em sede policial em 20 de fevereiro”.

Perguntada se Valdemar apresentou algum projeto a Temer para o setor de transportes em troca dos cargos, a assessoria de imprensa do PR informou que a reunião com o presidente Temer, nesta quinta, tratou de aspectos relacionados à construção de uma maioria para a aprovação da reforma da Previdência. Quem visitou o presidente Temer a noite, no Palácio do Jaburu, e sem agenda foi o empresário Joesley Batista que aproveitou a conversa clandestina para gravar o presidente. É certo que Costa Neto não agiria (gravando a conversa) da mesma forma que Batista.