Oi cobra detalhes do início das obras e tempo de garantia (dado pela empresa) para a reconstrução da Marginal do Una
A retomada dessa obra iniciada há cerca de 30 anos foi anunciada no último dia 28 pelo prefeito Ashiuchi/ Foto: Glaucia Paulino/ Oi Diário
Prefeitura de Suzano Refis

A reportagem do Jornal Oi cobrou nessa quarta-feira, 11, da Prefeitura de Suzano informações detalhadas dos primeiros serviços da empresa contratada pela administração municipal para fazer a reconstrução da avenida Marginal do Una.

A retomada dessa obra (que foi iniciada há cerca de 30 anos pela Prefeitura e nunca ficou pronta) foi anunciada no último dia 28 pelo prefeito Rodrigo Ashiuchi (PR). Confira a seguir as perguntas feitas pelo Oi em relação a obra e os esclarecimentos enviado ao jornal pela Secretaria de Comunicação.

As perguntas do Oi

1 – De que forma foi iniciada a obra de reconstrução da Marginal do Una: elaboração de projeto? Troca de solo? Recuperação do asfalto?

2 – Em quais pontos da avenida os trabalhos já estão sendo executados?

3 – A Prefeitura pode revelar algum desenho/maquete/esboço de como ficará a avenida depois de pronta?

4 – Quantas pessoas a empresa já contratou para essa obra?

5 – Ao final da reconstrução – qual será o prazo de garantia da obra definido em contrato pela empresa e Prefeitura?

As respostas do governo

As informações são da Secretaria de Manutenção e Serviços Urbanos de Suzano, que está acompanhando os trabalhos: o projeto da reconstrução da Marginal do Una já está na etapa de elaboração do projeto, com trabalhos sendo realizados nos trechos da avenida que estavam fechados ao público. Já começou a demolição do pavimento em tal trecho, para na sequência ser realizada a troca de solo na pista.

O trabalho de fresagem e recapeamento será realizado de maneira a causar o menor impacto possível no tráfego de veículos, em etapas posteriores.

A contratação de profissionais está a cargo da empresa responsável pelos trabalhos, que está utilizando predominantemente maquinário pesado para os trabalhos no local.

A garantia da obra, segundo define a legislação vigente, é de cinco anos para reparos.
A Administração Municipal também já entrou em contato com as concessionárias de água, eletricidade, gás e outros serviços para iniciar as tratativas sobre intervenções e melhorias no local, com o objetivo de causar o menor impacto posterior à obra para reparos em tubulações subterrâneas.