Mogi: ‘ponte’ do rio Tietê em Volta Fria é (ou deveria ser) motivo vergonha na maior cidade da região
A situação dessa ponte é precária há muitos anos e desde o ano passado somente carros de passeio podem cruzar a ponte da Volta Fria / Foto: Glaucia Paulino/ Oi Diário

Na tarde desta terça-feira, 12, guardas municipais da prefeitura de Mogi das Cruzes orientavam motoristas e pedestres que tentavam passar pela ponte sobre o rio Tietê que liga o bairro da Volta Fria ao distrito de Jundiapeba.

Enquanto orientavam os condutores de veículos e os moradores de Volta Fria, os guardas municipais acionavam (por volta das 14h20) as Secretarias de Obras e de Serviços Urbanos, pois uma das madeiras que formam a passagem sobre o rio (sim, a ponte é feita de ferro velho e madeira) quebrou e saiu do local – colocando em risco (maior ainda) os condutores e pedestres que utilizam ponte.

A situação dessa ponte é precária há muitos anos e desde o ano passado somente carros de passeio podem cruzar a ponte da Volta Fria. A prefeitura de Mogi restringiu (proibiu) a passagem de caminhões e ônibus no local, por motivos de segurança.

O estado dessa ponte deveria ser motivo de vergonha para a maior e mais rica cidade do Alto Tietê. Em junho de 2017, depois de reclamações de usuários do acesso e denúncias da imprensa, a prefeitura mogiana fez obras paliativas para que a ponte continuasse sendo utilizada. A obra tanto foi paliativa que foi tomada a decisão de se restringir da utilização da ponte.

O governo de Mogi poderá se manifestar nas próximas horas sobre como o dano verificado na ponte na tarde desta terça-feira e também por quais motivos o governo do Estado de São Paulo segue ignorando o pedido feito pela cidade em 2015 (em uma visita do governador Geraldo Alckmin) para que a estrada da Volta Fria fosse pavimentada, o que incluiria uma construção de uma ponte decente no local.