Prefeitura de Mogi das Cruzes

Interminável (no bom sentido) é um termo que resume a trajetória do deputado federal de Mogi das Cruzes, Junji Abe, de 77 anos. O parlamentar mogiano será o entrevistado do programa “Vai Encarar?”, ao vivo, desta segunda-feira, 23.

A prova de que Junji é um batalhador incansável da política está no fato de que ele acaba de trocar o PSD de Gilberto Kassab pelo MDB de Michel Temer; o objetivo é disputar a reeleição para deputado neste ano.

A saída de Junji Abe, bem como a de seu filho e atual vice-prefeito de Mogi, Juliano Abe do PSD agitou os bastidores da politica mogiana. A ida dos Abe ao MDB deixou claro que não havia espaço no PSD para Junji e Juliano e também para Marco Bertaiolli – o  coordenador do PSD e pré-candidato a deputado federal.

Para chegar a ponto de ameaçar a eleição de Bertaiolli neste ano, pois deverá ter ao menos 25 mil votos em Mogi, Junji Abe protagonizou uma longa e vitoriosa carreira política. Depois de atuar no Sindicato Rural, Junji foi eleito vereador em Mogi. Isso na década de 1970.

Nos anos de 1980 concorreu para prefeito, mas não obteve sucesso. Candidatou-se e foi eleito deputado estadual e foi reeleito. Na eleição de 2000 foi eleito prefeito ao vencer Chico Bezerra em uma eleição bastante contestada.  Assumiu com a missão de fazer mais que o lendário ex-prefeito Waldemar Costa Filho.

Junji Abe teve sucesso, tanto é que se reelegeu no 1ºturno e, em 2009, conseguiu eleger também no 1ºturno o seu sucessor, no caso Marco Bertaiolli que neste ano será seu adversário na eleição para deputado. Não faltaram polêmicas, acusações, denúncias processos e até condenações neste tempo em que Junji manteve-se no topo da política mogiana.

Desafetos e brigas políticas também marcaram a trajetória de Junji – sendo que o principal desencontro político foi com o ex-deputado e todo poderoso ‘dono’ do PR, Valdemar Costa Neto. No “Vai Encarar?”, Junji Abe, vai ser questionado sobre tudo isso e muito mais.

Polêmicas, brigas e intrigas a parte, o fato é que Junji Abe merece ter o seu nome gravado na história de Mogi. Ele assumiu o comando da cidade na virada do século passado, comandou a prefeitura por oito anos e conseguiu acelerar o processo de crescimento econômico e social da cidade. Junji abriu a cidade (que estava fechada pelo ex-prefeito Waldemar Costa Filho) a parcerias com os governos federal e estadual e fincou os alicerces para a transformação de Mogi em uma referência regional e estadual.