Juliana Cardoso defende empoderamento feminino durante lançamento da cartilha “Basta de Violência”
A suzanense, que é pré-candidata à deputada federal pelo PR-SP, falou sobre empoderamento, e defendeu que o tema tem tudo a ver com a libertação de mulheres que são agredidas por seus parceiros/ Foto: Verônica Ribeiro
Prefeitura de Mogi das Cruzes

Diante de um público de mais de 200 pessoas, a engenheira ambiental e mestre em Administração Pública Juliana Cardoso ministrou palestra sobre empoderamento feminino durante o lançamento da cartilha “Basta de Violência”.

A publicação faz menção às mulheres que sofrem agressão física e psicológica e valoriza ações que combatam esse tipo de crime.

O encontro foi abrigado na Associação Fukushima Kenjin de Suzano (rua Tokuzo Terazaki, 142 – Vila Urupês). A cartilha foi idealizada pela advogada suzanense Maria Margarida Mesquita, que tem vasta experiência no engajamento de políticas públicas de defesa às mulheres que sofrem com a violência doméstica.

“Fiquei muito honrada ao ser convidada pela doutora Margarida (Mesquita) para ministrar uma palestra no lançamento desta cartilha, ainda mais sendo numa semana muito especial, quando se comemora o aniversário de 12 anos da lei federal Maria da Penha (11.340)”, validou Juliana.

Na oportunidade, a suzanense, que é pré-candidata à deputada federal pelo PR-SP, falou sobre empoderamento, e defendeu que o tema tem tudo a ver com a libertação de mulheres que são agredidas por seus parceiros.

“A mulher tem de se empoderar e criar força para sair desta situação (violência doméstica). Para tanto, a mulher tem de romper uma grande barreira. É por isso que cada mulher que é capaz de virar o jogo se torna inspiração para outras de nós”, ressaltou a engenheira ambiental.

A cartilha lançada em Suzano tem 24 páginas e abarca explicações sobre a Lei Maria da Penha, bem como dados sobre violência doméstica e dicas de como se proteger e denunciar os agressores.

“Esta cartilha é um instrumento e tem que andar na bolsa de vocês”, sinalizou Juliana à plateia.

Luta pelas mulheres 

Há mais de 20 anos, a advogada Maria Margarida Mesquita atua com políticas públicas que defendam o sexo feminino. Segundo a especialista, o lançamento do copilado é “um sonho realizado”.

“Faço esse trabalho e combato a violência doméstica por amor, ao mesmo tempo que encaro isso como missão. Há anos que estou nesta luta em defesa das mulheres. Hoje é um dia especial. Eu só tenho a agradecer”, finalizou Margarida.