Já está preso o segurança acusado de ter estuprado e matado Rayane
O segurança confessou, segundo informações da polícia, que matou a jovem depois de ter oferecido uma carona para ela/ Foto: Divulgação
Prefeitura de Suzano Refis

Foi preso na noite dessa terça-feira, 30, em Guararema, Michel Flor da Silva, de 28 anos. Ele é acusado de ter matado por estrangulamento a jovem Rayane Paulino Alves, de 16 anos. O sujeito que trabalhava como segurança, inclusive, já teria confessado à Polícia Civil a prática do crime que gerou grande repercussão nos últimos dias.

O segurança confessou, segundo informações da polícia, que matou a jovem depois de ter oferecido uma carona para ela. Para a polícia houve estupro, mas homem alega que relação sexual foi consensual e que depois a adolescente “surtou”.

Rayane ficou desaparecida por oito dias, depois de sair de uma rave em um sítio no limite entre Mogi das Cruzes e Guararema. O corpo dela foi encontrado no último domingo, 28.

A jovem teria saído da festa e pegado carona com um motorista de aplicativo até a Rodoviária de Guararema.

Segundo a polícia, o motorista da primeira carona prestou depoimento e realmente deixou a adolescente no local, onde ela pegaria um ônibus para Mogi.

De acordo com o delegado Rubens José Ângelo, Michel estava trabalhando na rodoviária como segurança e disse à polícia que, ao ver Rayane sozinha, se ofereceu para levá-la até a casa dela.

“Michel confessa cabalmente a prática do crime. Ele diz que encontra Rayane no terminal rodoviário de Guararema e ela estava meio cambaleando. Em dado momento ela sentou em um banco naquela rodoviária”, disse o delegado.

“Ele ofereceu uma carona, perguntou se ela estava bem. Ofereceu uma água e ela não aceitou. Ofereceu a jaqueta para ela se esquentar. Ela também não aceitou. Daí nesse momento ele oferece uma carona”, continua o delegado em reportagem publicada no site G1.

Segundo o delegado, no depoimento, Michel – que é capoeirista – afirmou que Rayane havia dito que queria curtir a noite e que ele propôs que fossem até uma balada, em Jacareí, e por isso mudaram o rumo.

“Eu não acredito nessa versão. Eu acredito que ele já tenha levado ela para estuprá-la”, afirma Ângelo. “Em dado momento, no km 170 da Dutra, ele para às margens da rodovia e ali, segundo ele, ele mantém a conjunção carnal com ela”, continua o delegado.

“Segundo a versão dele, que talvez seja isolada, ele Rayane se arrependeu e teria dito o seguinte: ‘olha o que você fez comigo, você me estuprou! Meu pai é polícia, ele vai te matar’. É uma versão dada pelo Michel, que é isolada. E, neste momento, Rayane teria dado um chute nele. E ele, seguidamente, aplicou um golpe mata-leão no pescoço de Rayane porque ele é lutador de artes marciais, capoeira, há mais de 12 anos, e ela desfaleceu”, explica Ângelo.

O delegado acredita que a jovem foi violentada em Jacareí, onde o celular foi encontrado, perto de um lago. A polícia descobriu ainda na semana passada que o aparelho tinha feito uma chamada para o 190, provavelmente para um pedido de socorro.

Ainda de acordo com a polícia, Michel afirmou que, depois, levou Rayane para a área de mata em Guararema, onde o corpo foi encontrado. Ali, ele disse que asfixou a vítima usando um cadarço.

“Ele tem curso de primeiros socorros. Ele aferiu o pulso de Rayane, bem como a veia jugular do pescoço. Ela ainda estava viva. Ele vendo isso e temendo que fosse descoberto o estupro, ele pegou a bota de Rayane que estava no assoalho do banco de passageiro dianteiro, do lado de Rayane, pegou o cardarço, colocou em seu pescoço até matá-la”.

Segundo o delegado, depois ele voltou a trabalhar normalmente no terminal após o crime. Imagens do circuito de monitoramento de Guararema ajudaram na investigação. A polícia já estava com todas as provas contra Michel desde domingo, mas o suspeito não foi preso antes por causa da legislação eleitoral.

A Justiça decretou a prisão temporária do segurança, que vai responder por homicídio quadruplamente qualificado, bem como o crime de estupro. “Existem quatro qualificadores: motivo torpe, recurso que dificultou a defesa da vítima, asfixia e ocultar a vantagem de outro crime, que seria o estupro”, detalhou o delegado à reportagem do G1. Entenda o caso.