A reportagem do Jornal Oi e a Coluna Bastidores vem chamando a atenção, desde o final de 2017, sobre a disposição (apetite) do governo do prefeito Mamoru Nakashima (PSDB) e de seu vice, Mario Charutinho, em fiscalizar o transporte coletivo de Itaquá.

É obrigação e dever da prefeitura fiscalizar e exigir transporte público de qualidade, mas neste início de 2018 o governo Mamoru tem demonstrado uma vontade em fiscalizar que nunca ocorreu (no caso nunca foi tornada pública pela prefeitura) nos cinco anos em que Mamoru esteve à frente do governo.

O interessante é que este pode ser o último ano de contrato entre a CS Brasil (Júlio Simões) e a prefeitura de Itaquá, por outro lado, este é também um ano eleitoral e em Itaquá cogita que tanto o vice-prefeito Charutinho, quanto a primeira-dama Joerly Nakashima (PR) serão candidatos a deputado na eleição de outubro.

 

Fiscalização na garagem da CS Brasil

Na semana passada o governo do prefeito Mamoru determinou o recolhimento de 20 coletivos da CS Brasil que, segundo a prefeitura, não estavam em condições de atender a população. Nessa segunda-feira, 12, o governo foi além e realizou uma operação (por meio da Secretaria de Transportes) na garagem da CS Brasil.

O objetivo da ‘empreitada’ (termo usado pelo governo) foi verificar se a empresa possui a chamada “reserva técnica” de veículos e como está sendo feita a manutenção dos ônibus. O secretário de Transportes, Luís Cláudio Rodrigues, participou da ação juntamente com fiscais e verificou o funcionamento da oficina da empresa.

“Hoje estamos verificando como está sendo feita a manutenção dos veículos em relação a motor, lataria, câmbio, limpeza, tapeçaria, entre outros itens, pois a população está insatisfeita com as condições dos ônibus que estão circulando na cidade”, disse Rodrigues.

Os fiscais constataram que a empresa possui a “reserva técnica”, mas que existiam veículos além do necessário da garagem. A direção da empresa explicou que os veículos em excesso no pátio estavam passando por manutenção para atender as exigências da Secretaria Municipal de Transportes e que estariam em circulação nos próximos dias, além disso, a CS Brasil pretende entregar e colocar em operação mais 18 ônibus nos próximos 15 dias. De acordo como secretário de Transporte a fiscalização seguirá intensa.

 

Estudo para definir modelo de licitação e serviços ainda é um mistério

Na informação transmitida pelo governo de Itaquá, sobre a fiscalização realizada ontem na garagem da CS Brasil, o prefeito Mamoru fala sobre uma de suas principais promessas na campanha à reeleição. A licitação do transporte público, tão esperada pela população, irá acontecer neste ano segundo o prefeito: “Iremos fazer um contrato de prestação de serviço do transporte público que beneficie a população”, disse.

Ainda em 2016, Mamoru assegurou que contrataria um estudo técnico que apontaria as principais necessidades do serviço, levando-se em consideração as necessidades da população. A execução (e resultados) desse estudo técnico ainda são um mistério em Itaquá.

CEI do transporte coletivo (da CS Brasil) deve ‘reforçar’ o ataque a empresa

Nessa terça-feira, 13, os vereadores que integram a Comissão Especial de Inquérito (CEI), que foi instaurada para apurar possíveis irregularidades no serviço de transporte coletivo municipal deverá definir o cronograma de ação (de oitivas e visitas) contra a empresa CS Brasil.

Comandada pelo vereador e pré-candidato a deputado estadual, Rolgaciano Fernandes Almeida (PODE) como presidente e os vereadores, Alexandre de Oliveira da Silva (SD), o Xandão, e Roberto Letrista (PSDB), como relator e membro, respectivamente, a CEI deverá reforçar o ataque (fiscalização intensa) do governo Mamoru contra a empresa que foi contratada pela prefeitura na gestão do ex-prefeito Armando da Farmácia.