Governo de SP libera mais de R$ 12 milhões para o ‘turismo’ em Poá e Salesópolis. ‘Dinheiro jogado fora’?
As propostas reapresentadas pelas prefeituras já estão sendo recebidas e analisadas pelo Governo de São Paulo a partir de critérios técnicos e orçamentários/ Foto: Glaucia Paulino/Oi Diário
Prefeitura de Mogi das Cruzes

O governador João Doria liberou, na última sexta-feira, 22, R$ 360 milhões para as Estâncias Turísticas de São Paulo.

Estes recursos contribuirão de forma significativa, segundo o Secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, para que obras e programas vinculados ao desenvolvimento do turismo possam ser concluídos nas 70 cidades reconhecidas como estâncias no estado.

Na região do Vale do Paraíba, 14 cidades receberão R$ 63 milhões.

“Acelerar o ritmo das ações governamentais é um objetivo da gestão Doria. Antes mesmo de completarmos dois meses de governo, propiciamos condições para que nossas cidades possam desenvolver suas ações de turismo e assim beneficiar a população, tanto aquela que trabalha e vive do setor, como aquela que viaja para nossas estâncias em busca de lazer e atividades culturais”, disse Vinholi.

“O Governo está colocando a casa em ordem”, afirmou o Secretário de Turismo, Vinícius Lummertz.

“Este é o padrão do atual administração: cumprir integralmente o que foi acordado com os prefeitos”, acrescentou.

No último dia 8, as Secretarias de Turismo e Desenvolvimento Regional uniram esforços para viabilizar a retomada de obras conveniadas até 2017 e que tiveram empenhos cancelados.

Na mesma reunião, secretários estaduais, prefeitos e representantes de associações do setor também discutiram o Decreto 64.067/2019, que cancelou 176 convênios de infraestrutura turística firmados em 2018, na gestão anterior, sem reserva orçamentária prevista em lei.

Lummertz e Vinholi apresentaram aos prefeitos das estâncias e MITs (Municípios de Interesse Turístico) proposta para garantir os recursos aos municípios.

A solução foi usar a verba do orçamento de 2019 para o pagamento de obras e serviços pendentes. Com o acordo aprovado na reunião, a estância de Ibirá saiu à frente.

Famosa por suas fontes de água mineral, Ibirá foi à primeira cidade beneficiada pela nova proposta da gestão Doria aos municípios turísticos.

A prefeitura apresentou projeto para ampliação do Complexo Aquático da cidade e, após a reforma, a expectativa é que Ibirá passe a receber 8.000 visitantes por mês.

As propostas reapresentadas pelas prefeituras já estão sendo recebidas e analisadas pelo Governo de São Paulo a partir de critérios técnicos e orçamentários.

No que se refere às duas cidades do Alto Tietê contempladas  (Poá e Salesópolis) fica a dúvida sobre o que as prefeituras/prefeitos dessas cidades farão (efetivamente) com os vultosos recursos liberados pelo governo do Estado.

Isso porque no inicio deste ano,  em um levantamento feito pelo Instituto Bras Santos, constatou-se junto a centenas de moradores dessas duas cidades que o turismo praticamente não existe nos dois municípios – isso a despeito do dinheiro liberado todos os anos aos municípios considerados estâncias turísticas como são o caso de Poá e Salesópolis.

Em 2016 o então secretário de Turismo do Estado, Romildo Campelo, informou que entre 2011 e 2016, o Estado liberou mais de R$ 60 milhões para projetos e obras de turismo, isso somente em Poá.

Abaixo, a relação das 70 estâncias beneficiadas, com seus respectivos valores, publicada nesta sexta (22), no Diário Oficial de São Paulo:

  • Águas da Prata – R$ 2.679.533,71
  • Águas de Lindoia  – R$ 3.383.163,75
  • Águas de Santa Bárbara – R$ 2.868.631,10
  • Águas de São Pedro – R$ 2.762.970,24
  • Amparo – R$ 4.253.368,56
  • Analândia – R$ 2.652.033,86
  • Aparecida – R$ 3.242.812,01
  • Atibaia – R$ 357.188,23
  • Avaré – R$ 4.652.617,29
  • Bananal – R$ 2.681.297,81
  • Barra Bonita – R$ 3.143.960,08
  • Batatais – R$ 3.287.914,38
  • Bertioga – R$ 8.115.850,41
  • Bragança Paulista – R$ 7.570.064,37
  • Brotas – R$ 3.159.896,69
  • Caconde – R$ 2.684.953,22
  • Campos do Jordão – R$ 4.969.743,29
  • Campos Novos Paulista – R$ 2.594.522,58
  • Cananéia – R$ 2.760.401,82
  • Caraguatatuba – R$ 10.340.049,31
  • Cunha – R$ 2.641.710,02
  • Eldorado – R$ 2.609.721,07
  • Embu das Artes – R$ 5.606.985,86
  • Guaratinguetá – R$ 4.435.006,30
  • Guarujá – R$ 22.772.578,32
  • Holambra – R$ 3.030.513,45
  • Ibirá  – R$ 2.712.119,67
  • Ibitinga – R$ 3.051.870,25
  • Ibiúna – R$ 4.075.405,80
  • Igaraçu do Tietê – R$ 2.714.653,11
  • Iguape – R$ 2.762.551,15
  • Ilha Comprida – R$ 3.452.194,17
  • Ilha Solteira – R$ 2.751.578,36
  • Ilhabela – R$ 4.182.145,24
  • Itanhaém – R$ 6.223.700,15
  • Itu – R$ 8.296.793,14
  • Joanópolis – R$ 2.674.727,08
  • Lindóia – R$ 2.703.930,68
  • Mongaguá – R$ 4.893.144,64
  • Monte Alegre do Sul – R$ 2.687.609,85
  • Morungaba – R$ 2.678.240,65
  • Nuporanga – R$ 2.639.237,53
  • Olímpia – R$ 4.177.964,07
  • Paraguaçu Paulista – R$ 3.095.123,10
  • Paranapanema – R$ 2.971.282,51
  • Pereira Barreto – R$ 2.760.675,33
  • Peruíbe – R$ 4.833.441,51
  • Piraju – R$ 3.010.237,12
  • Poá – R$ 10.154.564,74
  • Praia Grande – R$ 20.121.443,42
  • Presidente Epitácio – R$ 2.856.478,77
  • Ribeirão Pires – R$ 4.830.648,92
  • Salesópolis – R$ 2.642.944,09
  • Salto – R$ 5.408.663,16
  • Santa Fé Do Sul – R$ 3.237.493,41
  • Santa Rita do Passa Quatro – R$ 3.051.474,04
  • Santo Antônio do Pinhal – R$ 2.656.216,28
  • Santos – R$ 39.006.941,87
  • São Bento do Sapucaí –R$ 2.668.877,25
  • São José Do Barreiro – R$ 2.584.184,60
  • São Luiz do Paraitinga – R$ 2.672.651,97
  • São Pedro – R$ 3.331.803,89
  • São Roque – R$ 4.345.313,76
  • São Sebastião – R$ 10.761.941,19
  • São Vicente – R$ 11.406.811,18
  • Serra Negra – R$ 3.609.276,25
  • Socorro – R$ 3.296.016,22
  • Tremembé – R$ 3.352.270,35
  • Tupã – R$ 3.742.360,40
  • Ubatuba – R$ 6.215.417,38