Governo de Ferraz diz que procurador ‘poderia destruir provas’ e por isso recebeu voz de prisão
O procurador em questão chama-se Marcus Vinícius Santana Matos Lopes que após um rápido bate boca, que contou também com a participação de outro procurador afastado (Gabriel Lins), entra em uma viatura da Guarda Municipal/Foto: Reprodução
Prefeitura de Mogi das Cruzes

No final da tarde desta quinta-feira, 21, o governo de Ferraz respondeu aos questionamentos do Jornal Oi sobre o incidente registrado diante do gabinete prefeito Zé Biruta (PRB).

De acordo com imagens enviadas à redação do Oi, guardas municipais e outros funcionários da prefeitura deram voz de prisão a um procurador municipal que está afastado do cargo desde o ano passado.

O procurador em questão chama-se Marcus Vinícius Santana Matos Lopes que após um rápido bate boca, que contou também com a participação de outro procurador afastado (Gabriel Lins), entra em uma viatura da Guarda Municipal.

Confira abaixo os argumentos do governo ferrazense para mais um triste episódio que em nada vai melhorar a vida da população:

  • Cinco procuradores municipais respondem a diversos processos disciplinares e investigações em sindicâncias; foram intimados e só poderiam estar presentes nas dependências da sala de Audiências da Comissão de Sindicância e Processo Administrativo Disciplinar, por estarem sob efeito de medida cautelar de afastamento, não podendo transitar em qualquer dependência do Paço Municipal ou departamento da Municipalidade pelo risco de influenciar a instrução dos processos que respondem.
  • No dia de hoje estava convocada uma audiência em um dos processos onde seriam ouvidas testemunhas;
  • Entretanto, momentos antes de iniciar a audiência um dos procuradores de nome Marcus Vinícius Santana Matos Lopes, desrespeitando ordem manifestamente legal, divulgada através de portaria e publicada no Boletim Oficial do Município, invadiu, sem autorização, as dependências do Departamento Jurídico a fim de, possivelmente, destruir provas, coagir testemunhas e praticar a coação no curso do processo, também fazer a subtração de bens e vasculhar  documentos de propriedade da Prefeitura;
  • Diante do ato ilegal, e no estrito cumprimento do dever, o Corredor Municipal, Dr. Natal Rocha de Souza, sendo informado do ocorrido por outros servidores que presenciaram os fatos, deu voz de prisão ao investigado;
  • A Guarda Municipal foi acionada para conduzir o agente ao distrito policial para as providências que a justiça acharem necessárias;
  • Vale ressaltar que a administração municipal sempre pautou-se  pelo compromisso com a Legalidade e Moralidade Pública, garantido a todos os envolvidos o amplo acesso ao direito de defesa e contraditório.