Prefeitura de Mogi das Cruzes

Um grupo de cerca de 50 moradores protestou contra o aumento na cobrança da taxa de lixo deste ano que precisa ser paga juntamente com o carnê do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) durante a sessão ordinária da Câmara Municipal de Ferraz de Vasconcelos, na noite de segunda-feira, 9.

Exibindo cartazes e gritando palavra de ordem, os manifestantes queriam uma posição oficial dos vereadores que aprovaram a matéria de autoria do Poder Executivo no final do ano passado.

Depois do fim da sessão ordinária, uma comissão de moradores acabou sendo recebido pelo presidente da Casa, Flavio Batista de Souza (PTB), o Inha e por demais vereadores em plenário. Na ocasião, durante 30 minutos, os moradores insatisfeitos com os valores da taxa de lixo criticaram o governo municipal e, ao mesmo tempo, pediram o apoio do Legislativo a sua reivindicação, ou seja, eles buscam uma redução no preço do tributo. Com a taxa de lixo, a Prefeitura estima uma receita anual de R$9 milhões.

Segundo eles, em alguns casos, os valores da taxa de lixo aumentaram mais de 300%, em comparação com o ano passado, o que representa um verdadeiro absurdo. Além disso, os manifestantes disseram que na hora de majorar a cobrança da taxa de lixo, o Poder Executivo não levou em consideração o poder aquisitivo do contribuinte já bastante corroído por causa da forte crise econômica que assola o País de um modo geral. No total, foram emitidos mais de 42 mil carnês de IPTU.

Por sua vez, Inha explicou que a tarifa da taxa lixo varia na maioria das casas de R$ 10 a R$ 30 por mês, de acordo com a metragem do imóvel e, portanto, qualquer percentual acima disso pode ter ocorrido um erro por parte da municipalidade.

Por isso, o presidente aconselhou os que se sintam prejudicados a procurar a prefeitura da cidade para solicitar a devida correção. Para ele, o sistema de cálculo do Poder Executivo fez uma lambança, no momento, de fazer o lançamento da taxa de lixo.