No dia 1º de fevereiro o prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi (PR) apresentou o professor Leandro Bassini como sendo o novo secretário de Educação da cidade. Ele assumiu o comando da pasta no lugar de Nazih Youssef Franciss, que solicitou seu desligamento do governo por razões particulares.

Ao ser apresentado pelo prefeito o novo secretário antecipou algumas de suas metas e desafios para melhorar o ensino em Suzano. Nos dias que se seguiram a apresentação de Bassini, o Jornal Oi cobrou do novo secretário que detalhasse (da forma mais didática possível) os projetos que serão colocados em prática a partir deste ano na rede municipal em ensino em Suzano. Confiram a seguir as explicações e argumentos de Bassini.

A Secretaria Municipal de Educação projeta para este ano quatro objetivos básicos:

1 – Regular todos os processos internos de atribuição de aula, remoção de unidade escolar, processos de abertura e fechamento de escolas e compartilhamento de espaços. São procedimentos que precisam ser normatizados e padronizados, para que se tornem mais eficientes.

2 – Promover cursos de formação e capacitação para todos os profissionais da pasta: professores, diretores, cozinheiros, secretários, motoristas, agentes escolares, etc, para que todos possam se capacitar ainda mais em suas funções.

3 – Fazer uma discussão ampla sobre a Base Nacional Comum Curricular e seu impacto na organização curricular do município. Todos da pasta terão uma parcela nessa discussão e como esse processo pode dar um novo direcionamento no trabalho do cotidiano escolar.

4 – Elaboração de material didático de apoio destinado aos docentes. A construção desse material será feita ao longo do ano. Não é um material apostilado, mas feito pelos docentes para os próprios docentes, contando suas experiências ao longo da trajetória profissional e de como essas experiências podem ajudar no desenvolvimento das crianças. Os professores vão elaborar em conjunto esse material para que o mesmo seja disponibilizado a todos da pasta.

Respondendo especificamente suas questões:

A – O material didático citado será um material de apoio – um conjunto de descrição que os professores foram criando ao longo da sua trajetória profissional, considerando determinado conteúdo e disciplina. A ideia é disponibilizar a outros profissionais da pasta de maneira formatada, impressa, para que possa ser compartilhada essa experiência. Portanto, não é um material comprado, não há previsão de custo, já que será impresso na própria secretaria (com os devidos créditos aos autores) e distribuído aos professores da rede municipal.

B – Na verdade tratam-se de processos internos, que estão em instruções normativas da própria secretaria, mas que precisam de um maior desenvolvimento e amadurecimento, para que se tornem permanentes e padronizados, sem alterações de ano para ano. Por exemplo, quando uma escola muda de endereço, precisamos dizer quais são os critérios para esta mudança; quando se cria uma escola, é preciso um procedimento para sua criação e tudo o que envolve o funcionamento desta escola (quem vai atuar na escola, mobiliário, etc…); quando um professor quer ser removido de uma unidade escolar para outra, o que ele deve fazer? Já existe tudo isso escrito, mas como ainda há alguns pontos controversos, a ideia é dar clareza, desenvolver essa escrita e deixar um texto que seja de conhecimento de todos e aceito por todos, para dar tranquilidade aos servidores, eliminar quaisquer dúvidas e que todos saibam como é o processo na sua íntegra.

C – Quanto à organização curricular, todas as instâncias no Brasil devem repensá-la, em todos os sistemas (municipal, estadual, federal e privado), inclusive as universidades – no reflexo do seu currículo na formação dos profissionais. Em dezembro foi aprovado o documento norteador da organização curricular, a Base Nacional Comum Curricular. Este documento é um direcionamento em 60% de organização curricular em todos os sistemas. Cabe agora a cada município promover uma adaptação e uma reflexão sobre a Base e propor a sua reorganização curricular, contemplando suas necessidades e realidades locais.

D – Os projetos da Secretaria Municipal de Educação são ambiciosos. O que pode ser implementado até 2020 é a tecnologia aplicada nas escolas, com sistema de consulta e monitoramento dos alunos pela web (boletim e acompanhamento do desenvolvimento escolar no dia a dia). Também é possível pensar em protótipos de escolas autossustentáveis, com aproveitamento da água da chuva, coleta seletiva de resíduos, abastecimento de energia com fontes diversificadas, etc.