Enquanto Mogi acelera e aprova o uso dos aplicativos no transporte, Suzano ‘não sai das preliminares’
A aprovação do prefeito Marcus Melo representou um final feliz a um projeto bastante polêmico/ Foto: Glaucia Paulino/Oi Diário e Diego Barbieri/PMMC
Guararema Mirante Novembro

Na quarta-feira, 7, o prefeito de Mogi das Cruzes, Marcus Melo (PSDB) garantiu que irá sancionar o projeto aprovado pelos vereadores (na terça-feira, 6) que regulamenta o uso de aplicativos (tipo Uber) no transporte de passageiros na cidade.

A informação do prefeito representou um final feliz a um projeto bastante polêmico.

“O projeto foi muito discutido, inclusive com os motoristas que trabalham com o aplicativo e os taxistas. A Câmara fez algumas alterações, que temos que respeitar. Ainda não recebi o projeto, mas vou sancionar”, destacou.

O texto foi votado na sessão de anteontem e aprovado por unanimidade, sendo que vários vereadores observaram que a aprovação da proposta enviada pelo prefeito e alterada por meio de cinco emendas, representou um dia histórico para Mogi.

A partir do final feliz da novela em que se transformou a regulamentação dos aplicativos no sistema de transporte em Mogi, o Oi questionou a Prefeitura de Suzano sobre o andamento do processo/projeto para a regulamentação (ou não) do sistema de aplicativos no transporte de passageiros na segunda maior cidade do Alto Tietê.

Confira abaixo as manifestações da Prefeitura:

“A Secretaria Municipal de Transporte e Mobilidade Urbana de Suzano já está se reunindo com representantes das categorias de taxistas, motoristas de aplicativos e da empresa responsável pelo transporte público na cidade – o objetivo é conhecer a realidade de todos os lados nesta questão. Os técnicos da pasta também estão realizando estudos jurídicos. Após a conclusão destas etapas e a compilação de todas as informações relevantes, a Secretaria pretende elaborar uma minuta de lei para regulamentar o serviço no município. Antes de ser encaminhado à Câmara de Vereadores, o texto deve passar pela análise e parecer da Secretaria Municipal de Assuntos Jurídicos”.